Benefícios da TAG Veicular e como funciona o sistema de controle de acesso

Como diz o ditado, “segurança em primeiro lugar! ”. E dificilmente a sabedoria popular erra… Com o crescimento da criminalidade e a violência chegando às nossas portas, o melhor é investir em sistemas de automatização e segurança, com ferramentas de controle de acesso, como a tag veicular.

A recorrência de notícias relacionadas a problemas de falta de segurança que resultam em roubos, assaltos e, em alguns casos, até em mortes, tem obrigado os cidadãos a procurarem formas de proteger a si e seu patrimônio. Tanto em pequenos residenciais, quanto em grandes condomínios e empresas, os benefícios da tag veicular no controle de acesso se provam diariamente.

A sensação de insegurança atinge praticamente todos os cidadãos do país. E a sensação é justificada quando olhamos as estatísticas relacionadas à criminalidade. Um dos tipos mais comuns de violência está relacionado a invasões a residências e comércios, um tipo de crime que só cresce.

No Brasil, cerca de 4% das mortes violentas ocorrem por latrocínio, o roubo seguido de morte, segundo o atlas da violência 2019 desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). A pesquisa ainda aponta que o principal instrumento de agressão é a arma de fogo, utilizada em 77,1% das mortes de homens e 53,7% da morte de mulheres.

Evitar que sua residência ou comércio sejam alvos destas ações é quase impossível, porém você pode diminuir as probabilidades. Como? Tomando algumas atitudes de segurança. Atualmente, estima-se que somente 15% das residências no país utilizam sistemas eletrônicos de segurança, enquanto que na Europa, 85% dos imóveis contam com algum monitoramento. 

No cenário dos controles de acesso, os produtos mais trabalhados pelos prestadores de serviços são os sistemas de alarmes com fio e sem fio – 89% e 74%, respectivamente; seguidos pelo Controle de Acesso, que compreende 71% dos serviços prestados e ainda Softwares (49%) e Rastreadores (25%), registra a Pesquisa Nacional sobre Segurança Eletrônica, realizada para a Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (ABESE)

Sistemas de controle de segurança

Um mercado que tem muito a oferecer em segurança patrimonial em expansão no país são os sistemas de controle de segurança. Soluções como tag veicular, reconhecimento facial e até catracas são cada dia mais comuns na nossa vida. Talvez você não tenha nem percebido, mas diariamente você utiliza alguma dessas soluções, quer ver?

O uso de tag veicular ou cancelas automatizadas é muito comum em grandes estabelecimentos como shoppings centers e supermercados. O reconhecimento facial já é uma realidade em muitas empresas. E a biometria tem aberto as portas de muitos condomínios.

Conheça melhor 8 tipos de controle de acesso e descubra qual o melhor para você

Como funciona o controle de acesso por tag?

Enquanto tecnologia de automatização, a tag tem por função liberar o acesso por RFID (identificação por rádio frequência) funcionando em distancias maiores. Muito comum para liberação de portões e cancelas em condomínios e nos pontos de pedágios pelo país.

Como diz o nome, a leitura é feita por radiofrequência, o que dificulta o desgaste e atrito. Essa tecnologia se destaca devido a seu processo de fabricação, apresentando baixo índice de falsificação e falha. Além de conferir agilidade ao fluxo de entrada e saída de veículos, garantindo mais segurança e eficiência no controle de acesso.

Resumidamente, a tag veicular é uma ferramenta de automatização do controle de acesso de veículo às empresas ou condomínios, onde o portão abre automaticamente ao detectar o sinal da tag que pode ser colocada no vidro, para-brisa ou até na placa do veículo.

Um exemplo é o Sistema AutoID da empresa TeleWorld Tecnologia & Gestão de Pessoas. O Sistema AutoID se diferencia pela performance na transição de sistemas de proximidade para sistemas de longa distância na identificação automática de veículos, utilizando o que há de mais moderno na tecnologia RFID.

Esse sistema permite a garantia de uma alta segurança por conta da proteção do leitor e tag por um código de segurança criptografado próprio do usuário final. Assim, quando o veículo se aproxima da antena do leitor, a energia da antena ativa o tag, que, por sua vez, transmite seu ID (número de identificação) para o leitor, que verifica a compatibilidade do código de segurança gravado no tag, assegurando que o mesmo pertence ao usuário do Sistema AutoID e não a um outro Sistema que possui a mesma tecnologia RFID e utiliza o mesmo tipo de tag no veículo. Evitando, desta forma, o compartilhamento de uma chave de acesso

Benefícios do uso da tag veicular

O uso de ferramentas de controle de acesso como a tag veicular confere maior eficácia e agilidade no entrar e sair dos ambientes, facilitando a rotina dos usuários e reduzindo a perda de tempo e, consequentemente, a vulnerabilidade a ocorrências criminais, conferindo mais segurança e tempo de reação.

Incrementa o controle do acesso ao local, podendo ser muito eficaz ao impedir que pessoas não cadastradas no sistema entrem na propriedade. Além de agregar modernidade e precisão, com o funcionamento da tag em até 8m de distância.

Também agrega conveniência aos condôminos e valorização do imóvel, comodidade para controle de acesso e gerenciamento do condomínio, diminuição de falhas humanas e até economia nos custos com pessoal e da taxa condominial.

Todas essas vantagens acabam causando o aumento da sensação de segurança e da própria segurança em si. Evitando a ação de pessoas mal-intencionadas, que querem invadir empresas, casas e apartamentos e veem na garagem desprotegida uma boa oportunidade de entrar.

Promover a segurança e tranquilidade em seu ambiente residencial ou de trabalho é essencial para que as pessoas que moram ou visitam o local frequentemente se sintam protegidas e confiantes com a gestão do condomínio.

Lifelong learning: o conceito que a pandemia do Coronavírus fortaleceu

O ser humano é o único ser vivo capaz de processos cognitivos. Isso é o que nos diferencia de todas as outras espécies. Estamos desenvolvendo nossas capacidades intelectuais e emocionais, – linguagem, pensamento, memória, raciocínio, capacidade de compreensão, percepção etc – durante toda nossa vida. O aprendizado não é estanque e não se limita aos primeiros anos de vida, mas ao longo de toda jornada, e nisso se baseia o conceito de lifelong learning.

O mundo pulsa num ritmo cada vez mais frenético e quem não acompanha esse movimento, pode acabar descompassado. O conhecimento não é estático, assim como o mundo não é e muito menos as pessoas. Acreditar que existe uma fase para aprendizado, que se encerra, e uma fase para aplicação, como se fossem etapas excludentes, está ultrapassado.

A assimilação do conhecimento, de acordo com as premissas do lifelong learning, dá-se muito além dos bancos escolares. E a primeira pandemia do século XXI está aí para provar isso. Nunca foi tão importante aprender, reinventar-se, inovar, arriscar. Necessidade que se impôs a todos e todas, estão ou não no sistema formal de ensino ou em idade curricular.

O conhecimento não é luxo das instituições, não se limita a conteúdos formais e não se dá apenas nos primeiros anos de vida. O conhecimento é permanente e se renova a cada batimento cardíaco, a cada piscar de olhos, toda vez que enchemos os pulmões. Precisamos finalmente entender que há um saber em toda experiência humana e, traduzindo literalmente o termo lifelong learning, o aprendizado se dá ao longo da vida.

Entenda o que é Inovação disruptiva

Lifelong learning, nunca é cedo ou tarde demais para aprender

A noção da educação como um processo continuo e perene, que ultrapassa os limites das instituições, idade e nível social, surge na Europa na década de 1970 e ganha força a partir de 1990. Atualmente, a instituição Lifelong Learning Council Queensland (LLCQ) é responsável por disseminar o conceito ao redor do mundo.

Constituído por quatro pilares, o lifelong learning é um importante caminho não só para pensar a Educação contemporaneamente, como também o ambiente corporativo, enquanto estratégia de formação profissional. No ambiente corporativo, o conceito é aplicado no sentido de incentivar o fortalecimento de uma cultura organizacional que valorize o processo de aprendizagem entre os colaboradores.

Os quatro pilares do lifelong learning

Aprender a conhecer

Para além do conhecimento formal, aprender a conhecer significa o prazer de compreender, construir e reconstruir o conhecimento. Esse processo de formação continuada visa estimular o senso crítico e a capacidade dos sujeitos de refletirem e se posicionarem frente aos diferentes contextos. Para isso, é preciso instigar a curiosidade e a atenção, desenvolver autonomia e dominar diferentes linguagens. Abrange também a necessidade de aprender a pensar e não apenas reproduzir um pensamento, além de desafiar o sujeito a criar e reinventar o futuro.

Aprender a fazer

Enquanto que a teoria é a base para o processo de aprendizagem, é por meio da prática que o indivíduo vai exercitar o que aprendeu até que o novo conhecimento se torne um hábito. Dessa forma, o colaborador precisa realizar tarefas que desenvolvam as habilidades comportamentais necessárias para o trabalho.

Aprender a conviver

Está relacionado à capacidade das pessoas de desenvolver vínculos sociais por meio da compreensão do outro. Viver em sociedade é um desafio e saber resolver conflitos é essencial para manter um bom clima organizacional. Esse pilar também diz muito sobre a capacidade de promover a inclusão social, uma questão fundamental do lifelong learning.

Aprender a ser

A educação também colabora com o desenvolvimento pessoal. Quando a pessoa tem autonomia para estudar coisas novas e ser disruptiva, agrega valor à sociedade por meio da inovação. Sendo assim, é preciso estimular esse potencial independente.

Leia mais sobre mentoring nas empresas e saiba suas vantagens

Lifelong learning no ambiente empresarial

Não é de hoje que o mercado de trabalho cobra muito mais do que o diploma dos profissionais. Com a ampliação do acesso ao ensino superior, uma graduação não é mais o principal diferencial para novos talentos. Cada vez mais são exigidas habilidades e competências que dependem de outras formas de aprendizados que as instituições.

A aprendizagem contínua estimula o desenvolvimento desse conhecimento que, apesar de ter começado na educação tradicional, precisa ser estimulado por outros meios à medida que essas necessidades são descobertas. Trata-se de uma luta pela sobrevivência no mercado em meio aos impactos da transformação digital.

Aprender deve ser um hábito, como o de tomar banho. Em outras palavras, aprender precisa ser algo natural e inerente ao ser humano. O mundo digital que por vezes pode parecer ameaçador, na verdade, é o grande aliado do aprendizado contínuo, facilitando o acesso ao conhecimento. Graças à popularização dos dispositivos mobile, o ensino, antes restrito ao ambiente formal da sala de aula, ganha novas possibilidades e espaços por meio do e-learning – ensino eletrônico.

Leia mais sobre Treinamento online

Individualmente, investir em lifelong learning significa investir no desenvolvimento pessoal e profissional, se destacando dos outros concorrentes e solidificando seu espaço na empresa e no mercado de trabalho. Enquanto que as empresas podem e devem investir na carreira dos seus colaboradores, para torná-los mais eficientes, capacitados tecnicamente e também engajados na organização.

Leia mais sobre Employee experience

Lifelong learning na prática

Algumas mudanças de atitude e novas práticas podem ser estratégias eficientes para viabilizar o aprendizado incessante, como:

  1. Reconheça seus próprios interesses e objetivos pessoais
  2. Faça uma lista do que você gostaria de aprender
  3. Identifique os recursos disponíveis
  4. Invista em cursos de qualificação
  5. Fique atento às tendências do mercado
  6. Identifique os principais pontos de melhoria
  7. Estruture as metas de lifelong learning em sua vida

Segundo um estudo que foi realizado pela Pew Research Center, 87% dos colaboradores entrevistados diz que o desenvolvimento da formação ao longo da vida é importante para se manterem atualizados profissionalmente. Com a aprendizagem contínua, os profissionais terão mais e melhores oportunidades para continuar atuando no mercado de trabalho.

Todo profissional que busca crescer profissionalmente, deve olhar com atenção ao conceito de lifelong learning. Mais do que obter os tradicionais diplomas, é preciso entender que não há – e nem deve haver – um fim para o processo de aprendizado. Pelo contrário: a jornada é longa e ininterrupta, mas reserva muitas recompensas.

Saiba como implementar um plano de desenvolvimento de líderes na sua organização

Existe uma diferença abismal entre ser um chefe e ser um líder. O Chefe tem perfil autoritário, tende a comandar pessoas através da imposição de ordens. O Líder, por sua vez, procura obter o melhor de cada um através da motivação, valorização e respeito. Investir no desenvolvimento de líderes é investir no desenvolvimento e crescimento do seu negócio.

Somente através do planejamento e desenvolvimento de líderes você conseguirá transformar suas chefias em lideranças. Implantar um bom programa de desenvolvimento de líderes não é uma aposta no escuro, mas sim, um investimento de alto rendimento e retorno certo.

O desenvolvimento de líderes na empresa é fundamental para o crescimento saudável do negócio e a formação de um ambiente propício ao aprimoramento profissional. Quando as pessoas enxergam oportunidades nos locais em que trabalham, elas se tornam mais leais à organização e produzem com mais eficiência.

A performance de um líder pode ser decisiva dentro do desenvolvimento da empresa. Isso, porque ele é o responsável direto na tarefa de guiar a equipe rumo aos objetivos da instituição. A presença dos líderes está em todos setores de uma organização, inspirando as diferentes equipes para atingir objetivos em comum e até desenvolver novos líderes.

Uma empresa que não acompanha os gestores e não tem programa de desenvolvimento de liderança não pode esperar que os funcionários alcancem resultados surpreendentes sem nenhuma orientação.

Leia também: Employee experience: o que é, benefícios e como implementar

Competências importantes para uma liderança eficiente

De forma geral, a liderança é uma habilidade nata, mas que pode ser desenvolvida por meio de treinamento e desenvolvimento. Um líder precisa desenvolver características como dinamismo, serenidade, zelo, flexibilidade, persuasão, que seja hábil para tomar decisões e levar em conta o ponto de vista dos colaboradores, além de ser inspirador.

Bons líderes são gestores competentes e alinhados aos valores da companhia. Eles são os profissionais responsáveis por fazer a visão, missão e valores da empresa se tornarem realidade. Carregando a cultura do empreendimento para os demais colaboradores, eles guiam os liderados até os objetivos da empresa.

Um líder precisa estar apto para exercitar a autoconsciência, estar consciente sobre as decisões que toma e o impacto delas. Da mesma forma, deve visualizar a organização de forma panorâmica, empreendendo uma visão sistêmica capaz de avaliar uma situação por diferentes pontos de vista.

A comunicação é fundamental para gestão eficiente. O líder deve se comunicar de forma clara e objetiva, conseguindo fazer ser entendido sem complicações. Muito da qualidade da liderança e da gestão se perde quando a comunicação não é efetiva.

A habilidade de agir com clareza e rapidez em momentos de tensão é imprescindível em líderes competentes. O dia a dia das organizações muitas vezes exige dos gestores reação a fatos inesperados. Nessa hora, o líder deve apresentar calma, rapidez e pró-atividade na ação.

Leia também: O que é Liderança Transformacional e por que ela é tão importante em momentos de crise

Como criar um plano de desenvolvimento de líderes

O Programa de desenvolvimento de líderes (PDL) é um conjunto de técnicas e procedimentos implementados visando o desenvolvimento de habilidades e competências fundamentais para gestores. 

No PDL, estão reunidos conteúdos teóricos e atividades práticas, que combinadas proporcionam experiências importantes aos colaboradores. Através desses exercícios, você conseguirá estimular mudanças positivas no comportamento e ação de seus colaboradores.

Para que o seu plano de liderança comece é preciso que sejam estabelecidas quais serão as ações necessárias para que ele seja colocado em prática. Comece definindo uma visão do seu plano de desenvolvimento de liderança. Assim, essa visão poderá ser algo exclusivo para a sua organização.

É comum que a visão englobe grandes sonhos e esperanças. E isso é algo positivo, porque é justamente o tipo de inspiração que trará motivação. Mas cuidado, é preciso saber que ela também pode ser arriscada, pois carece de informações sobre como, na prática, alcançar o grande objetivo.

Definir metas e objetivos irá te ajudar a traduzir a visão para a realidade. Na hora de traçar objetivos, é necessário ter clareza da situação da organização e do mercado, verificando se as ideias são realmente tangíveis e quais serão os passos necessários para isso.

O engajamento das lideranças é fundamental para a implantação de um plano de desenvolvimento de lideranças. Os participantes precisarão ser modelos de comportamento. Até porque mesmo o melhor dos planos pode ter resultados ineficientes se os líderes não estiverem receptivos e engajados.

Estimule a qualificação pessoal dos gestores, focando no trabalho em equipe, resolução de conflitos, gestão de tempo, redução de estresses e outras habilidades fundamentais.

Elabore um mapa que inclua estratégias de comunicação em seu plano de desenvolvimento de liderança, bem como programas de treinamento, critérios para avaliação do sucesso e um processo contínuo de desenvolvimento.

Um bom plano de desenvolvimento de líderes precisa ser organizado. Estipule um cronograma com marcos específicos, que te ajudarão a manter o ritmo. O desenvolvimento de lideranças é um processo continuo. Por isso, mantenha seu plano sempre vivo, com atualizações e melhorias contínuas. Não se esqueça de sempre mensurar os resultados das ações tomadas, para verificar se elas estão sendo realmente efetivas.

Leia também: Gestão de Crise: 6 passos para um plano de contingência eficiente

Benefícios do Plano de Desenvolvimento de Líderes

A implantação de um plano de desenvolvimento de líderes, quando bem-sucedido, implica no crescimento da organização como um todo. Você observará não só o aumento dos lucros, como da qualificação e autoestima de seus colaboradores, favorecendo o clima organizacional.

Organizações que incentivam o desenvolvimento de líderes têm um maior índice de retenção de talentos. Uma vez que é dada a oportunidade de crescimento profissional para os colaboradores, a tendência é que permaneçam na organização. 

Logo, o plano de desenvolvimento de líderes também diminui a rotatividade dos colaboradores, que muitas vezes pode ser resultado de um líder pouco eficiente. Dados indicam que 80% dos profissionais se demitem de seus chefes e não das empresas.

A promoção de colaboradores a líderes ajuda as equipes a atingirem melhores resultados. Bem como melhora a comunicação, o clima organizacional e, consequentemente, a motivação da equipe, estimulando os colaboradores para assumirem novos desafios;

Enfim, o desenvolvimento de líderes na empresa propicia um ambiente favorável à obtenção de maiores lucros. Tudo isso além de gerar mais valor para a organização, como um empreendimento que oferece possibilidade de ascensão de carreira.