Lifelong learning: o conceito que a pandemia do Coronavírus fortaleceu

O ser humano é o único ser vivo capaz de processos cognitivos. Isso é o que nos diferencia de todas as outras espécies. Estamos desenvolvendo nossas capacidades intelectuais e emocionais, – linguagem, pensamento, memória, raciocínio, capacidade de compreensão, percepção etc – durante toda nossa vida. O aprendizado não é estanque e não se limita aos primeiros anos de vida, mas ao longo de toda jornada, e nisso se baseia o conceito de lifelong learning.

O mundo pulsa num ritmo cada vez mais frenético e quem não acompanha esse movimento, pode acabar descompassado. O conhecimento não é estático, assim como o mundo não é e muito menos as pessoas. Acreditar que existe uma fase para aprendizado, que se encerra, e uma fase para aplicação, como se fossem etapas excludentes, está ultrapassado.

A assimilação do conhecimento, de acordo com as premissas do lifelong learning, dá-se muito além dos bancos escolares. E a primeira pandemia do século XXI está aí para provar isso. Nunca foi tão importante aprender, reinventar-se, inovar, arriscar. Necessidade que se impôs a todos e todas, estão ou não no sistema formal de ensino ou em idade curricular.

O conhecimento não é luxo das instituições, não se limita a conteúdos formais e não se dá apenas nos primeiros anos de vida. O conhecimento é permanente e se renova a cada batimento cardíaco, a cada piscar de olhos, toda vez que enchemos os pulmões. Precisamos finalmente entender que há um saber em toda experiência humana e, traduzindo literalmente o termo lifelong learning, o aprendizado se dá ao longo da vida.

Entenda o que é Inovação disruptiva

Lifelong learning, nunca é cedo ou tarde demais para aprender

A noção da educação como um processo continuo e perene, que ultrapassa os limites das instituições, idade e nível social, surge na Europa na década de 1970 e ganha força a partir de 1990. Atualmente, a instituição Lifelong Learning Council Queensland (LLCQ) é responsável por disseminar o conceito ao redor do mundo.

Constituído por quatro pilares, o lifelong learning é um importante caminho não só para pensar a Educação contemporaneamente, como também o ambiente corporativo, enquanto estratégia de formação profissional. No ambiente corporativo, o conceito é aplicado no sentido de incentivar o fortalecimento de uma cultura organizacional que valorize o processo de aprendizagem entre os colaboradores.

Os quatro pilares do lifelong learning

Aprender a conhecer

Para além do conhecimento formal, aprender a conhecer significa o prazer de compreender, construir e reconstruir o conhecimento. Esse processo de formação continuada visa estimular o senso crítico e a capacidade dos sujeitos de refletirem e se posicionarem frente aos diferentes contextos. Para isso, é preciso instigar a curiosidade e a atenção, desenvolver autonomia e dominar diferentes linguagens. Abrange também a necessidade de aprender a pensar e não apenas reproduzir um pensamento, além de desafiar o sujeito a criar e reinventar o futuro.

Aprender a fazer

Enquanto que a teoria é a base para o processo de aprendizagem, é por meio da prática que o indivíduo vai exercitar o que aprendeu até que o novo conhecimento se torne um hábito. Dessa forma, o colaborador precisa realizar tarefas que desenvolvam as habilidades comportamentais necessárias para o trabalho.

Aprender a conviver

Está relacionado à capacidade das pessoas de desenvolver vínculos sociais por meio da compreensão do outro. Viver em sociedade é um desafio e saber resolver conflitos é essencial para manter um bom clima organizacional. Esse pilar também diz muito sobre a capacidade de promover a inclusão social, uma questão fundamental do lifelong learning.

Aprender a ser

A educação também colabora com o desenvolvimento pessoal. Quando a pessoa tem autonomia para estudar coisas novas e ser disruptiva, agrega valor à sociedade por meio da inovação. Sendo assim, é preciso estimular esse potencial independente.

Leia mais sobre mentoring nas empresas e saiba suas vantagens

Lifelong learning no ambiente empresarial

Não é de hoje que o mercado de trabalho cobra muito mais do que o diploma dos profissionais. Com a ampliação do acesso ao ensino superior, uma graduação não é mais o principal diferencial para novos talentos. Cada vez mais são exigidas habilidades e competências que dependem de outras formas de aprendizados que as instituições.

A aprendizagem contínua estimula o desenvolvimento desse conhecimento que, apesar de ter começado na educação tradicional, precisa ser estimulado por outros meios à medida que essas necessidades são descobertas. Trata-se de uma luta pela sobrevivência no mercado em meio aos impactos da transformação digital.

Aprender deve ser um hábito, como o de tomar banho. Em outras palavras, aprender precisa ser algo natural e inerente ao ser humano. O mundo digital que por vezes pode parecer ameaçador, na verdade, é o grande aliado do aprendizado contínuo, facilitando o acesso ao conhecimento. Graças à popularização dos dispositivos mobile, o ensino, antes restrito ao ambiente formal da sala de aula, ganha novas possibilidades e espaços por meio do e-learning – ensino eletrônico.

Leia mais sobre Treinamento online

Individualmente, investir em lifelong learning significa investir no desenvolvimento pessoal e profissional, se destacando dos outros concorrentes e solidificando seu espaço na empresa e no mercado de trabalho. Enquanto que as empresas podem e devem investir na carreira dos seus colaboradores, para torná-los mais eficientes, capacitados tecnicamente e também engajados na organização.

Leia mais sobre Employee experience

Lifelong learning na prática

Algumas mudanças de atitude e novas práticas podem ser estratégias eficientes para viabilizar o aprendizado incessante, como:

  1. Reconheça seus próprios interesses e objetivos pessoais
  2. Faça uma lista do que você gostaria de aprender
  3. Identifique os recursos disponíveis
  4. Invista em cursos de qualificação
  5. Fique atento às tendências do mercado
  6. Identifique os principais pontos de melhoria
  7. Estruture as metas de lifelong learning em sua vida

Segundo um estudo que foi realizado pela Pew Research Center, 87% dos colaboradores entrevistados diz que o desenvolvimento da formação ao longo da vida é importante para se manterem atualizados profissionalmente. Com a aprendizagem contínua, os profissionais terão mais e melhores oportunidades para continuar atuando no mercado de trabalho.

Todo profissional que busca crescer profissionalmente, deve olhar com atenção ao conceito de lifelong learning. Mais do que obter os tradicionais diplomas, é preciso entender que não há – e nem deve haver – um fim para o processo de aprendizado. Pelo contrário: a jornada é longa e ininterrupta, mas reserva muitas recompensas.

Saiba como implementar um plano de desenvolvimento de líderes na sua organização

Existe uma diferença abismal entre ser um chefe e ser um líder. O Chefe tem perfil autoritário, tende a comandar pessoas através da imposição de ordens. O Líder, por sua vez, procura obter o melhor de cada um através da motivação, valorização e respeito. Investir no desenvolvimento de líderes é investir no desenvolvimento e crescimento do seu negócio.

Somente através do planejamento e desenvolvimento de líderes você conseguirá transformar suas chefias em lideranças. Implantar um bom programa de desenvolvimento de líderes não é uma aposta no escuro, mas sim, um investimento de alto rendimento e retorno certo.

O desenvolvimento de líderes na empresa é fundamental para o crescimento saudável do negócio e a formação de um ambiente propício ao aprimoramento profissional. Quando as pessoas enxergam oportunidades nos locais em que trabalham, elas se tornam mais leais à organização e produzem com mais eficiência.

A performance de um líder pode ser decisiva dentro do desenvolvimento da empresa. Isso, porque ele é o responsável direto na tarefa de guiar a equipe rumo aos objetivos da instituição. A presença dos líderes está em todos setores de uma organização, inspirando as diferentes equipes para atingir objetivos em comum e até desenvolver novos líderes.

Uma empresa que não acompanha os gestores e não tem programa de desenvolvimento de liderança não pode esperar que os funcionários alcancem resultados surpreendentes sem nenhuma orientação.

Leia também: Employee experience: o que é, benefícios e como implementar

Competências importantes para uma liderança eficiente

De forma geral, a liderança é uma habilidade nata, mas que pode ser desenvolvida por meio de treinamento e desenvolvimento. Um líder precisa desenvolver características como dinamismo, serenidade, zelo, flexibilidade, persuasão, que seja hábil para tomar decisões e levar em conta o ponto de vista dos colaboradores, além de ser inspirador.

Bons líderes são gestores competentes e alinhados aos valores da companhia. Eles são os profissionais responsáveis por fazer a visão, missão e valores da empresa se tornarem realidade. Carregando a cultura do empreendimento para os demais colaboradores, eles guiam os liderados até os objetivos da empresa.

Um líder precisa estar apto para exercitar a autoconsciência, estar consciente sobre as decisões que toma e o impacto delas. Da mesma forma, deve visualizar a organização de forma panorâmica, empreendendo uma visão sistêmica capaz de avaliar uma situação por diferentes pontos de vista.

A comunicação é fundamental para gestão eficiente. O líder deve se comunicar de forma clara e objetiva, conseguindo fazer ser entendido sem complicações. Muito da qualidade da liderança e da gestão se perde quando a comunicação não é efetiva.

A habilidade de agir com clareza e rapidez em momentos de tensão é imprescindível em líderes competentes. O dia a dia das organizações muitas vezes exige dos gestores reação a fatos inesperados. Nessa hora, o líder deve apresentar calma, rapidez e pró-atividade na ação.

Leia também: O que é Liderança Transformacional e por que ela é tão importante em momentos de crise

Como criar um plano de desenvolvimento de líderes

O Programa de desenvolvimento de líderes (PDL) é um conjunto de técnicas e procedimentos implementados visando o desenvolvimento de habilidades e competências fundamentais para gestores. 

No PDL, estão reunidos conteúdos teóricos e atividades práticas, que combinadas proporcionam experiências importantes aos colaboradores. Através desses exercícios, você conseguirá estimular mudanças positivas no comportamento e ação de seus colaboradores.

Para que o seu plano de liderança comece é preciso que sejam estabelecidas quais serão as ações necessárias para que ele seja colocado em prática. Comece definindo uma visão do seu plano de desenvolvimento de liderança. Assim, essa visão poderá ser algo exclusivo para a sua organização.

É comum que a visão englobe grandes sonhos e esperanças. E isso é algo positivo, porque é justamente o tipo de inspiração que trará motivação. Mas cuidado, é preciso saber que ela também pode ser arriscada, pois carece de informações sobre como, na prática, alcançar o grande objetivo.

Definir metas e objetivos irá te ajudar a traduzir a visão para a realidade. Na hora de traçar objetivos, é necessário ter clareza da situação da organização e do mercado, verificando se as ideias são realmente tangíveis e quais serão os passos necessários para isso.

O engajamento das lideranças é fundamental para a implantação de um plano de desenvolvimento de lideranças. Os participantes precisarão ser modelos de comportamento. Até porque mesmo o melhor dos planos pode ter resultados ineficientes se os líderes não estiverem receptivos e engajados.

Estimule a qualificação pessoal dos gestores, focando no trabalho em equipe, resolução de conflitos, gestão de tempo, redução de estresses e outras habilidades fundamentais.

Elabore um mapa que inclua estratégias de comunicação em seu plano de desenvolvimento de liderança, bem como programas de treinamento, critérios para avaliação do sucesso e um processo contínuo de desenvolvimento.

Um bom plano de desenvolvimento de líderes precisa ser organizado. Estipule um cronograma com marcos específicos, que te ajudarão a manter o ritmo. O desenvolvimento de lideranças é um processo continuo. Por isso, mantenha seu plano sempre vivo, com atualizações e melhorias contínuas. Não se esqueça de sempre mensurar os resultados das ações tomadas, para verificar se elas estão sendo realmente efetivas.

Leia também: Gestão de Crise: 6 passos para um plano de contingência eficiente

Benefícios do Plano de Desenvolvimento de Líderes

A implantação de um plano de desenvolvimento de líderes, quando bem-sucedido, implica no crescimento da organização como um todo. Você observará não só o aumento dos lucros, como da qualificação e autoestima de seus colaboradores, favorecendo o clima organizacional.

Organizações que incentivam o desenvolvimento de líderes têm um maior índice de retenção de talentos. Uma vez que é dada a oportunidade de crescimento profissional para os colaboradores, a tendência é que permaneçam na organização. 

Logo, o plano de desenvolvimento de líderes também diminui a rotatividade dos colaboradores, que muitas vezes pode ser resultado de um líder pouco eficiente. Dados indicam que 80% dos profissionais se demitem de seus chefes e não das empresas.

A promoção de colaboradores a líderes ajuda as equipes a atingirem melhores resultados. Bem como melhora a comunicação, o clima organizacional e, consequentemente, a motivação da equipe, estimulando os colaboradores para assumirem novos desafios;

Enfim, o desenvolvimento de líderes na empresa propicia um ambiente favorável à obtenção de maiores lucros. Tudo isso além de gerar mais valor para a organização, como um empreendimento que oferece possibilidade de ascensão de carreira.

HR Tech: Entenda o que é, qual sua importância e algumas soluções para sua empresa

Se você anda não ouviu a expressão HR Tech você precisa ler este artigo agora! O termo HR Tech, do inglês human resources technology, tem sido usado para identificar o setor de Recursos Humanos (RH) que está integrado às novas tecnologias e tendências. Isso significa que esse setor conta com ferramentas modernas e softwares para otimizar os processos internos e ainda melhorar os resultados em geral.

O desenvolvimento tecnológico, principalmente em termos de conectividade, favoreceu a criação e implementação de ferramentas que encurtam distâncias físicas e diminuem a burocracia. A digitalização da famosa “papelada” permitiu um ganho significativo de tempo a ser investido nas pessoas.

Segundo estudo da PwC, até 2020, 35% da força de trabalho global será composta por pessoas que cresceram em meio à revolução tecnológica da internet. E agora com a regulamentação do padrão 5G para redes móveis e de banda larga, a chamada internet das coisas, o mundo inteiro estará conectado de forma efetiva. Viveremos, então, o boom do HR Tech que estará disponível para todos, em qualquer lugar.

Hoje a HR Tech já é uma realidade no dia a dia das organizações. Você encontra essas ferramentas desde o acesso às empresas, até a gestão de pessoas. As ferramentas HR Tech nasceram para desburocratizar os processos realizados por meio de soluções que possibilitem que a equipe trabalhe de forma cada vez mais estratégica.

Leia mais sobre Tecnologias no RH: quais as principais soluções e como escolher

Vantagens da HR Tech

Com a HR Tech as organizações conseguem aumentar a eficiência dos colaboradores, a inteligência do setor e otimizar os processos, melhorando os resultados. Isso porque as ferramentas liberam os colaboradores da repetição das mesmas tarefas mecânicas para pensar em inovações.

A incorporação dos softwares, as HR Tech, também proporciona a redução dos custos na contratação e a elevação da eficiência no processo de seleção. Ou então, podem estar focadas na gestão do bem-estar e no desenvolvimento de seus funcionários.

Os ganhos com a implementação da HR Tech só não são imensuráveis, porque as soluções possuem ferramentas de métricas para avaliar o andamento dos processos, possibilitando uma ação imediata na gestão de crises, por exemplo.

Os benefícios do uso da HR Tech são tantos quanto a variedade de soluções que a tecnologia disponibiliza. Mas, de forma geral, as organizações ganham em eficiência, podendo dedicar mais à estratégia e menos à operação. Também ganham em eficácia e agilidade, elevando as taxas de acerto dos colaboradores.

Com a tecnologia HR Tech, é possível acessar o que de fato os colaboradores pensam da empresa e de suas condições de trabalho e como melhorar a percepção do ambiente. Pequenas mudanças podem gerar ganhos significativos de produtividade e bem-estar nas organizações.

HR Tech no Brasil

O mercado das HR Tech no Brasil teve um grande crescimento na última década. Empresas de soluções HR Tech estão ganhando espaço ao ajudar as companhias mais tradicionais na implantação das tecnologias.

Segundo um relatório produzido pelo centro de inovação Distrito o Brasil já conta, hoje, com 373 startups voltadas para a área de recursos humanos. Do total, 85,2% surgiram há menos de 10 anos.

E esses números devem crescer muito mais. O Brasil concentrou apenas 2% dos investimentos feitos em HR Techs em todo o mundo desde 2014. No que diz respeito à representatividade na geração de empregos, as startups de RH empregam mais de 11 mil pessoas no país.

“Hoje existem mais de 20 milhões de empresas no Brasil de acordo dados do Sebrae. Todas elas, mas principalmente as grandes e médias, precisam de processos de recrutamento e seleção, desenvolvimento e gerenciamento de funcionários, entre outras atividades formais que fazem parte de qualquer companhia. A tecnologia é capaz de dar acessibilidade para implementação desses processos de forma eficaz”, diz Tiago Ávila, líder do Distrito Dataminer, em entrevista para Forbes.

Exemplos de soluções de HR Tech

HR Tech na Segurança do Trabalho e Medicina Preventiva

Na conjuntura atual, as soluções em HR Tech podem ser o diferencial na preservação da vida de seus colaboradores. Nunca o cuidado e atenção à saúde das pessoas foi tão importante. A HR Tech pode ser sua maior aliada neste momento.

A pandemia do covid-19 acelerou bruscamente o uso da telemedicina e todas possibilidades de interação que dispensem o contato físico. Nesse sentido, a instalação de equipamentos de reconhecimento facial explodiu ao longo do ano.

As empresas estão se vendo obrigadas a adotar soluções para intermediar as interações, evitando a aproximação física. Exemplo disso é o totem de Controle de Acesso e Ponto com Reconhecimento Facial e Análise de Temperatura e Máscaras.

A solução da empresa TeleWorld, o controlador de acesso LTF 500 é um totem com autenticação por reconhecimento facial, agregando o grande diferencial da análise de temperatura corporal e uso de EPI (Equipamento de Proteção Individual) máscara.

Aqui temos a combinação de diferentes soluções que dão um ganho significativo em segurança, agilidade e tempo para empresa. Com o uso de uma ferramenta neste formato, é possível toda a gestão de acesso e frequência do pessoal digitalizada.

Além de intensificar o controle do uso dos equipamentos de proteção, trabalhando na prevenção de acidentes e preservação da saúde dos colaboradores.

O acesso diário as informações de saúde dos colaboradores através das HR Tech viabilizam o acompanhamento mais próximo dos profissionais de saúde responsáveis pela medicina preventiva na organização. Proporcionando pensar ações proativas e preventivas de gestão de saúde e segurança no trabalho.

HR Tech no trabalho remoto

Outra área que cresceu exponencialmente com a pandemia foi o trabalho remoto. Organizações públicas e privadas precisaram se organizar rapidamente e pensar formas de realizar as atividades com o distanciamento social. E deu certo!

Definitivamente, o mundo não será mais o mesmo, principalmente no ambiente organizacional. Com a ajuda da HR Tech as instituições vivenciaram, e mais, provaram, que o trabalho remoto é possível e até mais produtivo.

A vantagem da disponibilidade de uma ferramenta de gestão de recursos humanos na palma da mão do colaborador deu um ganho de tempo e agilidade enorme para os setores de recursos humanos.

Soluções como o Ponto Certificado Mobile permitem a marcação e a gestão de ponto de trabalhadores externos de forma ágil, simples e com total segurança jurídica. O software pode ser instalado em notebooks, tablets e celulares, permitindo assim o registro em qualquer local fora do ambiente de escritório.

Leia mais sobre vantagens do trabalho remoto e como implementá-lo na sua empresa

HR Tech deixou de ser um incremento para ser uma necessidade na gestão de recursos humanos. Fato é que as tecnologias têm sido grandes aliadas em insights, base para tomada de decisão e suporte para novas estratégias.

Em resumo, as HR Techs surgiram para entregar muito mais que apenas softwares para o RH com soluções para ponto e folha de pagamento. A ideia é aperfeiçoar as tarefas da área que demandam mais tempo, deixando-a menos burocráticas e mais planejadas.

Employee experience: o que é, benefícios e como implementar

Tradicionalmente, mercado e empresas tendem a focar seus esforços no consumidor. Com certeza, o cliente é parte fundamental dos processos de produção e comercialização, mas ele é a ponta. Até que um produto ou serviço chegue ao seu destino, o consumidor, ele passa por várias mãos, que tem ganhado igual importância no processo. Tendências de recursos humanos como Employee experience (EX) são prova dessa mudança de comportamento.

Traduzindo Employee experience

Employee experience é um termo inglês que se traduz em experiência do colaborador. Temos aqui uma mudança no olhar, ampliando campo de visão do consumidor até o funcionário. De certa forma, o conceito de employee experience se identifica com o que entendemos por experiência do consumidor, alterando o foco e aplicação.

Tanto para o colaborador, quanto para o cliente, a experiência pode ser positiva ou negativa, o resultado da soma das percepções e sentimentos que os profissionais vivenciam nas rotinas de trabalho é o que entendemos por employee experience. O que vai determinar se esse número será positivo ou negativo é o esforço que a empresa colocará para melhorar essas experiências.

Desde o processo de seleção, o colaborador está avaliando as experiências que compartilha com a organização. Fatores como oportunidades de crescimento, apoio da liderança, autonomia para tomar decisões, ambiente organizacional agradável, entre outros, definirão a qualidade dessa relação.

Para atingirmos bons resultados, precisamos realizar bons processos, correto? Logo, aplicando a estratégia de employee experience passamos a entender que proporcionar uma experiência enriquecedora e prazerosa para os colaboradores gerará melhores resultados e, consequentemente, clientes mais satisfeitos e aumento de demanda.

Leia mais sobre Employee experience: o que é e como aplicar no seu RH

O que você ganha aplicando Employee experience

Produtividade

Bons resultados são frutos de processos produtivos. Colaboradores motivados e satisfeitos com suas funções tendem a aumentar a produtividade. Da mesma forma que colaboradores descontentes com suas funções ou que não mantem um bom relacionamento com seus pares estão propensos a apresentar níveis de produtividade cada vez mais baixos.

A produtividade está intimamente relacionada a experiência dos funcionários, estratégias qualitativas e de otimização são capazes de envolver o colaborador com os processos e a empresa de forma geral, fazendo com que ele produza mais e com maior qualidade, impactando positivamente nos resultados do empreendimento.

Qualificação

Incentivar um bom ambiente de trabalho e valorização da experiência do colaborador, além de melhorar a produtividade, pode servir como atrativo na atração e na retenção de talentos. Para além do salário, hoje você precisa oferecer uma vivência produtiva se quiser contar com os melhores profissionais.

Ser uma marca forte e com boa reputação no mercado influencia diretamente o processo de escolha de bons profissionais. Proporcionar uma experiência positiva através de um ambiente de trabalho encorajador e valorização dos profissionais elevam sua marca e você ganha credibilidade como empregador.

Colaboradores satisfeitos além de produzirem mais, faltam menos e não tem motivos para procurar oportunidades melhores nas empresas concorrentes. A manutenção dos colaboradores qualifica os processos uma vez que os profissionais já têm expertise nas operações da sua empresa. Além de economizar tempo e dinheiro que precisariam ser gastos em rescisões contratuais, processos de seleção e treinamento.

Relacionamento

Fortalecer a cultura organizacional promove um sentimento de pertencimento no colaborador. Para além de uma engrenagem, o trabalhador passa a se identificar e se comportar como responsável pelo produto final. Cresce, assim, um espírito de coletividade e coparticipação.

É fundamental que empresa e colaboradores tenham seus valores alinhados e compartilhem as mesmas motivações e compromissos através do diálogo e da transparência. Assim, os colaboradores tendem a replicar as boas práticas, fortalecer a comunicação e melhorar os relacionamentos interpessoais.

Quando a relação com a empresa é satisfatória, o ambiente de trabalho gera motivação e engajamento nas pessoas, e toda a atmosfera da organização se transforma. 

Ao melhorar os relacionamentos interpessoais, desenvolver líderes para saberem lidar com os diferentes tipos de perfis comportamentais e implementar benefícios para os seus trabalhadores, o seu negócio constrói um clima corporativo cada vez mais favorável.

Leia mais sobre Employee experience: o que você precisa saber

Implementando Employee experience

A experiência dos colaboradores pode ser melhorada de várias formas, como isso será feito, depende diretamente do perfil dos seus trabalhadores e dos recursos disponíveis. Não existem fórmulas mágicas, mas sim boas práticas que podem ser replicadas e devem ser avaliadas periodicamente através de pesquisas internas para estarem sempre em processo de aperfeiçoamento.

Fortalecer as experiências humanas demanda uma cultura de colaboração e o setor de Recursos Humanos desempenha um papel central nesse exercício. Será preciso equilibrar as necessidades da organização com as características únicas de indivíduos e grupos de trabalho.

Conhecimento

O primeiro passo para implementação de estratégias de employee experience é conhecer sua empresa. Converse com seus funcionários, crie canais de comunicação abertos e confiáveis onde os colaboradores se sintam seguros para falar abertamente. Realize uma pesquisa de clima organizacional para orientar este processo.

Nesse momento, você perceberá como cada um de seus funcionários é único, com habilidades e potenciais exclusivos. É fundamental reconhecer as especificidades de cada um para avaliar qual a melhor função cada um pode exercer. Invista em estratégias de motivação distintas, de acordo com os interesses identificados em cada grupo. Nessa etapa, você pode se valer de ferramentas como o people analytics e crowdsourcing.

Jornada

Ao conhecer seus colaboradores, mapeie a jornada de cada um, o caminho que cada um percorreu desde a admissão e sua rotina de trabalho. Considere todas as etapas que o funcionário atravessa, desde o recrutamento e seleção até a contratação, desenvolvimento e desligamento. 

Assim, você conseguirá localizar falhas e oportunidades de melhorias. Ao visualizar todo caminho dos funcionários na sua empresa, você poderá combater a rotatividade de funcionários e encontrar formas de atrair talentos do mercado. Um mapeamento de jornada feito corretamente resultará em melhorias no processo de recrutamento e seleção.

Customer experience

A experiência do colaborador precisa estar alinhada com a experiência do cliente. Todo cuidado e atenção dedicado ao cliente deve ser igualmente oferecido ao colaborador. Se a sua empresa oferece um serviço personalizado aos clientes, esse diferencial também deve ser oferecido para os colaboradores. De forma que os colaboradores vivenciem os benefícios oferecidos pela sua empresa em primeira mão, fortalecendo a cultura e a identidade do negócio.

Planejamento

A partir o conhecimento de seus colaboradores e da jornada, você pode criar um programa de employee experience. Planeje campanhas de incentivo, programas de reconhecimento, entre outras estratégias para aumentar a satisfação de seus colaboradores.

Oportunidades de crescimento também são importantes no estímulo a experiências positivas. É fundamental encorajar os colaboradores e permitir que desenvolvam habilidades e aumentem as suas responsabilidades. Um plano de carreira atraente, estratégias de treinamento, programas de coaching e mentoria, entre outras ações ligadas ao desenvolvimento profissional manterão seus funcionários incentivados. Programas de recompensa também são formas interessantes de manter o colaborador empenhado. 

Avaliação

Mantenha sempre o canal de comunicação aberto com seus colaboradores. Para além, realize avaliações periódicas para mensurar a eficácia das estratégias implantadas. E, o mais importante, sempre ofereça e solicite feedback. Nunca deixe um colaborador ou cliente sem resposta. As experiências se transformam conforme acontecem, logo você deve estar sempre atualizado sobre as opiniões dos colaboradores para melhorar o programa.

Como você pôde acompanhar, employee experience é muito mais que um ambiente de trabalho descontraído com salas repletas de sofás confortáveis, jogos e decoração criativa. Criar uma experiência positiva demanda reconhecimento, valorização, propósito, confiança, aprendizagem e autonomia.

Sua empresa pode e deve ser um lugar de realização pessoal de seus colaboradores e você pode ser o responsável por isso ao direcionar seu olhar para todos que estão ao seu lado, ouvi-los e compartilhar com eles seus valores.

Compartilhe este texto e nos conte como foi seu crescimento a partir da implementação das estratégias de employee experience!

Conheça 8 tipos de controle de acesso e descubra qual o melhor para você

Segurança e tecnologia estão cada dia mais integradas. Pensar ferramentas de segurança em modelos obsoletos e ultrapassados não faz mais sentido. Os avanços tecnológicos fornecem sistemas inteligentes, práticos e com segurança como para soluções de controle de acesso e gestão de pessoas. Vamos conhecer alguns dos mais modernos tipos de controle de acesso.

Basicamente, entende-se por controle de acesso a prática de permitir o acesso a uma propriedade, prédio ou sala, apenas para pessoas autorizadas. O controle de acesso também permite a gestão de recursos humanos. Com o controle de acesso você protege instalações, áreas, equipamentos, dados, informações, bens e pessoas de acessos não-autorizados.

As ferramentas mais tradicionais de controle de acesso são do tipo humano (um guarda, segurança ou recepcionista) ou mecânico (fechaduras e chaves). Já os tipos de controle de acesso mais avançados utilizam a tecnologia em sistemas como senhas, cartões de acesso e biometria.

Um sistema de controle de acesso combina um conjunto de recursos: softwares, equipamentos e acessórios de identificação. Os softwares são programas digitais onde são processadas as informações captadas pelos equipamentos e acessórios, permitindo o controle coordenado e em tempo real do sistema.

O equipamento mais usual em sistemas de controle de acesso é a catraca, combinada com o coletor de dados. Também podem ser utilizados torniquetes, botoeiras, fechaduras eletrônicas e entre outros equipamentos. Crachás e senhas são os assessórios de identificação mais populares, ao passo que a biometria se tornou o meio mais atual de liberar o acesso de pessoas nos equipamentos.

Na segurança eletrônica, o controle de acesso desempenha a função de registrar as pessoas que acessam uma área de controle específica. O controle em áreas restritas pode ser feito por meio de portões eletrônicos, catracas e portões. Toda movimentação é registrada em softwares e bancos de dados, o que torna possível identificar todas as pessoas que acessaram a área de controle. Várias tecnologias podem ser usadas para autenticar e autorizar pessoas, como cartões de proximidade, biometria e senhas.

Com a implantação de sistemas de controle de acesso você aumenta a segurança no ambiente de trabalho, agiliza o acesso das pessoas autorizadas e limita o acesso e circulação de pessoas não autorizadas. Além disso, é possível controlar a quantidade de funcionários que estão compartilhando os espaços e facilita a localização espacial dos usuários. Isso permite, por exemplo, acompanhar a produtividade das equipes, observando o tempo de permanência e os horários de maior fluxo.

Políticas de Controle de Acesso

Os controles de acessos são categorizados em: discricionário, obrigatório e baseado em papéis. O controle de acesso discricionário é uma política de controle determinada pelo proprietário de um recurso, cabendo a ele a decisão sobre quem tem permissão de acesso, com quais privilégios em determinado recurso. 

Já o controle de acesso obrigatório implica na política de acesso determinada pelo sistema e não pelo proprietário do recurso. Esse recurso é mais apropriado para sistemas cujos dados são altamente confidenciais, como órgãos militares e governamentais.

O controle baseado em papéis, por sua vez, aplica a política de restringir o acesso a usuários autorizados. Nesse modelo, os direitos e permissões são definidos a partir do papel que determinado usuário desempenha na organização. Dessa forma, o gerenciamento das permissões dadas aos usuários é simplificado, podendo ser aplicados a grupos inteiros.

Tipos de controle de acesso

Catracas

Tipo mais comum de controle de acesso físico, que combinado com acessórios de identificação, pode controlar o fluxo, limitando e liberando o acesso a espaços específicos.

Versáteis em tamanho e formatos, as catracas são adaptáveis a uma grande quantidade de locais. Esse equipamento cria uma barreira física no local, permitindo a passagem de um único indivíduo por vez.

São mais indicadas para locais que exigem um nível médio de segurança e situações que demandam diminuir a velocidade de acesso de pessoas ao ambiente.

Senha

Um dos primeiros recursos de controle de acesso combinado com tecnologia, a autorização a entrada de pessoas no ambiente mediante digitação de senha de acesso modernizou o acesso. Minimiza, assim, a necessidade da presença de uma pessoa para o controle em cada nível de acesso.

Os dispositivos de senha proporcionam um nível alto de segurança, uma vez que o código é vinculado ao cadastro com todos os dados do funcionário, ficando registrado quando e onde a senha é utilizada.

Essa tecnologia é recomendada para locais com muitos níveis de acesso ou de grande circulação, acelerando o processo.

Cartão de proximidade

Trata-se de um dispositivo magnético que armazena informações a respeito do usuário e libera o acesso do usuário com a aproximação do cartão em um leitor. 

Podem ser armazenados os dados de identificação, como nome e número de um documento de identificação, bem como o nível de acesso permitido para aquele funcionário especifico.

Muito comum em empresas aplicada em sistemas de relógio ponto para gestão de recursos humanos.

RFID (identificação por rádio frequência).

Uma tecnologia encontrada em sistemas de controle de acesso de veículo às empresas ou condomínios onde o portão ou a cancela abre automaticamente ao detectar o sinal emitido pela tag no vidro do carro.

Devido a seu processo de fabricação, essa tecnologia apresenta baixo índice de falsificação e falha. A leitura é feita por radiofrequência, o que dificulta o desgaste e atrito. Se destaca por ser uma das tecnologias com melhor custo benefício.

Toten

O toten é um equipamento físico que combina assessórios de identificação no controle de acesso. Pode ser usada para o acesso de pedestres ou veículos, através do uso de cartões, tags ou até mesmo reconhecimento facial.

Podem também dispor do sistema de interfone, proporcionando maior segurança e comodidade aos usuários. 

Biometria

A biometria funciona a partir do reconhecimento de características pessoais específicas de cada usuário. A verificação pode ser feita por meio das impressões digitais, comandos de voz, leitura de íris, entre outras.

Uma tecnologia de fácil instalação e altamente segura, já que os casos de falsificações são raros. Tem sido muito combinada com sistemas de registro de recursos humanos.

Reconhecimento facial

Considerado um tipo de acesso biométrico, o reconhecimento facial permite a identificação do indivíduo próximo ao equipamento ou até mesmo à distância. Por meio da câmera e do software de leitura facial do equipamento, o rosto é automaticamente codificado em uma sequência digital e anexado ao cadastro do indivíduo.

É a tecnologia mais moderna atualmente entre os tipos de controle de acesso e seu uso tem crescido exponencialmente por eliminar a necessidade de qualquer contato físico para ativação.

Softwares

Muitos equipamentos utilizam softwares para organização e acesso às informações coletadas. A instalação de um programa irá permitir o gerenciamento dos acessos, sendo possível configurá-lo de acordo com as especificidades.

Também se verifica o uso exclusivo de softwares como ferramentas autônomas de controle de acesso, no formato de aplicativos para smartphones e dispositivos móveis. Recomendados, principalmente, para trabalhadores remotos.

Agora que você já conhece os principais tipos de controle de acesso, o mais indicado é procurar uma empresa de soluções como a TeleWorld. Conte conosco nessa avaliação do melhor sistema para sua empresa!

RH Ágil: veja como aplicá-lo na sua empresa e quais são os benefícios

Para além de um departamento de pessoal, o RH assume no contexto atual um papel central no andamento de uma empresa. Podemos dizer até que o RH hoje é o coração que bombeia a engrenagem empresarial. E se tornar um RH ágil é quase que essencial para sobrevivência. 

Todas as mudanças e tomadas de decisões dependem da ação coordenada com o RH, exigindo que o setor seja cada dia mais produtivo e eficiente. E mais, precisa ser um setor em constante movimento acompanhando as tendências do mercado.

Leia mais sobre o futuro do RH: Para onde caminha o setor e quais serão as suas transformações

Com o acelerado desenvolvimento da inteligência artificial e suas interfaces interativas, o profissional do RH está se liberando de atividades mecânicas e burocráticas para assumir um papel mais proativo na gestão empresarial.

Muito mais que um repetidor de tarefas, esse profissional precisa aprimorar suas capacidades de análise e avaliação dos processos que acompanha, procurando sempre otimizar a produtividade.

Leia mais sobre o RH 4.0 e os seus impactos na Gestão de Pessoas

Nesse cenário de transformação nasce o Manifesto Ágil de RH como uma declaração de valores e princípios essenciais para a gestão de recursos humanos, lançado em 2001 por profissionais de tecnologia, no estado de Utah (EUA).

Entendendo o RH ágil

Fruto do trabalho de 17 desenvolvedores de software interessados em buscar uma alternativa aos atuais processos de desenvolvimento de software, o Manifesto ágil apresenta quatro valores, seis premissas e doze princípios fundamentais, que pretendem melhorar o desenvolvimento e os resultados dos mais variados projetos. 

Seu objetivo é descobrir melhores maneiras de desenvolver uma cultura de trabalho, combatendo a burocratização, a formalização e verticalização dos processos.

O Manifesto reconhece que processos, ferramentas, documentação, contratos e planos são fundamentais para qualquer projeto, mas ainda mais importantes são os valores ágeis:

Valores, premissas e princípios do Manifesto Ágil de RH: 

Através do entendimento e aplicação dessas diretrizes se dá a criação do RH ágil, mas como fazer? Vamos ajudar você com alguns passos para construção do RH ágil.

Leia o Manifesto Ágil de RH

Aplicando o RH ágil

Envolvimento e Colaboração

No RH ágil, acredita-se que a atenção deve ser focada nas pessoas. Para seu funcionamento, é premissa básica o envolvimento de todas as partes no processo. Sendo assim, estimula-se a abertura para participação dos clientes e o engajamento com o projeto em todas etapas. 

Nesse cenário, o cliente passa a fazer parte da equipe, que deve apresentar uma composição menor e multidisciplinar, proporcionando a proximidade e colaboração entre os membros. Para isso, as empresas precisam aprimorar o recrutamento, tornando-o mais assertivo e rápido.

O trabalho de criação colaborativo cria um senso compartilhado de propriedade para todos os membros da equipe. Isso dá direção e objetivo para o grupo. Com a definição dos propósitos as equipes são mais produtivas, rápidas e eficientes.

Aperfeiçoamento

A capacitação tanto dos membros e, principalmente, dos líderes torna-se imprescindível na aplicação do RH ágil. O aperfeiçoamento do perfil de coaching das lideranças através de sessões de aprendizado são um bom recurso.

Dentre os membros da equipe o estímulo ao aprendizado e ao desenvolvimento deve ser contínuo para desenvolver rapidamente novas habilidades para as corporações.

Identificar as habilidades pontuais para realização de um projeto pode ser uma forma ágil de qualificar a equipe. Promover também treinamentos de acordo com os interesses e competências de cada profissional a longo prazo.

Comunicação

A comunicação precisa ser assertiva e simplificada, de maneira mais informal e menos burocrática. Ruídos comunicacionais são grandes responsáveis por projetos malsucedidos. Nesse contexto, feedback tem valor fundamental para que todos estejam por dentro das informações.

Além disso, no ágil tudo é muito visual: recomenda-se o uso de painéis, quadros e cartões, permitindo assim que qualquer pessoa saiba a situação do projeto, seus riscos e desvios.

Independência e Produtividade

Com a horizontalizarão dos processos e o estímulo ao trabalho colaborativo, as partes se sentem estimuladas à criação e a equipe torna-se mais independente e com um melhor preparo para lidar com as resoluções de problemas.

A priorização dos softwares funcionais leva a otimização do tempo e rentabilidade da gestão, desonerando a equipe do manuseio de contratos e documentações extensas e complicadas, ou ferramentas rígidas pouco responsivas em situações imprevistas. Assim, a equipe torna-se mais independente e com um melhor preparo para lidar com as resoluções de problemas.

Planejamento

No RH ágil, o planejamento é realizado de forma iterativa e incremental, de acordo com o que acontece no percurso de implementação. Já o orçamento e prazo são fixos para desenvolver o projeto, mesmo que inicialmente ele não atenda a 100% das expectativas. 

O método ágil é bem aplicado em projetos complexos quando utilizando ciclos interativos curtos, com planejamento guiado por entrega de valor, feedbacks constantes, transparência das informações, adaptação a mudanças, integração da equipe e proximidade com o cliente.

Avaliação

Com prazos mais curtos e equipes mais dinâmicas a necessidade de avaliação enquanto instrumento de feedback das ações e projetos torna-se mais imediata, aumentando a frequência da aplicação e a quantidade de pessoas avaliadas.

Remuneração

Incentivar as equipes com bonificações é uma boa forma incentivo. A remuneração imediata a concretização de um projeto tem mais eficiência que um reajuste anual salarial, reforçando o feedback instantâneo.

Segurança

A metodologia ágil é capaz de aprimorar a forma como os indivíduos e as equipes reagem às possíveis falhas. Por ser uma abordagem focada na agilidade, flexibilidade e otimização no desenvolvimento de projetos, ela permite que as equipes se adaptem mais facilmente diante de incertezas e mudanças imprevistas.

Leia mais sobre Como tornar o seu RH ágil

Para implementar o RH ágil em sua organização aqui está o primeiro passo: conheça o assunto. Com o domínio das informações que estamos lhe fornecendo, você pode começar a traçar estratégias para implementação de métodos ágeis. 

Como todo processo de mudança, o RH ágil precisa ser planejado. Levante informações como: recursos (financeiro, humano e tempo), estratégias da empresa e setor, processos que estão obsoletos ou atividades que geram desperdício e atrasos, metas e etapas para a implantação, entre outros.

Prepare seus funcionários para o processo, integre-os no planejamento. A equipe precisa ser treinada e capacitada para funcionar no modelo de RH ágil. 

E o mais importante, não comece dando passos largos. Fazer testes e pequenas mudanças gradualmente lhe trará melhores resultados. Assim você evitará o risco de realizar uma grande transformação de forma ineficiente.

Compartilhe nas redes!

3 passos para você implantar um sistema de controle de ponto online

O controle de ponto online já é uma realidade presente em muitas empresas. Afinal, com os avanços tecnológicos dos últimos tempos, ter uma gestão de ponto online otimizada dos processos internos é questão quase que obrigatória para a eficiência e fluidez dos processos institucionais. As corporações compreenderam que um bom trabalho de gestão de pessoas inclui ter um entendimento de que grande parte dos problemas enfrentados no dia a dia é fruto de deficiências em procedimentos comuns, como a própria gestão de ponto online dos seus profissionais. 

Isso explica, inclusive, por que o controle de ponto online dos colaboradores é um processo que está constantemente sendo aprimorado, à medida que a tecnologia avança. Entretanto, neste contexto, ainda existem dúvidas comuns a respeito de como implementar um modelo de controle de ponto online que atende o que a organização precisa, bem como quais são os benefícios gerados por uma boa escolha. Sabendo disso, elaboramos este artigo com o objetivo de instruir sobre os processos de implementação de um sistema de ponto online eficaz para sua empresa! Acompanhe:

O que é um software de registro de ponto?

Um software de registro de ponto online faz o registro dos horários digitalmente. Ele armazena automaticamente os horários e gera relatórios atualizados e indispensáveis para o empregador. Do ponto de vista legal, um software de registro de ponto atende à portaria 373/2011 do Ministério do Trabalho e Emprego, o MTE, que permite a adoção de sistemas alternativos eletrônicos de controle da jornada de trabalho. Além disso, algumas instruções em relação às normas de confiabilidade e segurança das operações de registro de ponto seguem a portaria 1.510/2009, também do MTE, cujo foco principal é a descrição de como devem ser os aparelhos físicos de controle ponto.

Quais são as diferenças entre ponto digital e ponto online mobile:

Tradicionalmente, o ponto eletrônico corresponde a um equipamento instalado nas dependências da empresa para os colaboradores marcarem seus horários de chegada e saída, por meio de biometria ou cartão. Organizações mais modernas associam o ponto eletrônico às catracas de acesso e as informações são armazenadas em um sistema interno.

O controle de  ponto online mobile, por sua vez, é uma inovação para isso tudo, especialmente quando a jornada de trabalho tem certo grau de complexidade e não se limita ao horário comercial regular. Trata-se de um sistema que permite a marcação do ponto via web, por meio de um aplicativo instalado no smartphone do profissional ou via computador, acessando um site com seu login e senha. Todas as informações ficam registradas de maneira segura em um banco de dados online. Atreladas ao sistema do ponto mobile há diversas funcionalidades que farão total diferença na hora de analisar as informações ali registradas.

Como implantar um sistema online de ponto digital?

1 – Analise as suas necessidades

Para implementar a melhor solução para a sua empresa, o primeiro passo é analisar, dentre as diversas opções que existem no mercado, se o modelo considerado apresenta todos os requisitos necessários para atender a demanda de trabalho do negócio, como a possibilidade de montar escalas de trabalho e controlar previsão de férias, facilidade de administrar a ferramenta, emissão de relatórios otimizados e demais benefícios.

2 – Conheça quais são as vantagens adicionais que o serviço que você escolheu oferece

Outro fator fundamental é conferir possíveis vantagens adicionais oferecidas pelas empresas que vendem esse tipo de serviço, como uma interface administrativa para o pessoal do departamento pessoal e recursos de mobilidade. 

3 – Contratação e instalação do software

Na prática, para aderir ao ponto digital online, não é preciso adquirir nenhum equipamento. Gestores e colaboradores podem instalar o aplicativo em seus celulares, terem acesso via web ou tablets. 

É válido ressaltar que também é possível contar com plataformas criadas para a área de Recursos Humanos que contribuem para a eficácia da implementação da coleta de ponto online, além de englobarem outros benefícios, como já citamos mais acima, como a gestão de banco de horas, programação de férias, dentre outros.  

Quais são as principais vantagens em ter o controle de ponto online na sua empresa?

Facilidade para processamento da folha de pagamentos

É muito mais fácil e rápido calcular as horas trabalhadas, normais e extras, faltas e outros elementos quando se tem esses números totalizados e entregues pelo sistema de ponto, ao contrário de apurar manualmente contando os valores obtidos em papel.

Mais segurança na hora de armazenar informações

O armazenamento de dados em nuvem, com backups frequentes, aumenta muito a segurança dos registros, que não podem ser perdidos ou extraviados.

Manutenção da disciplina de pontualidade dos funcionários

Sem a possibilidade de marcar entradas e saídas de jornada em outro momento ou para outra pessoa, principalmente quando se utiliza a biometria, os trabalhadores são menos propensos a descuidarem de seus horários de início de expediente.

Leia também: O que é People Analytics e como essa tendência vai transformar a Gestão de Pessoas da sua empresa

RH mais estratégico

A análise das informações de ponto constitui um trabalho repetitivo. Com a automatização do processo, o RH pode focar seu trabalho em atividades estratégicas que favoreçam maior sofisticação à gestão de pessoas e contribuam com o aumento da produtividade na empresa.

Jornadas de trabalho mais flexíveis

Ao aderir ao sistema de controle de ponto online, você coordena eficientemente a jornada de trabalho flexível dos seus funcionários. Afinal de contas, não é mais necessário estar fisicamente na empresa para garantir que o trabalho seja executado. Visitas externas, trabalhos a distância, home office e até viagens tornam-se mais fáceis de serem acompanhadas e registradas.

Segurança

Sistemas de gestão de ponto online precisam de mecanismos de segurança para evitar marcações de ponto indevidas. Há várias maneiras de se fazer esse controle, entre eles a geolocalização (que permite saber o local onde o ponto foi batido), controle por IP (garante que o ponto foi batido na rede correta), controle por biometria (foto, reconhecimento facial e digital entram neste quesito) e até mesmo cercas eletrônicas (permitir que o ponto seja batido apenas em determinado local). Com todas essas medidas de segurança, o controle de ponto online é mais seguro.

Leia também: Beacons na Indústria: o que são e como podem ser utilizados

O controle de ponto online, ou Ponto Certificado, é a ferramenta ideal para quem quer trazer mais tecnologia e praticidade para dentro da empresa. Essa solução possibilita a marcação e a gestão de ponto de forças de trabalho externas e de forma ágil, simples e com total segurança jurídica, como falamos anteriormente. Se você tem como contratados caminhoneiros, profissionais de limpeza, vendedores externos ou outros colaboradores que trabalham remotamente, o Ponto Mobile irá te dar segurança jurídica e controle total. 

Solicite um orçamento agora mesmo e veja como o seus processos internos podem ser automatizados com baixo investimento. Se você gostou do nosso artigo sobre gestão de ponto online, não deixe de compartilhar nas redes sociais. Até mais.

Mitos e verdades sobre reconhecimento facial: não acredite em tudo que você lê por aí

O acelerado desenvolvimento tecnológico tem trazido benefícios imensuráveis para humanidade, mas precisamos estar abertos às mudanças para aproveitá-las. Novas tecnologias ainda estão cercadas de dúvidas que levam à insegurança. Neste texto, vamos conhecer os mitos e verdades sobre reconhecimento facial para aproveitarmos todas as vantagens que essa ferramenta proporciona.

Novas tecnologias x velhos hábitos

Mudanças muitas vezes são assustadoras, porque nos tiram de nossa zona de conforto. Novas tecnologias podem causar esse efeito em usuários acomodados e confortáveis em suas velhas rotinas. Mais do que temer o novo, devemos abraçar a mudança, pois ela nos coloca em movimento.

O desenvolvimento tecnológico se dá numa velocidade que quase não podemos acompanhar. Num piscar de olhos, equipamentos de ponta se tornam obsoletos. Mais do que nunca, hoje um piscar de olhos pode literalmente comandar ações, como um registro fotográfico, por exemplo.

Nossos velhos telefones móveis hoje são avançados smartphones que comportam dezenas de equipamentos em algumas gramas de plástico e metais. O aperfeiçoamento das inteligências artificiais já nos permite interagir com equipamentos e comandá-los.

O mundo se transformou muito e muito rápido, mas com o mínimo de informação e conhecimento sobre as novas tecnologias podemos confiar nelas e usá-las de maneira segura e eficiente.

Se já estamos tão familiarizados com tecnologias antecipadas pela ficção científica nas telas dos cinemas, porque não finalmente usufruir do que antes era só imaginação?

Desde de que conhecemos HAL 9000 ou acompanhamos as aventuras dos Jetsons, sonhamos com inteligências artificiais responsivas, sistemas inteligentes, interativos e versáteis. Porque temê-los agora?

Leia mais sobre Inteligência Artificial: 10 fatos que você precisa saber

Você conhece o Reconhecimento Facial?

Que tal se apropriar dessas tecnologias conhecendo-as? Chegou a hora de compreender de uma vez por todas os mitos e verdades sobre reconhecimento facial.

Tomemos o Reconhecimento Facial como exemplo. Combinado com inteligência artificial, o reconhecimento facial é um sistema desenvolvido para identificar uma pessoa por meio de imagem ou vídeo.

A tecnologia de reconhecimento facial em si não é tão nova, seu uso se tornou mais perceptível e acessível nos últimos anos, aplicada em smartphones, aplicativos, soluções de tecnologias de recursos humanos ou sistemas de segurança.

De forma sucinta, o reconhecimento facial parte do princípio de que cada pessoa tem um padrão característico facial único, identificável através de sistemas de análise profunda de imagem. 

Cruzando dados como distância entre os olhos, o comprimento do nariz, o formato da boca, bochechas e queixo, marcas e cicatrizes e contorno e formato do rosto, o sistema cria um mapa facial que será reconhecido sempre que o usuário fizer o escaneamento, independente da posição que estiver.

O reconhecimento facial é um dos recursos mais avançados para sistemas de segurança, usado tanto no controle de acesso em empresas ou eventos, quanto em investigações criminais, na busca de pessoas desaparecidas e até no tráfico humano.

Leia mais sobre Reconhecimento Facial: saiba diferentes benefícios dessa solução para controle de acesso

Talvez você não tenha percebido, mas o reconhecimento facial está muito mais presente na sua vida do que você percebe. Sabe aquele aplicativo que aplica um filtro engraçadinho nas suas fotos? Reconhecimento facial. E quando você desbloqueia o celular apontando para o seu rosto? Reconhecimento facial. E a câmara fotográfica que dispara com piscar de olhos? Bingo.

O reconhecimento facial foi capaz de desvendar o sorriso mais enigmático da humanidade! Você sabia que a Mona Lisa de Leonardo Da Vinci está 83% feliz, 9% aborrecida, 6% amedrontada e 2% raivosa? Foi o que concluiu software de reconhecimento facial.

Existem muitas especulações e informações duvidosas circulando a respeito dessa tecnologia, muitas vezes geradas pelo desconhecimento e pelo medo do novo. Vamos esclarecer alguns mitos e verdades sobre reconhecimento facial?

Mitos e verdades sobre reconhecimento facial

MITO: companhias aéreas manterão informações de identidade e dados faciais dos passageiros em arquivo.

Com os crescentes ciber ataques a bancos de dados e a vulnerabilidade desses sistemas, o que as companhias áreas menos querem é armazenar informações pessoais identificáveis que não aquelas que sejam absolutamente necessárias! Manter bases de dados requer custos e responsabilidades legais. Nos aeroportos norte-americanos, as imagens captadas nos sistemas de reconhecimento facial são mantidas pelo programa por até 14 dias após a saída do visitante.

MITO: O reconhecimento facial tem por objetivo substituir todas as medidas de segurança atuais.

Apesar de já ser uma ferramenta de verificação, o reconhecimento facial é uma opção, mas não substitui os documentos seguros. Passaportes digitais, IDs tradicionais e até mesmo aqueles armazenados em dispositivos móveis ainda estarão fortemente envolvidos nos processos de verificação de identidade.

MITO: Após realizar o cadastro, as identidades podem ser roubadas dos sistemas de reconhecimento facial.

A probabilidade de identidades cadastradas em sistemas de reconhecimento facial serem roubadas é mínima. Os dados dos usuários não são enviados para nenhum banco de dados, mas sim são transformados em um complexo código binário que é totalmente encriptado e armazenado no próprio dispositivo. Ou seja, a decodificação desses dados é praticamente impossível.

Além disso, o Brasil regulamenta o uso desses dados através da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). Aprovada em agosto de 2018, a legislação dispõe sobre o tratamento de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, com o objetivo de proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade.

VERDADE: O reconhecimento facial pode ser utilizado por grandes empresas.

Essa solução até já foi algo caro e inacessível. Mas isso mudou. Como toda tecnologia, os sistemas de reconhecimento facial foram sendo barateados após as constantes evoluções e modernizações. Atualmente, até mesmo pequenos empreendimentos podem usar equipamentos do tipo.

Fale com a TeleWorld e tenha essa tecnologia na sua organização! 

Os sistemas de reconhecimento facial vieram para ficar, cada vez mais presentes em nossas vidas. E precisamos estar informados sobre os mitos e verdades sobre reconhecimento facial já que a própria tecnologia ainda tem muito a crescer. 

Compartilhe este texto nas suas redes sociais e ajude outras pessoas a compreenderem os mitos e verdades sobre reconhecimento facial!

Treinamento online: um passo a passo para implementar em sua empresa

Querer começar uma graduação ou um curso para melhorar a sua área de atuação é o sonho de muitas pessoas. Mas nem sempre é possível cursar uma faculdade no modelo de ensino presencial. Por esse motivo, A educação a distância tem crescido em ritmo acelerado no Brasil. Segundo os últimos dados do Ministério da Educação (MEC), o EAD atingiu um aumento de 18,6% do total de matrículas nas instituições de ensino superior. Em 2019, o órgão atualizou a regulamentação da modalidade de cursos online e ampliou a oferta. Com o processo mais flexível, o número de núcleos cadastrados subiu em 85%.

É claro que essas mudanças chegariam ao mercado de trabalho com muita rapidez, já que o treinamento de equipes de trabalho é essencial para que as empresas continuem se desenvolvendo. O problema é que treinar um time precisa de investimento e a visão tradicional é que o treinamento presencial é o único método efetivo para se aprimorar e qualificar colaboradores em empresas. Mas a percepção vem se ajustando de acordo com as necessidades atuais, tendo em vista que o desenvolvimento tecnológico e das plataformas de treinamento online tem se mostrado extremamente eficazes e diversos processos.

A tecnologia fez surgir programas de desenvolvimento que têm se provado eficientes e consideravelmente mais em conta. Nesta postagem, você vai ver algumas das vantagens do treinamento online nas empresas, como a economia, a possibilidade do uso mais eficiente do tempo e como implementar na sua empresa. Continue lendo:

Quais são as vantagens em investir em treinamento online?

 As ferramentas de treinamento online têm mostrado que as pessoas podem ser eficientes ao aprendem no seu próprio ritmo e com mais mobilidade. Dessa maneira, adquirem maior capacidade de retenção das informações e existe uma probabilidade maior de engajar os funcionários em suas funções. Isso devido a maior aceitação da liderança estabelecida na companhia.

Para a empresa, a aceitação dos méritos da formação e do desenvolvimento de todos os níveis traz mudanças na cultura empresarial. Isso introduz um conceito de investimento em recursos humanos, abrindo a possibilidade de ganhar vantagens internas.

Além disso, à medida que a organização cresce, o mesmo acontece com o programa de treinamento online. As ferramentas de aprendizagem digital de hoje, de maneira fácil e rápida, evoluem e acomodam novos usuários com muita facilidade, tornando o seu treinamento online altamente escalável. Em vez de aguardar o próximo curso de treinamento presencial, basta que novos funcionários acessem a plataforma e iniciem o processo de aprendizado desde o primeiro dia. É simplesmente uma maneira mais eficiente de combinar seu programa de capacitação com o crescimento de sua organização.

Como implementar o treinamento online na sua empresa?

 Naturalmente, discutir a necessidade de um programa de treinamento online nas empresas que já carregam um histórico de sucesso é mais fácil, mas implementá-lo é um outro desafio. É preciso ter alguns requisitos ao desenvolver um programa treinamento online de trabalho. Mas, seguindo estes passos, a probabilidade dele ser bem sucedido é alta.

 

Leia também: Beacons na Indústria: o que são e como podem ser utilizados

1- Acessibilidade

A coisa mais importante a lembrar sobre o treinamento online nas empresas é que o conteúdo precisa ser facilmente acessível para todos. Naturalmente, isso tem a ver com a plataforma usada para entregar o treinamento. As diversas formas de disseminação do conteúdo acabam por espalhar o conhecimento de forma desregulada e isso pode prejudicar a qualificação dos colaboradores. De um modo geral, quanto mais transparente for para os trabalhadores remotos chegarem ao seu conteúdo, mais eficaz será o programa de formação.

2- Mobilidade

Os materiais de treinamento online devem ser acessíveis a partir de qualquer dispositivo, incluindo diferentes tipos de smartphones e tablets. A transformação digital colocou à disposição de praticamente todas as pessoas esses gadgets. A maioria dos profissionais de negócios dependem de seus dispositivos móveis para tudo nos dias de hoje. Existem estudos que comprovam que as pessoas ficam cerca de quatro horas diárias de olho nas telinhas.

Há certas considerações, entretanto, que contribuem para a eficácia do treinamento de equipe de trabalho mobile. Em geral, o conteúdo de aprendizagem móvel deve ser apresentado em segmentos curtos, facilmente digeríveis. Também é uma prática recomendada para evitar que os aprendizes móveis sejam superexpostos a conteúdos complexos para consumir. É preciso entender que o conteúdo de aprendizagem em um treinamento online pode ser visualizado em qualquer ambiente. Portanto, geralmente é uma boa ideia trabalhar com tópicos diretos.

3- Interatividade

Também é importante manter os alunos no treinamento online envolvidos com conteúdo sob demanda. Como não existem instrutores físicos, com interações face a face, é essencial encontrar estratégias para manter a atenção dos alunos.

Uma maneira simples de fazer isso é incluir periodicamente check-ins ou elementos interativos que exigem uma ação por parte do aluno. A maneira mais comum de adicionar interatividade ao aprendizado durante o treinamento online nas empresas é incluir perguntas ou questionários curtos. Incitar o público a analisar periodicamente as informações, a fim de garantir que ele retenha a informação. Além disso, elementos como pesquisas ou perguntas atualizadas em tempo real promovem um senso de comunidade entre os alunos.

4- Medição

Uma vez que uma empresa começa com o treinamento online, é fundamental monitorar e acompanhar o desempenho do programa. Novamente, os representantes de aprendizado e desenvolvimento não vão estar presentes para observar o público. Por conta disso, os dados de rastreamento do treinamento de equipe de trabalho são essenciais.

Os instrutores e desenvolvedores devem usar análises para medir o sucesso de seu conteúdo. Eles precisam identificar as áreas que podem ser esclarecidas ou melhoradas.

Existem certas perguntas que a maioria dos alunos estão errando? Se sim, isso pode ser uma oportunidade para ajustar o conteúdo e enfatizar partes do treinamento online que estão sendo deixadas de lado, por exemplo.

 

Leia também: O que é mentoring nas empresas e saiba suas vantagens

5- Comunicação

Provavelmente o ponto mais importante de todos. Um programa de treinamento online bem-sucedido depende de uma forte comunicação. Não importam as métricas e desenvolvimentos do conteúdo, se os alunos têm perguntas e precisam de esclarecimentos e não conseguem estabelecer contato apropriado com seus instrutores.

É importante que eles possam entrar em contato com as pessoas certas, de forma rápida e fácil, para obter as respostas que precisam. Muitas vezes, os representantes de aprendizado e desenvolvimento devem ser capazes de ajudar, mas os especialistas da matéria devem também estar disponíveis para fornecer à audiência as explicações mais detalhadas quando necessário.

É importante saber que o treinamento online de equipes de trabalho estimula o colaborador a buscar aperfeiçoamento sobre os conteúdos que têm disponibilizados. O treinamento online é um recurso poderoso, flexível e que oferece soluções baratas e rentáveis para fornecer qualificação. É uma resposta para todas as necessidades de formação e desenvolvimento de colaboradores. Por isso, pense bem em como esse recurso pode ajudar no desenvolvimento da sua instituição.

O que é Liderança Transformacional e por que ela é tão importante em momentos de crise

Antes de nos aprofundarmos sobre o assunto de liderança transformacional, é importante você entender o que é ser um líder e, a partir daí, saber diferenciá-lo de um chefe.

Então, vamos lá! Chefe é alguém que impõe o que e como se deve fazer determinada tarefa para se atingir algum objetivo. A preocupação do chefe é o resultado que se pode alcançar, seja no cumprimento das metas organizacionais, seja no sentido de atender às determinações dos superiores. Sua autoridade advém do cargo e se vincula à hierarquia institucional. As pessoas que compõem seu grupo de trabalho são meios de obtenção dos resultados. Daí o termo “mão-de-obra” ou “recursos humanos”, junto com outros recursos para atingir resultados.

Líder, por sua vez, é alguém que prioriza as pessoas da equipe e faz com que assumam a execução de alguma tarefa ou meta a ser cumprida. Liderança é a habilidade e a capacidade de conduzir um grupo, desde pequenos grupos de amigos ou familiares a grandes organizações e instituições, motivando-o a colaborar voluntariamente na consecução de objetivos comuns. As duas formas não são opostas, muito menos excludentes. São os dois polos de uma organização produtiva em um ambiente agradável de boa convivência. Pois um grupo precisa de gestão e motivação para concluir os seus objetivos.

Leia também: Beacons na Indústria: o que são e como podem ser utilizados

Sabemos que é impreciso dizer que existe “um estilo de liderança ideal” ou uma fórmula mágica para se tornar o líder perfeito. Existe o perfil adequado às circunstâncias, à estratégia, aos setores e funções desempenhadas e aos objetivos da empresa. E, nesse contexto, o líder transformacional tem se destacado e ganhado força frente ao líder transacional.

 Mas, afinal, o que é liderança transformacional e por que ela é tão importante em momentos de crise? Continue a leitura e descubra.

A teoria da liderança transformacional é baseada no líder como fonte e modelo de inspiração para seus comandados, por meio de uma postura forte, autêntica e rica em valores morais. É um tipo de gestor visionário, estrategista, motivador e que se mostra altamente engajado com o desenvolvimento de sua equipe e com a construção do futuro da empresa.

Caracteriza-se como um profissional capaz de resolver problemas rotineiros e complexos, de solucionar atritos de forma equilibrada, estimular o aprendizado, além de assumir, até mesmo, a função de treinador de toda a equipe. Sob o comando dessa liderança transformacional, a cultura corporativa prevalece sobre a individual, fazendo com que a coletividade seja fortalecida em um clima colaborativo. Os membros da equipe são incentivados a inovar, a explorar criatividade e novos caminhos, em busca de diferentes resultados. São encorajados a assumir uma postura proativa frente aos desafios e às oportunidades e treinados para isso. Assim, possuem autonomia para tomar decisões e agir.

A liderança transformacional tem se tornado essencial em organizações para as quais a inovação e a agilidade são vitais, graças a sua visão, expertise e habilidade de moldar a cultura e a estrutura da empresa, a fim de enfrentar, com êxito, as mudanças de realidade. Ele cria condições para otimizar a atuação da equipe, motivá-la e direcioná-la à nova estratégia, com foco nos objetivos a longo prazo.

Leia também: O que é mentoring nas empresas e saiba suas vantagens

O termo liderança transformacional, apesar de ter sido criado há décadas, está se enquadrando perfeitamente no conceito de liderança de sucesso dos dias atuais. Diferente da gerência tradicional que se concentra em organizar e supervisionar o cumprimento de tarefas, oferecendo recompensas e punições, esses líderes criam mudanças significativas na vida dos colaboradores e, consequentemente, na organização. O ato de transformar pessoas está no sentido de desenvolvê-las, melhorá-las, despertar mais potencial, ajudando-as a se tornarem o melhor profissional que podem ser.

Quais são as características necessárias para exercer a liderança transformacional dentro de uma instituição?

Na liderança transformacional, o papel do gestor é ser um agente de mudança do seu entorno para conseguir engajar as pessoas na busca por objetivos comuns e na realização de grandes feitos. Para assumir essa posição, o líder precisa ter carisma, capacidade de empatia, instinto de inovação, entre outras características que contribuam para a promoção de mudanças significativas em seu entorno.

As mudanças citadas não devem ocorrer somente no ambiente organizacional geral, mas também, ser referente às pessoas que o compõem. A capacidade de tocar e modificar pensamentos e crenças previamente arraigadas é o que permite que um líder seja um promotor de transformações nos contextos em que estão inseridos. O líder que transforma sabe quando precisa fazer algo como exemplo e quando deve delegar tarefas.

Comunicação é a base da liderança transformacional

Para conseguir engajar todos os membros da equipe em prol da realização de um mesmo objetivo é necessário que o líder tenha plena capacidade de comunicação. Cabe ao líder transformacional estabelecer um estilo comunicativo que abarque todas as crenças e significados que têm relação com aqueles que estão ouvindo.

Trabalhe sempre com a antecipação de problemas

No contexto da liderança transformacional, o líder precisa antecipar os problemas oferecendo soluções que sejam pertinentes. Nem todo mundo tem essa visão naturalmente, mas pode desenvolvê-la aprendendo a ser mais observador e reconhecendo os mecanismos que sempre resultam em problemas sérios.

Equilíbrio

Um ambiente em que há equilíbrio e relações tranquilas entre os membros proporciona mais chances de realização de projetos significativos.

Como a liderança transformacional é tão importante em momentos de crise?

 Na liderança transformacional é comum que os membros da equipe estejam sempre engajados na busca pela realização de algum desafio. Trabalhar para uma realização é uma forma de permanecer sempre preparado para responder ao mercado e gerenciar crises com excelência. Quem não se sente instigado a realizar as suas tarefas cada vez melhores pode perder a sua motivação e acabar tendo um desempenho com menos foco e qualidade com o passar do tempo. Lembrando que desafios não são sinônimos de metas impossíveis e que todo mundo precisa de intervalos entre projetos que demandam muita energia física e mental.

O principal benefício observado neste modelo de liderança é o aumento do desempenho de colaboradores, o que influencia muito frente a qualquer crise. A motivação do time está diretamente ligada ao comportamento de seus gestores. E você, está preparado para esse novo momento do mercado?

Se você gostou do nosso artigo, compartilhe com seus contatos nas redes sociais e não deixe de visitar o nosso blog clicando aqui  Nos vemos no próximo texto.