O que é necessário para alcançar a produtividade na empresa

O que é necessário para alcançar a produtividade na empresa?

Um grande desafio no mercado atualmente é ter real noção sobre o que é necessário para alcançar a produtividade na empresa. Com tantas mudanças e transformações na maneira como os negócios se mantém e nas qualificações dos profissionais, é comum vermos corporações entrando em crise pela baixa eficiência e alcance de resultados.

Você provavelmente já deve conhecer alguma história de uma empresa que tinha tudo para dar certo, mas no fim acabou dando errado, não é mesmo? É possível que o principal motivo para isso ter ocorrido foi a baixa produtividade dos funcionários, seja por estarem desmotivados ou por não ter havido um processo seletivo qualificado. Ainda é muito difícil para muitos empresários saberem mecanismos para realizar um diagnóstico sobre o que é necessário para alcançar a produtividade na empresa e dos seus colaboradores.

Essa questão tão importante para gestores e Recursos Humanos precisa ser resolvida. Para isso, resolvemos separar três atitudes imediatas para de uma vez por todas entender o que é necessário para alcançar a produtividade na empresa e criar um plano de ação. Continue lendo e fortaleça o sucesso do seu negócio!

Leia também: Cinco dicas de como ser mais inclusivo na sua empresa

1 – Foque na qualificação profissional

Antes mesmo de analisar o seu quadro atual de funcionário a fim de responder o que é necessário para alcançar a produtividade na empresa, é preciso reavaliar como você está realizando seus processos seletivos. Você realiza um estudo detalhado das demandas das áreas da sua empresa e do perfil profissional esperado para cada vaga em aberto? Além disso, quando você entrevista um profissional, você leva em conta quais características? Você busca entender como a personalidade profissional do seu entrevistado concordará ou não com a cultura organizacional?

O que é necessário para alcançar a produtividade na empresa

São pontos primordiais para conseguir, após a contratação, manter o funcionário produtivo. Contratar profissionais com um vasto currículo de experiências e formações, pode parecer atrativo. Entretanto isso não é garantia para que ele venha a ter sempre uma qualificação e produtividade no seu negócio. É preciso investir sempre em treinamentos, palestras, congressos, estudos estratégicos com diagnósticos de pontos a serem melhorados, oferta de descontos em cursos profissionalizantes.

Mais do que apresentar opções, é importante incentivar e beneficiar quem busca esse tipo de atualização profissional. Valorize os talentos dos seus profissionais e busque criar metodologias que os desenvolva constantemente, visando sempre maior eficiência nas diversas áreas de atuação.

2 – Defina metas e objetivos bem estabelecidos

Muitas vezes nessa busca pelo o que é necessário para alcançar a produtividade na empresa é importante logo de início reavaliar as estratégias e prazos já estabelecidos em cada área. É importante e essencial que cada equipe da sua empresa possua um foco de atuação e entenda a importância de sua eficiência na construção do resultado final e sustentabilidade do negócio. Entretanto, você provavelmente já deve ter visto ou notado até mesmo no seu próprio quadro, funcionários que não sabem de fato a importância dos seus trabalhos, muito menos como eles interferem no todo.

É importante fortalecer a sinergia entre todos os colaboradores, com integração de resultados e metas específicas, mensuráveis e, claro, alcançáveis e relevantes. Não adianta de nada você definir objetivos enormes, se na prática, eles nunca serão realizados. É comum muitos gestores acreditarem que ao colocarem uma meta muito maior do que a possível de se alcançar, os funcionários irão ser ainda mais produtivos para chegar ao menos perto. Só que na prática, essa estratégia pode ter efeito contrário. Por terem noção da dificuldade, muitos podem acabar desistindo logo de início e nem tentando chegar perto.

O que é necessário para alcançar a produtividade na empresa

Outro ponto importante é definir exatamente as responsabilidade e papéis de cada um dos seus colaboradores, seja em pequenas, médias ou grandes empresas. Problemas nessas definições podem causar grandes prejuízos e até mesmo futuros processos trabalhistas. O funcionário pode acabar tendo que assumir tantas funções, que no fim, não desempenhará nenhuma delas com eficiência e qualidade. O famoso “fazer o feijão com arroz bem feito, antes de tentar assumir outras responsabilidades”.

Então para conseguir estabelecer o que é necessário para alcançar a produtividade na empresa é importante dividir as tarefas dos seus colaboradores de forma clara, detalhada e sempre mantendo um canal aberto entre os funcionários e gestores, permitindo esclarecimentos sobre o que está sendo feito e o que é prioritário. Esse ponto de comunicação é essencial quando se busca uma resposta para o que é necessário para alcançar a produtividade na empresa. Você só conseguirá realizar um diagnóstico do que está dando errado quando conseguir ouvir de fato um feedback de todos do seu negócio sobre o que esperam que seja feito diferente.

Seus colaboradores podem ser a resposta sobre o que está dando errado e o que tem feito com que a produtividade esteja em baixa. Muitas vezes produtividade está totalmente ligada a motivação. Então fique de olho no alinhamento da cultura organizacional com os desejos individuais ou das equipes do seu negócio. Crie grupos de clima, converse com gestores, conheça mais sobre seus funcionários e crie um sentimento interno em que todos fazem parte da construção do resultado do negócio e que cada um pode impactar diretamente no sucesso ou não.

Leia também: Como os processos de gestão favorecem a sua empresa

3 – Invista em tecnologia

Atualmente existem no mercado diversas ferramentas tecnológicas que permitem aos colaboradores acelerar processos, diminuir burocracias desnecessárias e automatizar tarefas manuais que impactam diretamente na produtividade. Hoje em dia há recursos que facilitam as comunicações, programas que integram os processos da empresa e sistemas que ajudam a fazer uma boa gestão de seus recursos humanos.

O que é necessário para alcançar a produtividade na empresa

Aqui na TeleWorld você encontra soluções para controle do relógio ponto, ferramentas para segurança no trabalho e medicina preventiva, terminais inteligentes de autoatendimento, além de instrumentos para controle de acesso de pessoas e veículos. Quer saber como cada uma dessas soluções pode ajudar a resolver a pergunta sobre o que é necessário para alcançar a produtividade na empresa? Então entre em contato agora mesmo conosco!

Leia também: A Pirâmide de Maslow aplicada ao seu negócio e a gestão de pessoas

Esperamos ter lhe ajudado a compreender o que é necessário para alcançar a produtividade na empresa. Não deixe de compartilhar esse post nas suas redes sócias e auxiliar mais pessoas nessa questão!

Gestão de pessoas, RH e Departamento Pessoal

Qual a diferença entre gestão de pessoas, RH e departamento pessoal?

Com estruturas cada vez mais plurais e complexas, as empresas atualmente acabam enfrentando certa dificuldade ao estabelecer funções para diferentes áreas, como a de Gestão de pessoas, RH e Departamento Pessoal. Seja por desconhecerem as funções de cada uma delas, ou por simplesmente haver uma má organização, muitos negócios acabam enfrentando sérias consequências por não compreenderem o que cada um desses setores influencia no todo. 

Por mais que Gestão de pessoas, RH e Departamento Pessoal são áreas relacionadas aos colaboradores de uma empresa, cada uma delas possui atividades próprias e lida com aspectos singulares do capital humano, exigindo especializações e demandas específicas. A confusão entre elas se dá exatamente por esses setores serem complementares um aos outros. Apesar disso, eles não são a mesma coisa, apenas complementares

Se você busca resultados mais eficazes, almejar lucros, ter colaboradores motivados e engajados e alcançar uma alta produtividade, é essencial compreender de uma vez por todas as diferenças entre Gestão de pessoas, RH e Departamento Pessoal. Abaixo apresentamos as principais atividades e funções de cada um desses setores na empresa. Confira: 

Gestão de pessoas

Talvez o termo e área mais difícil de diferenciar entre Gestão de pessoas, RH e Departamento Pessoal, seja justamente o primeiro. Isso porquê muitos negócios não possuem de fato um setor para tratar desse assunto, quando na verdade deveria existir. O termo gestão está relacionado a administração, portanto, quando falamos de Gestão de Pessoas estamos nos referindo a um conjunto de atividades feitas pelos gestores de cada uma das áreas de uma empresa. Cada gestor tem um papel de gerir, administrar, seus funcionários diretos, como também os bens e serviços relacionados ao seu trabalho. Cabe a um gestor focar em algumas atividades, como: 

  • Criar processos motivacionais com sua equipe
  • Estabelecer relacionamento interpessoal e incentivar o desenvolvimento profissional
  • Planejar e liderar a equipe realizando um trabalho conjunto e específico, dependendo da situação
  • Avaliar comportamentos e resultados, dando feedbacks constantes e ouvindo o que os colaboradores têm a dizer
  • Comunicar sobre a cultura organizacional e repassar informações sobre atualizações que a empresa possa estar passando 

Gestão de pessoas, RH e Departamento Pessoal

Tendo em vista todas essas demandas de atividades aos gestores, faz-se necessário haver um departamento específico para auxiliar e capacitar esses processos. O setor de Gestão de Pessoas tem como principal função motivar seus colaboradores e manter um espaço de comunicação onde o colaborador consiga ser ouvido e ter voz de decisão. De maneira geral, a principal diferença entre os dois tópicos seguintes, é que o Departamento de Gestão de Pessoas age diretamente no bem-estar e engajamento dos colaboradores e orientação aos gestores

Leia também: Desafios de investir na gestão de pessoas: vantagens, obstáculos e resultados

 

Recursos Humanos (RH)

O Recursos Humanos e a Gestão de Pessoas muitas vezes acabam se confundindo, principalmente por, em muitas empresas, os responsáveis dessas duas áreas trabalharem no mesmo espaço físico e a atuarem em conjunto para atingir metas comuns, como reduzir o turnover, potencializar o capital intelectual, aumentar a satisfação dos colaboradores. Contudo, quando buscamos diferenciar Gestão de pessoas, RH e Departamento Pessoal, devemos considerar como principal foco do RH planejar uma estratégia macro para a empresa focando na proximidade entre a cultura organizacional e os objetivos individuais de cada colaborador. Enquanto na Gestão de pessoas é diagnosticado o que é preciso ser organizado ou transformado, cabe ao RH pensar em metodologias e estratégias para que de fato essa mudança ocorra. 

Gestão de pessoas, RH e Departamento Pessoal

Job applicant having an interview.Group of business people having job interview with young woman.

Por exemplo: o gestor de pessoas pode perceber que determinado setor da empresa não está em sintonia e apresentando desavenças ou resultados muito abaixo do esperado. Cabe ao RH propor as técnicas para aumentar essa satisfação e ações para que produza o efeito desejado, podendo muitas vezes perceber a necessidade de renovação do time de funcionários. 

Abaixo algumas funções dos profissionais de RH:

  • Realizar os processos de seleção e recrutamento
  • Planejar atividades de integração de novos colaboradores
  • Criar formas de premiação por metas alcançadas
  • Verificar a qualificação profissional de determinados profissionais para vagas 
  • Plano de Carreira
  • Promover palestras motivacionais
  • Fundamentar métodos para avaliação de desempenho dos colaboradores
  • Estruturar planos de cargos e salários

Leia também: Processo de seleção: como escolher o candidato certo para cada vaga

 

Departamento Pessoal

Para finalizar essa diferenciação entre Gestão de Pessoas, RH e Departamento Pessoal, chegou a hora de explicar o último setor em questão. Enquanto Gestão de Pessoas e RH está fortemente ligado ao envolvimento do colaborador na organização, o Departamento Pessoal é responsável por cuidar dos aspectos mais burocráticos e trabalhistas da empresa, muitas vezes tendo em seu escopo de funcionários Administradores ou técnicos em Administração. 

O Departamento Pessoal centraliza as informações sobre o capital humano da organização, construindo uma base de dados a fim de focar na sustentabilidade financeira da empresa e muitas vezes concedendo subsídios às práticas dos gestores de pessoas e de RH. 

Gestão de pessoas, RH e Departamento Pessoal

Veja as principais responsabilidades desempenhas pelos funcionários do Departamento Pessoal: 

  • Realizar pagamentos 
  • Definir cargas horárias de trabalho
  • Formalizar Contratos e Registro de Carteira 
  • Cálculos de Férias, Horas Extras, Vale Transporte, Alimentação, 13º, Licença maternidade, FGTS, INSS e indenizações 
  • Normatizar o processo de contratação e demissão de colaboradores 

Leia também: Como a saúde interfere na produtividade nas empresas

Como você percebeu existem diferenças fundamentais entre Gestão de pessoas, RH e Departamento Pessoal. Os três setores existem na sua empresa? O trabalho realizado em cada um deles está de acordo com essas funções estabelecidas ao longo do texto? Se sua resposta for não para cada uma dessas perguntas, talvez esteja na hora de rever os processos e a estrutura da sua organização. 

Nunca se esqueça que o Departamento Pessoal tem como objetivo auxiliar a empresa no que diz respeito às suas atividades administrativas de negócio. Já o Recursos Humanos, tem foco no desenvolvimento pessoal. Por fim, o setor de Gestão de Pessoas deve observar o relacionamento interpessoal dos colaboradores. Quando cada uma dessas áreas está bem estabelecida em uma empresa, os colaboradores e toda a empresa ganham em produtividade e resultados positivos

Se você gostou desse texto sobre Gestão de pessoas, RH e Departamento Pessoal, não deixe de compartilhar nas suas redes sociais.

Até a próxima! 

Processo de Seleção

Processo de seleção: como escolher o candidato certo para cada vaga

O processo de seleção de candidatos para vagas em aberto sempre é um grande desafio para gestores e empreendedores. Muitas vezes, com perfis tão variados e inúmeros currículos recebidos, fica a questão sobre quais critérios é preciso levar em conta, o que analisar, como realizar a seleção e o que priorizar. O mercado cada vez mais está competitivo e ter um processo de seleção qualificado e com regras bem estabelecidas é uma exigência na gestão de pessoas do seu negócio.

Desde o início do processo de seleção, com a divulgação da vaga, já surge em nossas mentes perfis ideais para determinadas funções. Entretanto, quando se dá início ao recebimento de currículos e entrevistas, é comum nos depararmos com características variáveis e qualificações muitas vezes opostas daquelas expectativas iniciais. É normalmente nessa hora que surge o dilema sobre como escolher o candidato certo para cada vaga.

“Quais candidatos chamar para entrevista? ”; “quantas entrevistas são necessárias? ”; “é preciso incluir testes ou dinâmicas em grupo? ”, dúvidas como essas são comuns e cotidianas de recrutadores e equipes de Recursos Humanos. Se há algum tempo atrás bastava uma única conversa para se ter noção sobre o candidato, é cada vez mais comum que haja um processo de seleção mais profundo e com algumas etapas bem estabelecidas para avaliar de fato a qualificação profissional do candidato e se seu perfil se encaixa com o que se espera para a vaga. Abaixo apresentamos algumas dicas de como realizar um processo de seleção que consiga, de fato, escolher o candidato certo para cada vaga. Confira! 

Entenda muito bem sobre o cargo, sua empresa e o perfil do candidato

Uma boa equipe de Gestão de Pessoas ou um gestor deve compreender, antes de um processo de seleção, toda a cultura organizacional e padrões de comportamentos esperado por parte dos colaboradores. Além disso, cada área do seu negócio provavelmente possui um perfil de atuação e demanda profissional, muitas vezes específicos. Isso é normal, mas deve se ter bastante consciência antes de selecionar um candidato. Provavelmente o funcionário esperado para uma equipe de Marketing, por exemplo, tem um perfil completamente diferente do selecionado para uma equipe Financeira.

Processo de Seleção

Outro ponto comum é vermos candidatos selecionados apenas por possuírem qualificações que se encaixam no perfil profissional esperado para a vaga aberta. Entretanto, logo que são contratados passam a enfrentar sérios problemas de identificações com a missão e valores da empresa, sem haver nenhuma afinidade com a cultura. O principal ponto de candidatos assim é a baixa produtividade após a contratação por conta da desmotivação. Muitos colaboradores entram na organização esperando uma coisa, enquanto a empresa demanda outra.

Então, quando você for realizar um processo de seleção, procure deixar muito claro em sua mente quais são os valores do seu negócio e tente compreender se o candidato se encaixa neles ou possui algum incômodo com alguns dos aspectos esperados para a sua equipe.

Leia também: Cinco dicas de como ser mais inclusivo na sua empresa

Crie mapas mentais de perguntas-chaves para a contratação

Ao iniciar as conversas iniciais para o processo de seleção é natural querer logo de cara contratar alguém que se encaixou com atributos semelhantes que tenham se destacado particularmente para o recrutador. Seja uma característica profissional mais próxima do currículo do gestor ou do profissional de RH em questão, ou até mesmo uma afinidade de personalidades. Entretanto, essa escolha pode estar sendo extremamente subjetiva e não levando em conta aspectos objetivos e essenciais.

Processo de Seleção

Para garantir que sua escolha será extremamente fundamentada e tentando ao máximo se distanciar dos seus gostos pessoais, é importante verificar seus critérios de contratação e planejar aspectos importantes a serem analisadas no candidato, desde questões técnicas, até de vivência profissional, como, por exemplo: quais experiências o candidato já tem e como elas podem ser essenciais para a vaga em questão; habilidades avançadas relevantes; após contratado, quanto tempo de treinamento esse candidato demanda; a eficácia e rapidez que o candidato irá apresentar seu trabalho no dia a dia; seu histórico de crescimento e desenvolvimento profissional onde trabalhou, bem como se o candidato assume erros que possa ter cometido;  suas qualidades e características quantitativas de realizações de carreira; entre outros aspectos específicos que cada vaga pode vir a ter necessidade ou sua empresa espera saber sobre o candidato.

Leia também: Como os processos de gestão favorecem a sua empresa

Mas afinal, quantas fases são necessárias para um processo de seleção?

Uma dúvida comum em quem está em busca do candidato certo para cada vaga é como realizar o processo de seleção e quais mecanismos inserir nele. Como descrito acima, as entrevistas são extremamente importantes para descobrir as características profissionais, sociais e intelectuais de cada candidato. Entretanto, a forma como ela será realizada, bem como a abordagem podem influenciar diretamente nessa percepção.

Processo de Seleção

Muitas empresas têm realizado múltiplas etapas em seu processo de seleção, desde uma primeira apresentação em vídeo ou texto, uma dinâmica em grupo, entrevistas individuais com mais de um recrutador, até um teste final específico para cada vaga. Porém, muitos candidatos acabam desistindo logo de início ou recrutadores acabam enfrentando uma dificuldade ainda maior de conseguir definir métricas e pontos avaliativos em cada uma dessas fases.

A dica é não fazer porque todo mundo faz. Procure compreender quais são as necessidades do seu negócio e da área em questão do cargo a ser ocupada. Faça uma análise do perfil profissional que já atua nessas equipes e quais são os métodos atuais utilizados para avaliar o rendimento dos funcionários.

Quando estabelecemos que todos os futuros funcionários terão que fazer um vídeo de apresentação, por exemplo, podemos estar inconscientemente dando exclusividade para profissionais extrovertidos, comunicativos ou que consigam se desenvolver bem perante às câmeras. Mas será que todas as áreas da sua empresa têm necessidade de ter um profissional assim?

O mesmo funciona para testes e técnicas de simulação em grupo. Áreas mais práticas, como equipes de TI ou de vendas, talvez um exercício seja uma boa estratégia para o seu processo de seleção. Agora outra área, como a de Gestão de Pessoas, talvez não seja assim tão necessário um teste prático, mas sim entrevistas individuais ou até mesmo dinâmicas em grupo.

Leia também: 8 vezes que candidatos não foram contratados por algum post nas redes sociais

Como você percebeu, o processo de seleção deve ser tratado com atenção e cuidado por todos os gestores e equipes de RH. Ele demanda bastante tempo e dedicação, sendo necessário conhecer bem o negócio e cada vaga em aberto. Não se deve aplicar uma mesma técnica para todos os casos e é importante utilizar alternativas de instrumentos para conseguir identificar o candidato certo para cada vaga.

Se esse texto lhe ajudou a criar um processo de seleção qualificado para o seu negócio, não deixe de compartilhar nas suas redes sociais.

Até a próxima!

bem-sucedido

Três passos para conseguir ser bem-sucedido

Todo mundo ao escolher uma profissão ou um ramo de atuação sonha em ser bem-sucedido. Ter o reconhecimento profissional e ganhar destaque por algo que você fez ou faz é uma recompensa por todo o esforço empregado desde o início da carreira. Mas afinal, como atingir o sucesso tendo um retorno financeiro e satisfação pessoal? 

O primeiro ponto que você precisa deixar de acreditar é que as coisas caem do céu. Não, nada acontece de uma hora para outra. Claro que algumas pessoas possuem privilégios que a tornam mais suscetíveis para alcançar o reconhecimento profissional, mas, de maneira geral, todos precisam percorrer uma jornada longa e de muito esforço para conseguir ser bem-sucedido. Existem diferentes caminhos e fórmulas para se conquistar o que deseja. Para ser bem-sucedido, você precisa ter claro onde quer chegar e analisar as diferentes possibilidades para conseguir percorrer essa estrada rumo ao sucesso. 

Leia também: 4 maneiras de crescer na carreira sem se tornar um gerente

Se você entrou nessa matéria, provavelmente ou está a caminho ou não sabe o que fazer para conseguir ser bem-sucedido. Então continue lendo e confira três passos que você deve pôr em prática para conquistar o reconhecimento profissional!

1 – Tenha foco no seu objetivo e não desvie em rotas alternativas

Quem nunca já se viu criando planos B, C, D para fugir do plano A? Ter alternativas pode ser muito bom para nos manter mais tranquilos, porém elas podem ser uma grande armadilha para nos tirar o foco do que realmente desejamos. Quando você não tem outra escolha, você se obrigar a correr atrás e fazer de tudo para tornar real seu objetivo. 

bem-sucedido

Mantenha a confiança de que você irá conseguir, apesar do que possa ocorrer, você terá capacidade e arrumará alguma maneira de se recuperar e continuar percorrendo a rota certa para conquistar o seu objetivo. Pode demorar, podem haver erros, mas isso tudo serve para você conseguir crescer e amadurecer ainda mais seu foco. Aprenda com suas fraquezas e não desista. Ser bem-sucedido é consequência de esforço e determinação

Leia também: A Pirâmide de Maslow aplicada ao seu negócio e a gestão de pessoas

2 – Positividade e bom hábitos

A maior parte das pessoas bem-sucedidas é entusiasmada, confiante, feliz e, principalmente, otimista. Você já deve ter percebido que quando carrega certos momentos da sua vida com boas energias, tudo torna-se mais fácil. Então, que tal sempre que algo parecer difícil, pensar “vai dar certo”, “eu vou conseguir”; “vai ser divertido”. Tire da sua mente a pergunta “por quê” e substitua por “para que – “Para que estou passando por isso? ”; “O que preciso aprender com esse novo desafio? ”. Viu? Fica mais fácil conseguir respostas otimistas e seguir em frente acreditando que existe um bom motivo para que você esteja passando por alguma dificuldade. Ah, tire também essa palavra da mente. Não existem dificuldades, mas sim desafios.

bem-sucedido

Tudo isso deve ser empregado não apenas quando você estiver trabalhando, mas sim nos seus hábitos diários. Aqueles com maior propensão para o sucesso tendem a ter hábitos diários mais saudáveis e equilibrados. Se você está chegando em casa e mantendo sua mente no trabalho, é o momento de repensar qual caminho você está seguindo. É preciso separar a hora de focar no trabalho e a hora que vamos ter distrações quotidianas, seja vendo um filme, conversando com os familiares, indo a um parque. Conseguimos ter um melhor desempenho nos nossos objetivos profissionais quando mantemos nosso corpo descansado e em equilíbrio emocional. Tenha uma alimentação saudável, faça exercícios regularmente, mantenha uma rotina bem estabelecida e a ponha em prática. Mas atenção, não veja tudo isso como uma obrigação. Tudo que é obrigado se torna chato. Busque sempre ter prazer nas suas rotinas, fazendo o que gosta e descobrindo a cada dia algo novo que lhe faz ainda mais feliz. 

Leia também: Inovação no RH? Não se confunda, comece por aqui

3 – Nunca deixe de sonhar e aprender

Muitas pessoas se acomodam quando alcançam algum objetivo – seja ele pequeno ou não. Os profissionais bem-sucedidos sempre estão buscando novos sonhos e focos para se manterem ativos e com desafios ainda mais produtivos. Cada vez mais o mundo está dinâmico e exigindo profissionais qualificados. É muito comum vermos funcionários que durante anos trabalharam numa mesma empresa e ao se verem no mercado de trabalho, enfrentam uma concorrência muito mais capacitada, por terem mantido uma educação continuada. 

bem-sucedido

Atualmente existem diversos cursos profissionalizantes e de especialização, seja a distância ou presenciais. Muitos até com curta duração, sendo realizados em feriadões ou até mesmo fins de semana. Além disso, algumas empresas possuem planos de incentivo de aprendizado contínuo, com descontos em pós-graduações ou workshops. 

Então, para começar, considere como e de que maneira você quer se desenvolver. Pesquise as possibilidades de cursos que mais despertem sua curiosidade. Veja com o que você trabalha e no que essas oportunidades podem qualifica-lo ainda mais como profissional. Procure participar de grupos em redes sociais ou assistir vídeo-aulas relacionadas ao seu campo de atuação. Hoje em dia diversos profissionais compartilham suas experiências no YouTube ou em grupos no Facebook. Além de ser uma excelente oportunidade de networking, você poderá ver na prática como está o mercado de trabalho na área em que atua. 

Aliás, networking é a palavra-chave para conseguir nutrir um bom futuro na sua carreira. Sabemos como as empresas são voláteis e, mais do que isso, precisamos ser humildes para reconhecer que não sabemos tudo. Na verdade, quando partimos da ideia de que temos muito ainda para aprender, abrimos nossas mentes e encaramos o outro como uma pessoa com grande potencial de contribuir para que consigamos ser bem-sucedidos. Então, mantenha uma rede de contatos diversa e busque fortalecer seus laços com todos os tipos de profissionais, sejam eles em escala hierárquica superior ou inferior à sua. 

Leia também: O que é absenteísmo e 4 maneiras de melhorar os resultados na sua empresa

Gostou? Esperamos ter lhe ajudado a ter mais clareza do que é preciso para ser bem-sucedido e conquistar o reconhecimento profissional. Mantenha-se sempre otimista e lutando pelo o que você deseja. Não desista e nunca deixe que alguém lhe diga que você não é capaz. Acredite nos seus potenciais. Compartilhe esse post nas suas redes sociais e ajude mais pessoas a terem sucesso em suas carreiras.

Até a próxima! 

Saúde preventiva

Saúde preventiva nas empresas: o que é e como ser eficiente

A saúde preventiva nas empresas tem sido um assunto corrente nas principais organizações e em eventos sobre Gestão de Pessoas. A necessidade de aliar bons resultados com o bem-estar dos seus colaboradores coloca em foco esse tema, que deve se tornar prioridade nas organizações de sucesso. Mas afinal, o que é saúde preventiva e como torná-la eficiente na sua empresa? 

Estimular entre os funcionários uma cultura de cuidados diários com o corpo e a mente vem se mostrando uma excelente estratégia para garantir um aumento no engajamento e produtividade da empresa.  Parece natural investir em saúde preventiva, mas sabemos que, na prática, deixamos muitas vezes de lado por conta de nossas rotinas, focando apenas em conquistar mais resultados e crescer seja como profissional, ou como empresa. 

Entretanto, as organizações viram que a longo prazo esses hábitos acabam tendo um resultado contrário e impactando negativamente no desempenho dos funcionários e na sustentabilidade do negócio. Muitas empresas de sucesso passaram a compreender que assegurar a saúde preventiva dos seus funcionários é essencial para conquistar a excelência das equipes e criar um clima de motivação e consciência corporal

Leia também: Como adequar empresas de segurança do trabalho e medicina preventiva ao eSocial

Abaixo você sabe um pouco mais o que é saúde preventiva e qual sua importância, na prática, para as organizações:

Provavelmente você já ouviu o ditado: “é melhor prevenir do que remediar”, não é mesmo? Por mais que seja clichê falar isso, todos nós deveríamos ter mais atenção para essas sábias palavras populares. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a maioria das doenças poderia ser evitada apenas tendo hábitos de vida mais saudáveis e consultando médicos com frequência. 

Saúde preventiva

A saúde preventiva, ou também denominada medicina preventiva, como o próprio nome já diz, é uma especialidade médica que busca pôr em prática ações antecipadas para evitar e diminuir as chances de desenvolvimento de doenças que possam se instalar e provocar consequências mais graves ao organismo. A saúde preventiva é dividida em quatro focos de atuação, são eles: 

Primária:  principal etapa da saúde preventiva, atuando para impedir que doenças se instalem, aplicando ações como campanhas de vacinação e conscientização corporal. 

Secundária: essa etapa visa diagnosticar o quanto antes, com o intuito de poder tratar as doenças ainda nos estágios iniciais.

Terciária: nesse caso a saúde preventiva age na diminuição dos efeitos negativos de doenças já instaladas, minimizando danos ainda maiores ao organismo. 

Quartenária: esse último foco de atuação tem como propósito incluir métodos para evitar, na maneira do possível, os efeitos colaterais de intervenções médicas já realizadas ou até mesmo diminuir procedimentos desnecessários ou considerados excessivos. 

Quando aplicado nas organizações, a saúde preventiva cria um conjunto de ações com a finalidade de conscientizar, auxiliar no diagnóstico e/ou amenizar o impacto de doenças ocupacionais em um colaborador. 

Leia também: A Pirâmide de Maslow aplicada ao seu negócio e a gestão de pessoas

Como investir em saúde preventiva nas empresas?

Quase todas as empresas já oferecem planos de saúde aos seus funcionários, entretanto, apesar de essencial, as pessoas só buscam quando já estão enfrentando algum sintoma ou doença. Assim, somente oferecer o plano não é mais o único passo, e nem o mais vantajoso, a ser tomado em prol da qualidade de vida dos colaboradores. É preciso se concentrar na prevenção para evitar doenças, lesões e acidentes por meio de ações antecipadas. Além de se preocupar com a saúde do colaborador, ter essas iniciativas impacta diretamente também na saúde organizacional, seja financeira como estrutural. 

Saúde preventiva

Essa prática destaca dois tipos de prevenções: primária e secundária. A primária consiste quando a empresa incentiva e conscientiza os colaboradores a modificarem seus hábitos e condições de vida, eliminando fatores de risco. Algumas ações que podem ser realizadas neste primeiro processo é aplicação de medidas para aumentar à realização de atividades físicas, o estímulo e também oferta de uma alimentação saudável, informar os colaboradores sobre os riscos de ser sedentário ou sobre atitudes não saudáveis, como o tabagismo. Essas prevenções primárias afetam diretamente na saúde em médio e longo prazo. Que tal ter na rotina da sua empresa ginástica laboral ou criar parcerias com academias? Talvez seja uma boa maneira de começar agora mesmo a focar sua gestão em prol da saúde preventiva! 

A prevenção secundária é um conjunto de iniciativas que auxiliam a detecção precoce de possíveis doenças antes mesmo que o colaborador apresente algum sintoma claro. Sua organização, por exemplo, pode realizar um dia com médicos atendendo seus funcionários dentro do próprio local de trabalho, como, por exemplo, cardiologistas, fisioterapeutas, otorrinolaringologistas. Existem inúmeros exames que podem ser realizados de maneira rápida e com diagnóstico no mesmo instante. 

Leia também: O que é absenteísmo e 4 maneiras de melhorar os resultados na sua empresa

Mas afinal, por que é necessário implantar a saúde preventiva nas empresas?

O principal aspecto prático de ter iniciativas de saúde preventiva é o retorno financeiro em curto, médio e longo prazo. Se você arca com o seguro saúde dos seus colaboradores, provavelmente já deve ter enfrentado alguns gastos nesse sentido. Além disso, se sua empresa não tem nenhuma ação de prevenção até o momento, deve encarar constantemente ausências de funcionários por conta de saúde, afastamentos, ou, até mesmo, um baixo comprometimento dos colaboradores por questões físicas ou mentais. Isso tudo gera uma série de custos, como, por exemplo, na contratação de freelances para cobrir as ausências e não atrasar entregas.

Saúde preventiva

Quando você coloca em prática algumas atitudes como as citadas no tópico anterior, você reforça com seus colaboradores que se preocupa com a saúde do funcionário, e, mais do que isso, que você considera essencial unir resultados com satisfação, seja ela em todos os sentidos. O colaborador tende a se sentir orgulhoso por trabalhar ali e confortável para ir atrás de ajuda médica quando necessário. Não se esqueça que muitos deixam de ir à médicos com medo de como seus gestores vão reagir por conta da ausência. 

Implantar a saúde preventiva no seu negócio é aumentar as chances de o mercado considera-lo um bom empregador, com reputação admirável, proporcionando o reconhecimento e aumento no interesse externo em fazer parte, facilitando nos processos internos de recrutamento e manutenção de talentos. Ou seja, sua empresa tende a ter uma diminuição com gastos relacionados ao Recursos Humanos e crescer no seu posicionamento entre as concorrentes. 

Esperamos ter lhe ajudado a compreender a importância de investir em saúde preventiva na sua empresa para potencializar resultados e criar um clima organizacional mais humano e integrado. Compartilhe esse conteúdo nas suas redes sociais e colabore por um mercado de trabalho mais sustentável! 

processos de liderança

Como desenvolver os processos de liderança na empresa

Com um mercado de trabalho cada vez mais plural e diverso, uma empresa que busca integração e reconhecimento necessita ter processos de liderança bem estabelecidos e de excelência. O perfil e preparo dos profissionais que atuam como líderes, bem como a integração deles com os valores da empresa, impacta diretamente no clima organizacional e nos resultados. Mas afinal, como estabelecer bons processos de liderança? 

É comum vermos equipe mobilizadas e que possuem alto índice de produtividade graças a forma de agir de seus líderes. Mas o contrário também ocorre e muitas vezes só é percebido quando está num estágio grave de resultados negativos ou de rompimento entre as relações de trabalho. 

A importância de manter processos de liderança planejados e em constante desenvolvimento ocorre exatamente para evitar crises internas e valorizar a participação de todos os colaboradores na construção de uma organização com uma missão bem estabelecida e compactuada por todos.  Foi-se o tempo que líderes tinham um perfil mais autoritário e distante dos funcionários. Muitos gestores nem se preocupavam com o clima organizacional, com o único objetivo de atingir maior lucro possível para bater as metas e cumprir o resultado esperado naquele período. Hoje percebemos que esse quadro vem sofrendo modificações, e as organizações estão presenciando uma necessidade de estabelecer processos de liderança cada vez mais focados no bem-estar e motivação dos funcionários. Mais do que isso, verifica-se que uma organização só conquista espaço no mundo corporativo com uma participação ativa dos seus funcionários nesse processo de crescimento. 

Leia também: 4 maneiras de crescer na carreira sem se tornar um gerente

Pensando nessas mudanças nos papéis dos gestores, separamos abaixo quatro dicas para desenvolver processos de liderança na sua empresa: 

Trace estratégias e ações contínuas

Para conseguir um desenvolvimento constante e eficaz de processos de liderança é fundamental identificar as demandas presentes dos funcionários, bem como diagnosticar gestões que estão dando certo e as que estão apresentando alguma deficiência. 

processos de liderança

Assumir que sua empresa precisa repensar a estratégia de gestão é o primeiro passo para estar aberto a uma reformulação nos processos de liderança. É preciso ter objetivos claros dos perfis de líderes esperados, estabelecendo uma série de ações contínuas que vão contribuir para a identificação de qualidades esperadas, bem como os critérios para reconhecer possíveis líderes no seu quadro de funcionários. Existem diferentes estilos de liderança e cada área da sua empresa pode ter necessidade de um estilo próprio. Por exemplo, se você trabalha com vendas, possivelmente a área relacionada a captação de clientes precisará de um gestor que motive e promova a empatia, buscando sempre um resultado com conversões positivas. O líder precisa ter habilidade de socialização do grupo, para manter um equilíbrio entre as funções dessa área. 

Leia também: A Pirâmide de Maslow aplicada ao seu negócio e a gestão de pessoas

Permita a participação de todos

Toda empresa que pretende ter processos de liderança qualificados e contínuos necessita promover a participação coletiva. Para isso é fundamental ter líderes capazes de reconhecer a opinião de todos, sendo acessíveis, carismáticos, sabendo valorizar as qualidades de cada liderado, reconhecendo, também, que todos possuem dificuldades e nelas podem surgir desafios promissores. 

processos de liderança

Líderes ouvintes e presentes são necessários para se conseguir construir uma relação de confiança e engajamento de cada funcionário com a empresa. É imprescindível manter seus colaboradores sempre motivados, compreendendo as demandas necessárias, buscando sempre promover um ambiente de trabalho agradável, dando e recebendo feedbacks, mantendo um clima de cooperação e confiança. 

Outro ponto positivo de manter processos de liderança que visem a participação coletiva é que você se torna mais propenso a identificar possíveis líderes em potencial. Quanto mais o colaborador se sentir pertencente, engajado e motivado, mais chances de ele querer crescer e alcançar postos maiores. E nada melhor para criar um clima organizacional positivo do que promovendo funcionários. 

Autoconhecimento e autocontrole

Quem nunca viu um líder perdendo totalmente o controle emocional quando algo saiu do esperado? Muitas dessas ações podem acabar acarretando em situações ainda maiores, como de abusos e assédios morais. Trabalhar em equipe é sempre uma surpresa diária e estamos propensos a enfrentar dificuldades e ações que não deram o resultado que esperávamos. Afinal somos humanos, cometemos erros e, muitas vezes, nossos resultados estão sujeitos a aspectos externos e que não dependem apenas de nós. 

processos de liderança

Ao pensar nos processos de liderança do seu negócio priorize capacitar seus gestores visando o autoconhecimento e autocontrole. Eles precisam ter inteligência emocional, reconhecendo sempre suas fraquezas e aprendendo diariamente a lidar com elas. Assumir erros e mostrar para seus funcionários diretos que você também pode cometer equívocos é um ponto positivo para conseguir manter um elo. Não conseguimos agradar a todos e trabalhar com pessoas é ter que, diariamente, lidar com diferentes questões, sejam elas profissionais ou não. Um bom líder precisa trabalhar seus impulsos prejudiciais e demonstrações de descontrole emocional. 

Nenhuma equipe se mantém ativa e confiante quando vê no seu gestor insegurança e pânico em momentos críticos. É preciso pensar antes de agir e tentar transparecer ao máximo que todos os problemas possuem alguma solução, basta correr atrás e manter o equilíbrio. Não esqueça que um líder é um exemplo a ser seguido. Falaremos um pouco mais sobre isso no último tópico abaixo. 

Leia também: Inovação no RH? Não se confunda, comece por aqui

Construa lideranças exemplos

Bons processos de liderança têm como consequência líderes que são exemplos tanto para a empresa, como para os liderados. Um problema muito comum nas equipes é ter gestores que não possuem nenhum conhecimento de todo o processo produtivo da área em que atua. É claro que não precisamos ter um gestor que saiba fazer na prática o que cada um dos seus colaboradores faz. Ser um líder exemplo significa executar todas as suas tarefas com eficiência e qualidade, sabendo apresentar e explicar como ocorre todo o processo de produção da sua equipe. 

processos de liderança

Uma pergunta básica para saber se você está sendo um exemplo para seus funcionários é se questionar se você sabe tudo que eles executam e como funciona o processo de trabalho deles. Outra pergunta que você deve se fazer é se você transparece acreditar na missão e valores da empresa, bem como motivação e felicidade por estar ali. Um gestor que demonstra estar insatisfeito com algo e não faz nada para mudar, possivelmente terá uma equipe insatisfeita e desmotivada. 

Como você percebeu, estabelecer processos de liderança otimizados para a sua empresa envolvem diferentes aspectos. É preciso construir uma cultura de engajamento e reconhecimento de qualidades dos seus colaboradores. Tenha líderes que inspirem e lutem por um clima positivo entre todos. 

Não deixe de compartilhar essa publicação nas suas redes sociais e ajude mais empresas a planejarem seus processos de liderança! 

empreendedorismo sustentável

Como aplicar o empreendedorismo sustentável

A sustentabilidade vem tomando formas cada vez mais concretas com o passar dos anos. O reconhecimento de ações mais conscientes acerca do meio ambiente e do convívio social, traz uma nova demanda para as grandes e pequenas empresas: o empreendedorismo sustentável. Mais do que atitudes voltadas a preservação ambiental, surge nesse novo modelo de negócio uma reflexão sobre as relações de trabalho e a qualidade de vida dos funcionários. 

O consumidor está cada vez mais atento e buscando um consumo mais responsável. Cada vez mais é perceptível um aumento nos debates sobre a responsabilidade individual para evitar a intensificação das mudanças climáticas, bem como a procedência dos produtos que compramos ou consumimos. Isso levou os governos de diferentes países assinarem acordos e protocolos para adotar medidas que possam frear de alguma maneira a ação nociva da humanidade sobre o meio ambiente. 

Leia também: 4 maneiras de crescer na carreira sem se tornar um gerente

Numa rápida busca na Internet vemos diferentes atitudes comerciais para pôr em prática o empreendedorismo sustentável. Uma delas, mais recente, foi a adoção de canudos biodegradáveis por boa parte dos estabelecimentos gastronômicos. Essa necessidade surgiu a partir de uma demanda real de uma boa parte da população que passou a debater o impacto negativo que os canudos de plástico tinham no oceano e na vida marinha. Essa necessidade de comportamentos mais humanitários por parte das empresas é comprovada a partir de uma pesquisa realizada pelo IBGE, em 2018, em que foi constatado que 61% dos entrevistados mudariam seu estilo de vida para beneficiar o meio ambiente. Ainda, 70% afirmaram que aceitariam pagar mais caro por produtos que não causem grandes impactos a natureza. 

Mas afinal quais as características do empreendedorismo sustentável e como colocá-lo em prática? Abaixo respondemos essas e outras questões: 

O que é o empreendedorismo sustentável?

Também chamado por alguns especialistas como “empreendedorismo orientado à sustentabilidade”, o empreendedorismo sustentável tem como características a aplicação de um modelo de negócio em que se busca unir o alcance de resultados através do desenvolvimento de ações de responsabilidade social e ambiental. As empresas que se enquadram nessa modalidade possuem em seu escopo de ações medidas que não prejudicam os ecossistemas, sejam elas diariamente na rotina de trabalho, como também através de grandes projetos socioambientais. 

empreendedorismo sustentável

Empresas que colocam em prática o empreendedorismo sustentável levam em conta todo o curto, médio e longo prazos de suas ações, focando especialmente em atitudes duradouras, pensando no futuro e nas próximas gerações. O empreendedor parte da premissa que sua empresa tem algum impacto no meio ambiente, bem como na sociedade como um todo, pelo simples fato de existir. Com o empreendedorismo sustentável, esse dono do negócio busca aumentar os impactos positivos e diminuir os negativos

Leia também: A Pirâmide de Maslow aplicada ao seu negócio e a gestão de pessoas

Mas afinal, como tornar real o empreendedorismo sustentável?

Pequenos atos podem fazer a diferença para se conseguir ter uma empresa mais sustentável e responsável. Veja abaixo alguns exemplos: 

Diminua o consumo da sua empresa

Já parou para pensar em como sua empresa pode contribuir para uma mudança de hábitos de dentro para fora? Pois é. Que tal começar a realizar campanhas internas mostrando como o consumo de energia e água podem ser reduzidos? Mas antes de querer conscientizar seus funcionários, repense também sua estrutura e sua conduta de consumo empresarial. Você quando compra um equipamento, repara se ele possui Selos Procel de Economia de Energia? Sua empresa reutiliza a água da chuva? Você possui lixeiras de reciclagem? Existem copos plásticos nos bebedouros? 

empreendedorismo sustentável

Para aplicar o empreendedorismo sustentável, você precisa, antes de querer que seus funcionários abracem essa ideia, planejar as mudanças necessárias na estrutura física do seu negócio. Equipamentos antigos, por exemplo, além de acabarem levando a prejuízos financeiros, afetam extremamente o meio ambiente. Quando você tiver uma empresa com um posicionamento sustentável, provavelmente a aceitação dos seus funcionários será maior e eles irão compreender a importância dessas atitudes tanto dentro do seu negócio, como fora em suas rotinas. 

Leia também: Desafios de investir na gestão de pessoas: vantagens, obstáculos e resultados

Qualidade de vida dos seus funcionários também é sustentabilidade

Ter uma empresa que cuida do bem-estar dos seus funcionários, buscando mantê-los sempre motivados ou compreender o que não está em conformidade com as suas expectativas, é um dos principais passos para conseguir pôr em prática o empreendedorismo sustentável. Não adianta de nada ter inúmeras práticas em prol do meio ambiente, mas internamente os funcionários não estarem felizes de trabalhar na sua empresa e as relações entre eles estarem conturbadas. 

É preciso desenvolver de maneira contínua o senso de pertencimento do colaborador, abrindo oportunidades para que eles apresentem suas ideias, inovações e sintam segurança para poder crescer e alcançarem seus objetivos dentro da empresa. O ambiente de trabalho precisa ser leve, com uma cultura colaborativa, em que todos sintam que possuem as mesmas chances de crescer ou expressarem suas opiniões e angústias. 

Reveja processos

É de suma importância quando se busca o empreendedorismo sustentável ter em mente que todos os processos da sua empresa precisam estar de acordo com esse novo modelo de negócio. Questione-se. O produto que você vende gera uma necessidade constante de reposição? Você utiliza grande quantidade de compostos químicos e descarta-os de maneira incorreta? Quais impactos que sua empresa trouxe e traz para a localidade onde está instalada? 

empreendedorismo sustentável

Repense como é a produção do seu produto. Essa etapa demanda muitos recursos naturais? Será que é possível reduzir o consumo de energia ou readequar as matérias primas utilizadas? Depois disso, analise também o processo de transporte do seu produto. Como está o gasto com combustível dos seus veículos? Eles estão com as revisões em dia? São transportes econômicos? 

Leia também: O que é Indústria 2027 e como isso afeta a sua empresa

O empreendedorismo sustentável deve ser mais do que uma teoria de negócio e sim uma prática diária e constante, tornando-se parte da missão do negócio. Nenhuma empresa consegue ser reconhecida como sustentável, se não realizar uma readequação completa dos seus hábitos e valores. É preciso acreditar no poder de fazer a diferença e que o empreendedorismo sustentável trará melhores resultados, tanto economicamente, como na produtividade dos funcionários. 

Para começar, que tal espalhar esse conteúdo nas suas redes sociais contando que você vai colocar esse modelo em prática? Assim você consegue impactar mais pessoas nessa causa!