As tendências para medicina preventiva e segurança do trabalho

Atualmente o número de trabalhadores que exerce atividades no mercado com carteira assinada e que são submetidos a exames e avaliações da medicina preventiva ocupacional chega a 50 milhões de pessoas. Os métodos para aplicação desses exames sofrem constante aperfeiçoamento, já que de tempo em tempo novas necessidades surgem e os investimentos para a prevenção de doenças ocupacionais são cada vez maiores, resultando em novas tendências para medicina preventiva e para segurança do trabalho.

 

Falando ainda sobre o aperfeiçoamento dos métodos para atender aos trabalhadores de diversos setores, podemos considerar também que as empresas, cada vez mais, buscarão os benefícios da medicina preventiva ocupacional e segurança do trabalho, com o objetivo de evitar a baixa de produtividade, muitas vezes, ocasionada por doenças e acidentes. Os exames clínicos e complementares são fundamentais para uma avaliação criteriosa da saúde dos trabalhadores e, também, auxiliam na identificação de possíveis doenças ocupacionais.

 

A medicina preventiva e segurança do trabalho, quando realizada por profissionais especializados e capacitados, torna-se um mecanismo que contribui para uma melhor qualidade de vida e o bem-estar dos trabalhadores, beneficiando também a produtividade da mão de obra nas empresas.

 

Conheça abaixo as principais tendências para medicina preventiva e tendências para a segurança do trabalho em 2019:

 

Sistema de Gestão

Este sistema tem por objetivo atender as exigências da legislação e implantar uma política de gestão de riscos para controlar os possíveis problemas relacionados à atividade laboral, e é uma grande tendência para medicina preventiva e tendência para segurança do trabalho.

 

Uma das ferramentas que devem ser implantadas para promover o controle das operações é a padronização dos procedimentos administrativos relativos a saúde ocupacional. Esses documentos garantem uniformidade das atividades e refletem o nível adequado de organização de uma instituição.

 

O Safety Gestão de Saúde, por exemplo, é uma ferramenta facilitadora para o dia a dia de gestores que precisam ter informações da saúde dos seus colaboradores e terceiros, para a execução de tarefas com riscos. E também para que deseja realizar ações de medicina preventiva corporativa.

 

É um sistema de gestão poderoso, que garante às autoridades trabalhistas o cumprimento das Normas Regulamentadoras, além de ser uma ferramenta de controle e gestão. Através da interface amigável e intuitiva do sistema Safety, o profissional de segurança do trabalho ou medicina preventiva, pode saber o estado de saúde de um colaborador em tempo real, e receber estas informações por notificações via e-mail, SMS ou diretamente no aplicativo do celular. Assim, a tomada de decisões pode ser mais rápida e assertiva.

 

Uma empresa que se preocupa com a saúde de seus trabalhadores e atenta a legislação trabalhista tem a sua reputação idônea reconhecida. Portanto, uma gestão ocupacional eficiente na medicina do trabalho reflete maior cuidado com os trabalhadores.

Prontuário Online

Neste caso, os dados são armazenados virtualmente e protegidos por sistemas especializados com alto teor de segurança. Os prontuários online dos colaboradores são uma das grandes tendências para medicina preventiva na área da saúde e para os profissionais que atuam na área de medicina ocupacional. Além de manter todos os dados, laudos, diagnósticos e consultas realizadas do paciente, este tipo de sistema permite que as informações sejam acessadas de maneira remota. Além de ser uma tendência para medicina preventiva, é uma grande otimização de tempo e espaço.

 

A diferença é que os softwares mais modernos devem aumentar a capacidade de captação dos dados, incluindo também informações de produtividade, agenda, custo e outros tipos de procedimentos. O Safety, por exemplo, reúne grande parte das informações relacionados a Saúde e Segurança do Trabalho exigidas pelo eSocial. Além de armazenar informações sobre os funcionários, o Safety também comunica acidentes de trabalho e diversas informações sobre o colaborar em tempo real e de maneira remota.

 

Unidades Móveis

O atendimento nas empresas pode ser facilmente ampliado com unidades móveis de saúde, que são clínicas completas sob rodas. Estas unidades se deslocam até o local de atendimento, com médicos e profissionais necessários para o atendimento.

 

As clínicas de medicina ocupacional são adaptadas em veículos de médio e grande porte, que podem oferecer todas as modalidades de exames necessárias às instituições que contratam o serviço, como exames admissionais, demissionais, complementares e periódicos. Além de ampliar o atendimento para os profissionais, a utilização de automóveis promove o acesso linear dos trabalhadores aos serviços oferecidos pela empresa.

Levantamento de indicadores de produtividade

Parece uma atividade simples, mas muitas empresas ainda não estão atentas a esta tendência para segurança do trabalho. Conhecer os principais indicadores da empresa é importante para estabelecer metas em médio e longo prazo. Principais causas de afastamento, percentual e tipo de acidentes de trabalho, treinamento sobre riscos ambientais, análise de pureza da água, nível de satisfação com o ambiente de trabalho são exemplos de indicadores que devem ser analisados periodicamente.

 

Estes indicadores devem ser agrupados de acordo com os setores envolvidos e a necessidade de implantação. Assim, fica mais fácil de saber que o aumento de casos de doenças respiratórias em ambiente de pouca circulação deve ser tratado mais urgentemente do que a insatisfação com a comida servida no restaurante, por exemplo. A partir dessas informações é possível estipular metas gerenciais e operacionais para sanar as principais não conformidades e garantir a produtividade dos setores.

Cipa Online

Nós sabemos que a CIPA, que é regulamentada pela Norma Reguladora nº 5, não é uma tendência, mas sim uma obrigação de todas as empresas regidas pela Consolidação das Leis de Trabalho, a CLT. Ela é formada por representantes do empregador e dos empregados e, por isso, é possível discutir e propor melhorias para a segurança do trabalho. O modelo de votação online através de softwares, dá mais credibilidade para a escolha desses representantes, agiliza os processos e faz com que a divulgação dos resultados seja democrática.

 

Gostou do nosso conteúdo? Então compartilhe-o em suas redes sociais para que mais pessoas também aprendam sobre as tendências para medicina preventiva e tendências para segurança do trabalho. Até a próxima!

 

Fontes:

Fórum de Saúde Digital

Healthcare

DDS segurança do trabalho: o que é e os melhores temas

Se você quer saber o que é DDS segurança do trabalho, os benefícios e como realizar, você está no lugar certo. Bem, Diálogo Diário de Segurança, é destinado a gerar no colaborador a conscientização de acordo com as suas atividades diárias, e engloba assuntos como segurança, meio ambiente, saúde e qualidade de vida. Ela é aplicada normalmente em um tempo de 5 a 15 minutos, sempre antes do início da jornada de trabalho de cada colaborador. Este tempo é reservado para discussões e instruções básicas de assuntos relacionados a prevenção de acidentes e segurança.

 

A ferramenta de DDS segurança do trabalho começou na década de 90, e teve sua ampliação para muitas outras ferramentas, como o DDHSMA (Diálogo Diário de Higiene Segurança e Meio Ambiente), DDHS (Diálogo Diário de Higiene e Segurança), DHSMQ  (Diálogo Diário de Higiene, Segurança, Meio Ambiente e Qualidade), entre vários outros.

 

Como sua própria definição diz, o DDS segurança do trabalho é uma ferramenta muito eficaz quando se trata de prevenção de acidentes de trabalho. É uma medida fundamental e vem ganhando muito espaço, inclusive entre os próprios técnicos de segurança de trabalho, justamente por proporcionar aos trabalhadores a conscientização da importância em ter a segurança aplicada em sua jornada de trabalho.

Leia também As principais normas e regras de segurança do trabalho.

 

Os benefícios do DDS segurança do trabalho

Abaixo, falaremos sobre os principais benefícios que o DDS traz para a instituição que implementa o método, conheça:

  • Redução de custo com assistência médica.
  • Redução considerável de acidentes de trabalho.
  • Melhoria na produção e ambiente de trabalho.
  • Aumento de comprometimento dos colaboradores.
  • Aumento do nível de satisfação e segurança dos funcionários.


Como realizar o DDS

O DDS pode ser ministrado pelo empregador, membros da SESMT e da CIPA, supervisor, técnico de segurança ou funcionário que foi destinado a realizar o procedimento. A primeira medida antes de realizar o DDS é informar aos funcionários o que é esta ferramenta e o porque está sendo inserida no horário de trabalho, é importante ressaltar que pode ser um procedimento simples e rápido mas que traz grande eficiência em relação a prevenção de acidentes.

Fique atento às dicas de ministração do DDS segurança do trabalho:

  • A conversa deve ser ágil, como falamos acima, no máximo 15 minutos.
  • O conteúdo, deve ser objetivo e pontual, além de trazer temas interessantes para atrair a atenção dos colaboradores.
  • Lembre-se de falar a língua do funcionário, sempre.
  • Deixe disponível para todos um calendário com todos os encontros da DDS agendados, juntamente com os temas abordados.
  • Traga pessoas especializadas na área para falar sobre os assuntos tratados, isso passará credibilidade e maior responsabilidade aos colaboradores.
  • Deixe sempre espaço para dúvidas ou sugestões no final de cada DDS.
  • Documente tudo que for tratado no DDS. Pergunte sobre sugestões ou novos tópicos a serem discutidos nas próximas reuniões.4

 

O que não deve acontecer em uma DDS segurança do trabalho:

  • Tema não relacionado com as atividades do dia a dia dos colaboradores.
  • Despreparo e falta de segurança na hora das ministrações.
  • Temas pouco objetivos com baixo índice de compreensão.
  • Não documentar os temas e nem registrar assinaturas dos funcionários.
  • Não elaborar a criação de um calendário de encontros e não divulgar os assuntos para que todos da empresa fiquem bem informados.

 

Preserve o Diálogo

Lembre-se que o DDS trata-se de um diálogo. Então, deixar um tempo maior para debates e colocações do colaboradores é muito importante. Caso se depare com timidez e silêncio por parte dos funcionários, faça perguntas e estimule a interação.  Se participarem, certamente estarão mais dispostos a colaborar. Isso pode levar o departamento de segurança a diagnosticar riscos nos quais não havia pensado. E esse debate, de tão rico, pode até mesmo gerar novos temas para outros DDS no futuro e, vindo da parte mais importante da empresa: sua audiência.

Temas para DDS Segurança do Trabalho

Existem vários temas que podem ser abordados pelo Diálogo Diário de Segurança. Confira abaixo alguns exemplos:

– Primeiros socorros;

– Atos inseguros e segurança no trabalho;

– Educação no trânsito

– Efeitos do ruído no sistema auditivo;

– Controle de Qualidade Total – CQT;

– A iluminação no ambiente de trabalho;

– Legislação ambiental;

– Importância das atividades físicas;

– Reciclagem de resíduos;

– Produtos e clientes;

– Produtividade e sobrevivência;

– Proteção dos pulmões;

– Preparação de áreas seguras;

– Acidentes podem acontecer em qualquer lugar;

– Como prevenir incêndios;

– Oficina limpa é oficina segura;

– Primeiros socorros para os olhos;

– Exposição a substâncias potencialmente prejudiciais à saúde;

– Dicas de segurança;

– Por que as pessoas não usam cinto de segurança?;

– Consciência de segurança;

– A influência do calor no trabalho;

– A responsabilidade de cada um na prevenção de acidentes;

– Dicas de segurança para dirigir em dias chuvosos;

– Postura corporal;

– Maneira certa de trabalhar sentado;

– Legislação Trabalhista Brasileira.


Veja mais sugestões de temas aqui.

 

Essas são apenas algumas atitudes que você pode fazer para evitar que aconteçam acidentes. Esperamos que essas dicas ajudem você a se prevenir e a reduzir o número de acidentes de trabalho na sua empresa de maneira significativa. Gostou das nossas dicas e temas para DDS segurança do trabalho? Então, compartilhe com os seus amigos e os ajude a manter o ambiente laboral mais seguro. Até a próxima.

As principais normas e regras de segurança do trabalho

As normas e regras de segurança do trabalho, conhecidas também como Normas Regulamentadoras ou NRs, são as medidas determinadas pelo Ministério do Trabalho, que tem como principal objetivo zelar pela segurança dos colaboradores no ambiente de trabalho.

 

A utilização das normas e regras de segurança do trabalho são obrigatórias para qualquer tipo de empresa que seja constituída por funcionários contratados pela Consolidação das Leis do Trabalho, públicas, privadas ou órgãos públicos de administração. Por isso, estar por dentro das principais NRs é muito importante para qualquer instituição.

 

Leia também: Como ter uma gestão de recursos humanos de excelência

 

Pela lei nº 6.514 de 22 de dezembro de 1977, que definiu a redação dos artigos 154 a 201 da CLT, cabe ao MTE definir as medidas relativas à segurança e medicina do trabalho. Desta forma, o Ministério do Trabalho aprovou a Portaria nº 3.214 em 08 de junho de 1978, que instituiu as Normas Regulamentadoras pertinentes à Segurança e Medicina do Trabalho. Nos dias de hoje, a legislação conta com 36 normas e regras de segurança do trabalho, todas aprovadas pelo MTE, responsáveis por manter a integridade do colaborador, combatendo riscos e acidentes de trabalho.

Como funciona a aplicação das Normas e Regras de Segurança do Trabalho?
Mesmo com o grande volume das Nrs, todas elas são constituídas de forma genérica. Desta forma, é possível aplicá-las conforme a especialização de cada segmento do negócio. Por isso, o trabalho desempenhado pelo técnico de segurança do trabalho é tão importante em uma empresa. Ele é o responsável por avaliar e levar em conta todas as particularidades de cada instituição, e definir como as normas e regras de segurança do trabalho se aplicam de forma adequada.

Para capacitar esses profissionais, existem treinamentos específicos destinados não apenas à segurança, mas também a entender as especificidades de segmentos diversos de trabalho. Mesmo sendo concebidas de forma genérica, todas as normas são complementares e não se contrapõem. Conheça agora algumas NRs e entenda como elas funcionam:

 

Norma Regulamentadora número 2

A NR 2 estabelece que, no processo de abertura de um novo estabelecimento, é necessário que suas instalações sejam inspecionadas e aprovadas pelo órgão regional do Ministério do Trabalho. Se as instalações obtiverem a aprovação devida, a nova empresa recebe um Certificado de Aprovação de Instalações (CAI), que atesta que existem as condições necessárias ao perfeito funcionamento.

Essa autorização é necessária não só na ocasião de abertura da empresa, mas também sempre que o local passar por modificações substanciais em sua estrutura ou equipamentos.

Norma Regulamentadora número 4

A NR 4 foi um dos passos mais importantes para a queda no número de acidentes de trabalho no país, obrigando as empresas a manter os Serviços Especializados em Engenharia e Segurança do Trabalho.

 

Norma Regulamentadora número 6

Esta é uma das normas mais conhecidas e importantes, pois trata da exigência de utilização de Equipamentos de Proteção Individual, os EPIs. Ela regulamenta as responsabilidades da empresa quanto à oferta desses materiais, capacitação para utilização e fiscalização.

 

Norma Regulamentadora número 10

O objetivo da NR 10 é estabelecer um conjunto de procedimentos e requisitos de segurança em instalações elétricas e serviços com eletricidade para garantir a proteção e a saúde dos trabalhadores.

 

Associada à NR 06, esta norma exige o uso do EPI específico. Além da vestimenta, o profissional que lida com eletricidade deve usar, obrigatoriamente:

  • luvas revestidas em borracha;
  • sapatos com solado de borracha;
  • viseira protetora;
  • capacete especial;
  • ferramentas com cabo de borracha.

Também é obrigatório que o eletricista tenha treinamento específico sobre os riscos decorrentes da energia elétrica e as principais medidas de prevenção de acidentes em instalações elétricas.

Norma Regulamentadora número 12

As máquinas nunca estiveram tão presentes na vida profissional de um número tão grande e diversificado de trabalhadores. A automatização dos processos de produção facilitou, mas trouxe também uma maior possibilidade de acidentes.

A NR12 foi criada para garantir a saúde e a integridade física dos trabalhadores que lidam com máquinas e equipamentos em seu dia a dia.

 

Norma Regulamentadora número 33

Por espaço confinado entende-se qualquer espaço ou ambiente não projetado para o trabalho contínuo. Isto é, com meios de acesso reduzidos, ventilação insuficiente para remover contaminantes ou que possa ter deficiência ou enriquecimento do oxigênio.

Entretanto, o espaço confinado não se resume apenas a um lugar inapropriado para o trabalho humano. Dentro do conceito, existem categorias e determinações diferentes para fatores variáveis, como os níveis de atmosfera e as dimensões.

 

Norma Regulamentadora número 28

A NR28 é uma das principais normas e regras de segurança do trabalho. Saiba porquê:  Não cabe à empresa simplesmente oferecer as condições e equipamentos para que seus funcionários trabalhem seguros, também é seu dever fiscalizá-los e garantir que essas determinações sejam cumpridas.

Quando a empresa falha em qualquer um desses dois compromissos, ela está sujeita a penalidades, que variam de multas até mesmo à interdição das instalações. São justamente essas as questões regulamentadas pela NR 28.

Esta norma estabelece os critérios técnicos que o agente fiscal do trabalho deve aplicar para avaliar um ambiente e sua segurança durante a visita de inspeção. Quando ele encontra irregularidades, os empregadores devem ser notificados e receber um prazo máximo de 60 dias para corrigir os problemas detectados.

Norma Regulamentadora número 35

O trabalho em altura é um dos riscos mais elevados. As consequências dos acidentes em alturas são graves, e representam uma porcentagem elevada nos índices de trabalho.  O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) revelam dados onde 40% dos acidentes de trabalho no Brasil estão relacionados a quedas de trabalhadores em altura.

 

Agora você já ficou por dentro das principais normas e regras de segurança do trabalho e pode fazer um diagnóstico completo sobre as práticas da sua empresa. Aqui, você encontra a relação completa de todas as normas e regras de segurança do trabalho. Se você gostou do nosso artigo, não esqueça de compartilhar em suas redes sociais. Nos vemos em breve!

 

Com informações do Ministério do Trabalho: trabalho.gov.br/portal-mte

3 Tendências de RH para ficar de olho em 2019

Uma grande aliada das equipes de gestão de recursos humanos é, sem dúvida a tecnologia. Além de ter o poder de otimização de projetos, ela também auxilia na produtividade, eliminando certas atividades burocráticas e modelos de gestão mais antigos e pouco eficientes. Estar por dentro das tendências de RH para 2019 pode ser a solução para os seus problemas de gestão. Continue lendo!

 

Estruturas corporativas onde o espaço para o bem estar do colaborador não é respeitado, se torna ultrapassada e mal vista pelo mercado que busca estar sempre atualizado com as novas práticas. Por isso, é importante se atualizar, quebrar padrões e compreender que tudo precisa evoluir.

 

O fim do ano está chegando, por isso, é necessário se manter atualizado com as principais tendências de RH para 2019. Aqui, você vai aprender sobre as melhores técnicas para que a sua instituição prospere e estabeleça uma nova estrutura para os próximos meses.

 

Antes de seguirmos com as dicas, vale lembrar: tendências de RH não são definitivas! Aqui, nós vamos falar sobre as principais projeções do mercado relacionadas com o que estará em alta em 2019. Porém, a dica mais importante deste artigo é: fique por dentro do que vai acontecer antes, durante e depois de 2019, só assim você estará preparado para enfrentar o mercado e se adaptar a todas as mudanças previstas e não previstas na gestão de RH. Vamos lá?

1- Rotinas flexíveis

As atividades com rotinas flexíveis foram um sucesso em 2018, e em 2019 vão continuar sendo. Neste ano, o número de indivíduos interessados por este tipo de atividades aumentou significativamente. Empresas menores, como startups, adotaram esta e outras tendências de RH e ditaram regra para muitas empresas maiores.

 

Startups e coworkings são duas das palavras mais populares quando se trata de tendências de RH. A primeira é usada para representar empresas que resolvem problemas de seus clientes de uma forma veloz e diferenciada, a segunda está ligada aos ambientes em que profissionais de várias empresas trabalham no mesmo local. Mas o que fez fundadores de novas empresas optarem por espaços de trabalho compartilhados com profissionais de outras áreas? Relacionamento!

 

As plataformas colaborativas também estão melhorando, o que significa que a velha abordagem de “pegar uma sala de reunião” para resolver problemas e ter um bate papo rápido está se tornando coisa do passado. Enquanto as empresas de tecnologia estiverem a frente, a prioridade será por membros de equipes que estejam dispostas a trabalhar em todo país, até mesmo durante uma viagem. Por isso, esqueça reuniões longas e sem pauta! As grandes tendências de RH para 2019 são soluções rápidas, que podem ser tomadas através de um breve diálogo online.

 

 

O que conseguimos perceber é que organizações “tradicionais” estão cada vez mais envolvidas com os modelos de trabalho flexíveis e tornando-se mais criativos quando se trata de entrega e gerenciamento de projetos. Então, como aplicar esta tendência de RH a sua empresa?

 

  • Viabilize o trabalho remoto através de algumas plataformas de colaboração, e deixe que sua equipe saiba que você está aberto para experimentar coisas novas. As pesquisas mostram que os trabalhadores remotos não são menos produtivos se a comunicação e o engajamento são bem gerenciados
  • Promova debates sobre como você pode gerenciar os funcionários que são remotos e como mantê-los engajados com contatos regulares e reuniões de equipe.
  • Se você gosta de novos desafios, pode considerar a contratação de talentos fora do seu mercado de recrutamento normal. Contratar alguém fora do país pode ser uma excelente forma de alcançar diversidade na entrega dos seus trabalhos.

 

Leia também: Como ter uma gestão de recursos humanos de excelência.

 

2 – Inteligência artificial no RH

A inteligência artificial no RH não é novidade. O que é novo, no entanto, é a possibilidade de desenvolver o RH dentro da empresa de uma maneira bem diferente da usual. Sabemos que o RH é uma função voltada para as pessoas e, portanto, os profissionais de RH precisam interagir fisicamente com os funcionários. Embora isso seja uma verdade, quanto tempo você gasta com estes processos?

 

Bem, atualmente a inteligência artificial pode ser aplicada na gestão de RH em três grupos distintos:

  • Biometria;
  • Bots e automatizadores;
  • Algoritmos.

 

A biometria é utilizada amplamente em áreas como a bancária, por exemplo. Sistemas de reconhecimento de digitais já são populares e instrumentos de reconhecimento facial, pela íris ou por comando de voz se tornam cada dia mais comuns no país.

 

Basta dizer que até mesmo o bom e velho relógio de ponto agora funciona por intermédio de digitais de funcionários, que registram sua entrada e saída dos locais de trabalho. O fato é que o uso da biometria tornou mais fácil medir índices importantes para o RH, como a assiduidade dos funcionários, seus horários de trabalho, cálculos e estimativas de horas-extras, entre outros. Com o tempo, tais sistemas devem evoluir mais e permitir que se controlem dados e informações não apenas na entrada e saída, mas durante todo o expediente.

 

Em segmentos como o comercial, o reconhecimento facial, por exemplo, vem sendo testado para medir reações de clientes e potenciais clientes. No futuro próximo, esse tipo de expediente poderá ser utilizado para avaliar e medir o grau de satisfação dos trabalhadores de uma empresa, já imaginou se esta tendência de RH começa a ser utilizada?

 

O segundo grupo de aplicação da inteligência artificial inclui os chamados bots. Esse tipo de inteligência realiza buscas e análises automatizadas em dados e informações hoje presentes na internet e nas redes internas das empresas. Tudo o que era feito manualmente em meses passou a levar segundos, e nada impede esse tipo de tecnologia de atingir a consulta em tempo real no futuro, para qualquer tipo de dado.

 

Além disso, não podemos deixar de falar da automatização e robotização de processos manuais tais como a gestão de saúde para trabalhos de risco. Hoje feitos, na grande maioria, de forma manual, com perdas grandes de horas produzidas para deslocamentos até área ambulatorial podem e passam a ser realizados por automatização e robotização. Tal ação traz a organização agilidade no processo, evita deslocamentos desnecessários do

local de trabalho até o ambulatório. Isso porque o equipamento é instalado no local de trabalho, as aferições de pressão arterial por exemplo são feitas por equipamentos sem intervenção humana no ambiente ou próximo ao local do trabalho. Veja aqui um desses equipamentos, o Safety.

3- Atraia as pessoas certas

A entrevista baseada em competências tornou-se prática no ano 2000 e sua dominação continuou até hoje, para a maioria das organizações. Depois de muitas análises e testes, as empresas começaram a perceber que o ideal é focar em contratar pessoas que entendam o negócio, a cultura e os valores da empresa, além das habilidades específicas.

 

Muitas vezes nos concentramos em habilidades e experiências, e deixamos de lado questões comportamentais que dizem muito sobre os valores que o candidato têm e quais são suas preferências em um ambiente de trabalho.

 

E você, já está aplicando alguma das tendências de recursos humanos em sua empresa? Ou pensa em adotar uma delas? Conta pra gente! Até a próxima!

Como ter uma gestão de recursos humanos de excelência

Você sabe o que é Gestão de Recursos Humanos e qual o papel que ele desempenha em uma instituição? Folha de pagamento, leis trabalhistas e contratação de demissão de funcionários são apenas algumas atividades exercidas por um profissional de recursos humanos. Como ter uma gestão de recursos humanos efetiva? Bem, primeiro você precisa saber que o papel da gestão de RH vai muito além dessas atividades mencionadas.

 

Um departamento de gestão de recursos humanos é responsável por gerenciar o capital humano com o negócio, garantindo que empresa e funcionários atinjam seus objetivos. Então, como ter uma gestão de recursos humanos de excelência? Bem, com o uso de algumas técnicas, o RH consegue gerenciar as relações humanas em uma empresa de maneira bastante saudável. Os objetivos dos funcionários e do negócio são considerados e o RH trabalha para assegurar um ambiente corporativo agradável e motivador.

Qual a importância de ter uma gestão de RH efetiva?

Antes de saber como ter uma gestão de recursos humanos eficaz em sua empresa, é importante entender qual a importância desta gestão.

 

Para o pleno funcionamento da organização, é importante que todas as suas áreas atuem de forma satisfatória. Não basta apenas o setor de vendas ou de marketing está a todo vapor, afinal, o marketing impulsiona o sucesso do negócio, mas a gestão de recursos humanos mantém os níveis de produção elevados.

 

Para isso, o RH cria iniciativas que demonstram o valor que cada profissional tem para a empresa. Uma organização preocupada com a sua gestão em RH, conserva os seus funcionários mais entusiasmados e envolvidos com o trabalho. Dessa maneira, você terá certeza de que cada pessoa está dando o máximo de si a fim de atingir os objetivos corporativos e as metas estratégicas da empresa.

O que faz um gestor de recursos humanos?

 

Além das tarefas cotidianas, o gestor de RH tem outras responsabilidades que são fundamentais para o negócio progredir e ter resultados. Conheça as outras atividades desempenhadas por um gestor de RH:

 

  • Cumprimento das legislações trabalhistas;
  • Gerenciamento do clima organizacional;
  • Recrutamento e seleção de novos funcionários;
  • Treinamento e desenvolvimento de colaboradores;
  • Definição de cargos e salários da empresa;
  • Criação de programas de incentivo;
  • Estruturação de processos burocráticos;
  • Gerenciamento de conflitos.

Como ter uma gestão de recursos humanos de sucesso?

Agora que você já sabe o que faz um profissional de RH e porque ele é importante em sua empresa, chegou a hora de saber como ter uma gestão de recursos humanos de sucesso. Existem diversas práticas e políticas que fazem parte da gestão de recursos humanos e, por isso, devem ser implantadas em todas as empresas. Confira agora as principais:

 

  • Prepare a liderança

A escolha e prepare bem a sua liderança. O líder exerce grande influência sobre o rendimento e o grau de motivação dos seus colaboradores. Então, é fundamental investir no desenvolvimento de novas lideranças capazes de conduzir, orientar, ensinar e principalmente inspirar a equipe.

 

As análises de perfil comportamental são bastante úteis na fase de identificação e as avaliações de desempenho servem para confirmar os potenciais. Esse líder é definido por sua atitude positiva, que demonstra bom humor, cordialidade, otimismo e firmeza de propósito.

  • Processos seletivos

Uma boa gestão de recursos humanos passa primeiramente por um bom processo de admissão. Ter boas ideias sem ter quem as execute de maneira correta é frustrante, certo? Por isso, é essencial acertar nas contratações construindo um perfil ideal para suas vagas.

 

Quando processos de contratação são mal feitos, as chances de a taxa de rotatividade aumentar são muito grandes, influenciando completamente na constância de resultados da empresa.

O papel da gestão de recursos humanos nos processos de admissão é fundamental. Gestores e profissionais de RH tem a responsabilidade de traçar o perfil certo para escolherem a pessoa certa, minimizando assim as chances de erros.

  • Saiba qual é o perfil de cada funcionário

Uma vez contratado o funcionário, é importante saber quais são suas qualidades e defeitos que influenciam dentro da organização. A ideia é incentivá-lo a contribuir da melhor maneira possível para o negócio. Sabendo qual é o perfil do profissional, será mais fácil adequá-lo ao posto mais coerente às suas qualidades.

 

  • Treinamento

Quando o líder conhece a fundo sua equipe, consegue elaborar treinamentos com mais efetividade. Mas, é preciso lembrar que todo programa de capacitação deve estar inserido nas necessidades reais da empresa.

 

Além disso, é importante considerar as competências mais exigidas no dia a dia das equipes, como negociação, persistência e cooperação. Assim, é possível elaborar uma proposta personalizada, que já se mostrou muito mais eficiente que os modelos mais abrangentes.

 

  • Crie um ambiente agradável

Priorizar o clima da equipe em relação ao trabalho é uma das prioridades da gestão de recursos humanos. Criar um bom clima organizacional estimula os colaboradores a se dedicarem mais ao trabalho e a lutarem juntos pelos objetivos.

 

Quando o ambiente é bem estruturado para que os colaboradores se desenvolvam e coloquem suas habilidades na execução das tarefas, os resultados aparecem constantemente.

 

  • Invista em um sistema de gestão

Estar por dentro das novidades do mercado tecnológico é a melhor maneira de manter-se atualizado em relação a otimização dos processos e construção de uma cultura organizacional sólida.

 

Um sistema de RH eficaz não só transforma a empresa no mercado, deixando-a mais competitiva, mas também contribui com os processos burocráticos do dia a dia.

 

Viu como ter uma gestão de recursos humanos de excelência é importante? Você já conhecia as tarefas desempenhadas pelo RH apresentadas aqui? Deixe seu comentário e compartilhe nosso artigo em suas redes sociais.

 

Ah, e não esqueça de conhecer nossas soluções para gestão de pessoas clicando aqui!

Até a próxima.

O que é medicina preventiva e porque isso é tão importante

Este artigo é para você que não sabe o que é a medicina preventiva e precisa entender qual a sua importância no meio em que vivemos. A medicina preventiva é uma especialidade médica que vem conquistando um grande espaço. É uma especialização da medicina, que tem como objetivo prevenir doenças ou lesões, no lugar de curá-las ou tratar seus sintomas, buscando melhorar a qualidade de vida de seus usuários. Como se sabe, a grande maioria destas doenças possui um melhor prognóstico quando detectadas precocemente.

 

O profissional da medicina preventiva analisa as condições gerais de saúde do paciente, diminuindo gastos com medicamentos e elevando a produtividade. Também são responsáveis em educar a população em relação à mudança de hábitos. Isso inclui programas de atividade física ou emagrecimento, promoção de princípios de vida saudável, exames periódicos de colesterol, diabetes, câncer etc.

 

Sendo assim, é necessário que as pessoas se conscientizem da importância da visita regular ao médico, ainda que se sintam saudáveis. O médico nas consultas de rotina pode detectar alguns sinais suspeitos ou sintomas característicos de uma doença e desencadear uma investigação mais aprofundada. Daí a necessidade de realizar, com alguma regularidade, exames de rotina ou rastreios de determinadas doenças.

O que é medicina preventiva e como funciona

Para entender o que é medicina preventiva, é necessário conhecer as quatro partes em que ela é subdividida:

 

  1. Prevenção primária: evita a doença desde o período de gestação da mãe.
  2. Prevenção secundária: trata de doenças em seu estágio inicial, evitando sua evolução. O tratamento é feito utilizando métodos de diagnóstico.
  3. Prevenção terciária: usa métodos que diminuem os sintomas da doença, diminuindo complicações e restabelecendo as funções normais do organismo.
  4. Prevenção quaternária: utiliza métodos que evitam ou minimizam resultados de intervenções desnecessárias ou excessivas no sistema de saúde.

 

Leia também: Tudo sobre o eSocial 2019 e as regras para segurança do trabalho

Saiba quais são os diferentes níveis de classificação

A saúde preventiva pode ser dividida em duas áreas principais: a área ocupacional e a área da saúde suplementar, que envolve a utilização do convênio e de outras pessoas da empresa que não são os funcionários diretos.

Saúde ocupacional – Dentro da área de saúde ocupacional, é analisado diretamente a relação entre o estado de saúde do colaborador e os riscos a que ele está exposto dentro da empresa.

Nesse contexto, a saúde preventiva é importante para antecipar e reconhecer problemas setorizados, relacionados aos postos ou processos de trabalho. Situações individualizadas que possam ocasionar uma perda em recursos humanos e financeira para a empresa no futuro também podem ser facilmente reconhecidas mediante um detalhado exame periódico.

Saúde suplementar – Dentro da saúde suplementar, seu objetivo é antecipar diagnósticos e modificar hábitos e condições de vida. Isso evita que as pessoas adoeçam a médio e longo prazo, o que pode onerar muito o plano de saúde da empresa.

Como colocar em prática um plano de medicina preventiva?

Agora que você já sabe o que é medicina preventiva e como ela funciona, entenda como implantar um plano de medicina preventiva em sua empresa.

 

Primeiro passo, faça um levantamento do perfil epidemiológico da instituição. Através deste questionário, você reúne todas as informações necessárias sobre a saúde dos seus colaboradores.  Essa etapa é muito importante para que as ações planejadas sejam bem direcionadas e assertivas.

 

Agora, com as análises em mãos, o gestor pode, aos poucos, colocar as ações em prática. Quando o primeiro e o segundo passo são bem planejados, as chances de os resultados do programa empresarial de medicina preventiva serem positivos aumentam consideravelmente. Neste artigo sobre “Como ter uma medicina preventiva efetiva em 3 passos” falamos a fundo sobre o que é medicina preventiva e como ter um plano de sucesso implantado em sua empresa, vale a pena a leitura.

Como os colaboradores são impactados através de uma medicina preventiva efetiva?

A decisão de implantar a saúde preventiva é importante, pois a empresa consegue ver os resultados em sua equipe. Com a saúde em dia, os colaboradores têm maior qualidade de vida e, com isso, faltam menos ao trabalho. Uma boa alternativa é implementar programas como a ginástica laboral, os cuidados com os riscos de acidente de trabalho, a diminuição do estresse e programas de reeducação alimentar.

 

Assim, com a boa saúde, os colaboradores se sentirão mais motivados, melhorarão a produtividade, se sentirão mais seguros em realizar as tarefas e terão orgulho de pertencer a empresa em que trabalham.

 

Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Planos de Saúde, informou que em 2017 as despesas assistenciais somaram mais de 156 bilhões, 15,4% a mais do que o ano anterior. Assustador, né? Ajude a mudar este cenário, e invista em planos de medicina preventiva. Quanto mais gestores investirem em ações de Medicina Preventiva, mais os custos em medicina assistencial serão reduzidos. Além disso, os trabalhadores terão mais saúde, produtividade e motivação.

 

Gostou do artigo? Não esqueça de compartilhar em suas redes sociais. Até logo!

 

Informações: Globo News, Jornal Bom Dia, SESC SP

 

Como fazer um plano de gestão de segurança do trabalho

A globalização dos mercados em geral tem aumentado consideravelmente a competitividade mundial, o que impõe às organizações a contínua busca por novas ferramentas de gestão que possam auxiliar na melhoria de seus processos, e o Plano de Gestão de Segurança do Trabalho é uma destas ferramentas.

 

Mas, antes de tudo: você sabe qual a função de plano de gestão de trabalho? Bem, a gestão da Segurança e Saúde no Trabalho (SST) reduz os riscos de acidentes, promove a saúde e a satisfação dos colaboradores, melhora os resultados operacionais e a imagem das empresas criando novas oportunidades de crescimento.

 

Sendo assim, o bom desenvolvimento e aplicação do Plano de Gestão de Segurança e Trabalho é decisivo para as empresas e, por isso, hoje vamos te dar dicas valiosas sobre como fazer um Plano de Gestão de Segurança do Trabalho e como acompanhar as suas ações ao longo da sua implementação. Continue a leitura:

Porque ter um Plano de Gestão de Segurança do Trabalho?

A resposta para esta pergunta é simples:  empresa segura, funcionários satisfeitos. Mas, para um bom planejamento dar certo, ele precisa andar junto com segurança. Isso porque, quando se sabe como um acidente acontece, um plano para as medidas preventivas de segurança é muito eficaz. Um planejamento focado em estratégias de segurança dos colaboradores é o ponto de partida para reduzir o risco de acidentes.

 

Para isso, comissões como a CIPA, identificam, avaliam, controlam e sugerem ações com o objetivo de prevenir e proteger os colaboradores que estão expostos aos riscos cotidianos. E, com esse tipo de gestão, com regras e normas de segurança do trabalho seguidas à risca, é possível evitar ocorrências na sua empresa.

 

E os benefícios em ter um Plano de Gestão de Segurança do Trabalho não param por aí. Com os resultados do investimento em um plano efetivo, você terá menores gastos com afastamentos, indenizações por acidentes de trabalho, treinamento de funcionários substitutos, aumento de engajamento das equipes com a função exercida, produção mais eficiente e fortalecimento da sua instituição diante do mercado.

 

Veja a seguir alguns dados interessantes sobre instituições que adotaram um Plano de Gestão de Segurança do Trabalho, segundo uma pesquisa realizada pelo SESI em 2016:

  • 48% dos gestores verificaram que esses investimentos geraram redução nas faltas ao trabalho,
  • 43,6% deles constataram aumento da produtividade no chão de fábrica e
  • 34,8% apontaram redução de custos com a saúde dos trabalhadores

 

Leia mais: Como melhorar a segurança do trabalho

 

Como fazer um Plano de Gestão de Segurança do Trabalho?

Primeiro, é necessário que um estudo sejam feito a fim de levantar as necessidades do ambiente de cada instituição. Cada ambiente de trabalho possui uma necessidade diferente, por isso, é importante se basear em métodos já aplicados anteriormente, como a Pirâmide de Frank Bird, que demonstra como a insegurança se inicia.

 

A Pirâmide de Bird surgiu na década de 60, nos Estados Unidos, para auxiliar os gestores a criar condições mais propícias e seguras de trabalho. Bird desenvolveu um método capaz de mensurar e qualificar os riscos laborais e, assim, diagnosticar previamente qualquer tipo de acidente, impedindo processos judiciais, multas, interdições e outros inconvenientes que assustam qualquer gestor.

 

Entre os anos de 1959 e 1966, Frank Bird dedicava-se a uma avaliação chamada Damage Control (Controle de Danos), na qual ele conversou com diversos gestores até reunir informações sobre 90 mil intercorrências.

Esse exame ajudou o pesquisador a construir os alicerces necessários para que ele elaborasse, a doutrina que ficou conhecida como a Pirâmide de Bird. Depois disso, ele fez associações entre os dados e descobriu uma escala que relacionava tanto a periodicidade das emergências como a severidade de seus resultados.

Assim, ele chegou à proporção 1:10:30:600, utilizada na Pirâmide que leva seu sobrenome. Cada número representa uma informação diferente sobre as sequelas desses acidentes indesejáveis. Perceba que a sequência segue uma ordem crescente da esquerda para direita e de cima para baixo, ou seja, do topo para a base dessa figura geométrica. Veja:

1: número de mortes;
10: danos físicos leves;
30: danos materiais;
600: incidentes amenos.

 

Leia mais: Como ter uma medicina preventiva em três passos

Com isso, Frank Bird concluir que é fundamental conhecer a fundo as ocorrências de cada organização para elaboração de um Plano de Gestão de Segurança do Trabalho, controlando os incidentes de base, evitando o temido efeito dominó.

 

Abaixo, selecionamos alguns pontos indispensáveis que devem ser levados em conta para um bom Plano de Gestão de Segurança do Trabalho, confira:

 

Identifique as incorreções: quando uma determinada atividade é realizada de forma diferente do que a habitual, o colaborador pode se expor a riscos desnecessários. Por isso, produza manuais de como proceder com as máquinas, com as operações, com os equipamentos de proteção obrigatórios e com as rotas de fuga.

 

Detecte a gravidade do perigo: identificar e mapear os riscos existentes em cada atividade desenvolvida dentro da instituição, facilita que o procedimento seja redesenhado e a busca por novas formas de atuação seja realizada. Para isso, é importante manter  sempre a fluidez na comunicação entre todos os níveis e registrar todas as informações possíveis sobre os acontecimentos;

 

Gravidade: Identificar o grau de severidade de cada ação ou situação de risco. Para auxiliar, faça palestras com casos famosos de contingências operacionais;

 

Exposição: determina o tempo em que o empregado fica exposto às situações que trazem ameaça.

 

Probabilidade: Analise as chance de um perigo culminar em sequelas nocivas.

 

Risco: é a possibilidade de um perigo gerar malefícios levando em consideração todos os fatores já mencionados.

Entendido os fatores que precisamos analisar, é importante saber que cada instituição precisa construir o seu próprio Plano de Gestão de Segurança do Trabalho, tendo em vista que este desenvolvimento está ligado diretamente com o tipo de atividade desempenhada por cada uma.

Independente da atividade ou do tamanho da empresa, é necessário estabelecer uma cultura de prudência e bom senso entre os colaboradores e gestores. Criar parâmetros de tolerância aos ricos e um calendário de ações para a segurança do trabalho, com foco nas intercorrências mais comuns do seu negócio, é fundamental. Com este tipo de trabalho, nenhum acidente ficará de lado, seja ele grande ou pequeno.

 

É importante ter um Plano de Gestão de Segurança do Trabalho seguro, com metas e estratégias a serem aplicadas na rotina da sua instituição, afinal, reduzir os números de acidentes do trabalho é sua responsabilidade, certo?

 

 

Informações: Portal da Industria, SENAC, Healthy Workplace

Como funciona um relógio de ponto digital? Saiba tudo aqui

Antes de entender como funciona um relógio de ponto digital, queremos te dizer sobre a importância em ter este sistema na sua empresa, e quais os seus benefícios.

 

De acordo com o Ministério do Trabalho, empresas com até dez colaboradores não precisam utilizar nenhum sistema de ponto eletrônico, porém, vale lembrar que mesmo com poucos funcionários, esta ferramenta auxilia muito na automatização do controle de horas trabalhadas da equipe e pode evitar ações trabalhistas. Caso você tenha uma empresa pequena, sugerimos que entenda como funciona um relógio de ponto digital e inclua esta ferramenta em sua lista de aquisições futuras.

 

Para as empresas com quantidade superior a 10 funcionários, a legislação brasileira determina o uso do ponto eletrônico e sugere que sejam utilizados apenas aparelhos homologados pelo Ministério do Trabalho. O objetivo principal do governo é evitar fraudes e garantir os direitos do trabalhador e, por isso, entender como funciona um relógio de ponto digital é fundamental para evitar multas e futuros problemas com o MTE.

 

Leia também: Como ganhar agilidade e economizar com Terminais de Autoatendimento

 

Tenha muita atenção: coloque em prática a implementação do ponto eletrônico na sua empresa o quanto antes. A fiscalização do governo tem aumentado exponencialmente e a prevenção é a melhor maneira de evitar penalidades judiciais.

O que é o ponto eletrônico?

Como o próprio nome diz, ponto eletrônico é todo sistema que possibilita a fiscalização dos dados armazenados nos respectivos terminais. Os equipamentos que são homologados pelo Ministério do Trabalho possuem entrada USB, exigência que deve ser cumprida para facilitar a baixa de todos os dados de maneira rápida pelo fiscal. O MAIS IMPORTANTE E RELEVANTE EM UM PONTO ELETRONICO NÃO É SÓ A USB PARA FISCAL, MAS A MRP – MEMÓRIA DE REGISTROS PERMANENTES

Os equipamentos também devem possuir um software específico e garantir que os quatro comprovantes necessários sejam impressos diariamente. Esses comprovantes se referem a entrada e saída dos colaboradores no começo e fim do expediente, assim como saída e retorno do horário de almoço. Além de possibilitar que horas extras sejam contabilizadas.

Controle de ponto manual, mecânico ou digital?

Muito já se ouviu falar em registros de pontos manuais, onde o funcionário é responsável por preencher um livro de ponto com os seus horários de entrada e saída. Esta opção pode até ser a maneira mais barata de gerir a sua equipe, mas, com certeza, é a mais trabalhosa e a que pode trazer mais problemas para o empreendedor.

Investir em um relógio de ponto digital pode poupar a empresa de alguns prejuízos, inclusive legais, no caso de algum erro que ocorra pelo registro incorreto do ponto, ou até da fiscalização na hora de analisar um volume muito grande de tabelas e dados.

O ponto mecânico é o famoso “bater cartão”. Nesta opção, o trabalhador insere o seu cartão de ponto no relógio que por sua vez, imprime o horário de entrada e saída. Apesar de ser um pouco mais prático do que registrar os horários manualmente, com o relógio de ponto mecânico ainda é preciso fazer cálculos e verificações de horas trabalhadas, horas extras e ausências de forma manual.

Tratando-se de segurança, essas duas modalidades são as que mais podem causar prejuízos a empresa, afinal, analisar, transcrever e reunir informações é um trabalho gigante e com alto risco de erros, falhas, fraudes e alterações. Em termos judiciais, esses dois tipos de registros podem dificultar a investigação ou até mesmo serem rejeitados como provas.

Sem contar que um controle de ponto com pouca eficiência, dificulta a fiscalização do Ministério do Trabalho, podendo causar autuações e problemas com a previdência, imposto de renda e FGTS.

 

Agora que já conhecemos o ponto manual e o ponto eletrônico, chegou a hora de conhecermos como funciona um relógio de ponto digital e quais são os seus benefícios. Um relógio de ponto automatizado não só aprimora e gestão de dados da instituição, mas também fornece segurança para ambos os lados. Este tipo de controle evita a possibilidade de fraudes ou alterações de informações referentes a jornada de trabalho.

Os registros de ponto digital possuem todas as funções do relógio de ponto tradicional, somadas às novidades de interação com softwares, aplicativos e diversos dispositivos. O relógio de ponto digital realiza a identificação do usuário através de leitura biométrica, cartão de proximidade ou senha, e registra os horários de saída e entrada, imprimindo também um comprovante de cada acionamento.

 

Os benefícios da utilização são inúmeros, por isso, você precisa saber como funciona um relógio de ponto digital. Características como aumento da confiança entre empregados e funcionário, rapidez no processamento de dados por parte da equipe de RH e maior senso de confiança fazem parte deste sistema. Tudo isso aliados a evidências precisas das horas de trabalho, assegurando ambas as partes em disputas trabalhistas.

 

Como funciona um relógio de ponto digital?

 

Vamos usar como exemplo o sistema W-PE, é referência nacional quando se trata de software para tratamento de ponto eletrônico digital. Nesse sistema conseguimos apurar e controlar as horas trabalhadas e exceções (faltas, atrasos, extras, saídas intermediárias, etc.), até o controle de acesso às instalações da empresa.

 

Leia também: Tudo sobre o eSocial 2019 e as regras para segurança do trabalho

 

As marcações poderão ser digitadas e/ou importadas de qualquer coletor eletrônico, desde que geradas em arquivo texto. O sistema também realiza o controle do Banco de Horas, permitindo períodos distintos por colaborador. Outro recurso importante é o “Script”, que adapta a apuração das horas a exceções estabelecidas por acordos coletivos, proporcionando total autonomia aos usuários. Além da emissão do Cartão Ponto também é possível exportar o movimento de horas para a Folha de Pagamento em arquivo texto.

Se você ainda tem alguma dúvida ou quer trazer a sua empresa para esta realidade, venha falar com a gente.  Com nossas soluções de ponto eletrônico, você tem à sua disposição o que há de mais moderno em tecnologia para gestão de pessoas. Tenha todas as informações em tempo real, atendendo a todo os requisitos do eSocial e MPE.

 

Se gostou deste artigo, não esqueça de compartilhar. Nos vemos em breve.

Qual catraca ou cancela escolher? Descubra a melhor para cada caso

É cada vez mais necessário controlar a entrada e saída das pessoas de determinados ambientes, garantindo assim a segurança dos indivíduos, o sigilo das informações e a integridade dos bens. Seja através de catraca ou outros métodos, contar com sistemas de segurança efetivos é essencial, afinal manter um profissional 100% do tempo responsável por isso não é o mais indicado.

 

Leia também: Como controlar o ponto de funcionários externos de forma fácil e efetiva

 

Hoje a tecnologia oferece diversos recursos eficientes para fazer o monitoramento de acesso, sem complicação e de forma simplificada. Assim, conseguimos garantir a entrada de pessoas autorizadas e bloquear os que não tem autorização, além de implementar níveis diferentes de acesso para cada pessoa. Paralelo a isso, conseguimos ainda ter informações atualizadas sobre o número de pessoas e horários de maior movimento, facilitando a elaboração de uma estratégica eficiente.

 

Atualmente o mercado disponibiliza opções diferenciadas para a gestão de controle de acesso de pessoas. Para entender quais são as melhores opções para cada negócio, é importante conhecer a fundo quais são os tipos de tecnologia disponíveis.

 

O controle de acesso é classificado de duas maneiras, conheça:

Controle de acesso Físico

O tipo de controle físico é utilizado com o objetivo de gerenciar o fluxo de pessoas em um ambiente que é, normalmente, gerenciado por um profissional. É composto por uma barreira física como uma parede, muro ou cerca e conta com mais pontos de entrada, controlados por meios mecânicos como catracas e cancelas.

 

Este tipo de controle de acesso é utilizado com bastante frequência em edifícios comerciais e residenciais, salas, empresas, áreas internas e eventos. O controle físico se caracteriza pela necessidade de compra de equipamentos e treinamento de profissionais para administrar os recursos adquiridos.

 

Controle de acesso lógico

O controle lógico é ligado a tecnologia utilizada para liberar o acesso aos ambientes. Isso se dá através de leitura biométrica, reconhecimento facial, senhas e números de acesso, etc. Neste caso, a pessoa precisa estar cadastrada previamente no sistema de segurança para ter livre acesso aos ambientes monitorados.

 

Se você está procurando por uma forma eficiente para gerir a circulação de pessoas no ambiente e, ao mesmo tempo, liberar acesso em níveis diferentes, continue lendo este post.

Existem diversas formas de controlar o acesso de pessoas. Conheça abaixo quais são as opções e qual se enquadra melhor dentro do seu negócio:

Catracas

As catracas são sistemas utilizados para controlar o acesso físico de pessoas aos ambientes, permitindo a entrada de apenas uma pessoa por vez. Estes dispositivos oferecem a função de bloquear o acesso de pessoas que não foram autorizadas a entrar no ambiente.

 

Normalmente, são utilizadas para gerir o trânsito de pessoas em recepções e, geralmente, combinadas com a atuação de um profissional responsável pela liberação da entrada de visitantes e fornecedores. As catracas podem ser utilizadas também em ambientes internos, para efetuar uma contagem mais precisa de acessos ou acompanhar a movimentação de indivíduos no ambiente.

 

Esse tipo de sistema é recomendado para locais que precisam de nível médio de segurança e

Existe a necessidade de fazer a gestão de acesso.

 

Estes equipamentos geralmente controlam o acesso de pessoas por meio de tecnologias como biometria e código de barras. Ainda que menos difundido, podem liberar o acesso por leitura biométrica da mão, reconhecimento de íris e facial.

 

Leia também: Tudo o que você precisa saber sobre o eSocial

 

Conheça os tipos de catracas disponíveis no mercado

Catraca Flap

Este tipo de catraca permite mais comodidade ao acesso de pessoas. Normalmente é utilizada em ambientes que precisam de um toque de sofisticação, devido a sua anatomia.

Catraca Torniquete

Este é um tipo de catraca que oferece mais segurança na gestão de pessoas. A sua anatomia robusta oferece mais impacto e resistência.

Catraca Pedestal

Se o ambiente que você precisa controlar é pequeno, esta é uma excelente opção de catraca.

Geralmente em aço inoxidável, ideal para espaços pequenos e que precisam de um pouco de sofisticação.

Catraca Balcão

Esta catraca oferece um design mais moderno em relação às outras opções e se encaixam perfeitamente em ambientes mais requintados. Excelente opção para lugares amplos e com grande fluxo de pessoas.

 

Cancela

A cancela é composta normalmente por um totem de leitura de identificação, que por sua vez ativa ou não a abertura da cancela. Ela tem a função de controlar a entrada e saída de veículos. É um dos principais sistemas utilizados nos estacionamentos de shoppings, mercados, condomínios e academias devido ao fato de permitir um controle eficiente com rápida ativação.

 

Vale lembrar que todos os ambientes que possuem controle de acesso devem oferecem também uma opção de acesso para pessoas com necessidades especiais, para facilitar a acessibilidade, oferecendo conforto e segurança para todos.

 

Agora que você conhece todos os sistemas de gestão de controle de acesso, ficou mais fácil identificar quais são as necessidades do seu negócio e fazer a escolha correta, certo? Nós da Teleworld trabalhamos com diversas opções de controle de acesso e podemos auxiliar na melhor opção para o seu empreendimento. Entre em contato conosco, seja qual for a sua demanda nós temos a solução ideal para você.

Ah, e não esqueça de compartilhar esse post nas suas redes sociais! Até logo.

Tudo o que você precisar sobre o eSocial está aqui

O governo vem buscando formas de modernizar as rotinas administrativas das empresas criando dezenas de novas regras e sistemas, com a finalidade de facilitar a entrega de informações por parte do empresário. Se você veio parar aqui, é porque tem interesse em saber como o eSocial pode alterar a sua rotina e quais são os seus benefícios, não é mesmo?

 

A seguir, vamos falar um pouco sobre as informações mais importantes desta ferramenta e todos os dados que você precisa compartilhar na sua gestão. Afinal, desde o dia 1º de julho de 2018 o eSocial é obrigatório e você precisa entender com detalhes todos os impactos que a sua empresa terá. As mudanças principais ocorreram em janeiro, então é possível que muitos já estejam por dentro de algumas características. Mas julho e agosto serão decisivos, pois, o que era opcional será obrigatório e você, gestor, precisa se inteirar de todos os detalhes. Vamos lá?

 

O que é eSocial?

 

O eSocial é um sistema que reunirá informações relacionadas a obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais, obrigatório para todas as empresas registradas no Brasil a partir deste mês. A plataforma foi desenvolvida em ação conjunta da Receita Federal, Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Ministério do Trabalho e Caixa Econômica Federal com o objetivo de facilitar a comunicação entre empregadores e o governo, no que se refere aos vínculos trabalhistas e a vida laboral dos funcionários.

 

O eSocial será responsável por unificar o envio das informações referentes aos trabalhadores das empresas. Com a total implantação do eSocial, os profissionais de RH farão em um único envio todas as informações relevantes para CAGED, GFIP, RAIS, etc. Resumindo, podemos afirmar que a plataforma será como uma folha de pagamento digital.

 

No projeto, está incluso também a entrega de todas as declarações, resumos para recolhimento de tributos ligados à relação trabalhista e previdenciária, bem como informações importantes sobre o contrato de trabalho. Além de controlar com mais eficiência as informações sobre a saúde e segurança do trabalhador. Com essas medidas aplicadas, se espera garantir aos trabalhadores o correto cumprimento das leis previdenciárias e trabalhistas.

 

Cronograma de Implementação

 

Como falamos anteriormente, o eSocial começou a ser desenvolvido em 2014, porém o uso por parte das empresas ainda não era obrigatório. Atualmente, um cronograma de adaptação e implementação foi disponibilizado, confira:

 

  • A partir de 1º de janeiro de 2018: para as empresas cujo faturamento apurado no ano de 2016 tenha sido superior a R$ 78 milhões.
  • A partir de 1º de julho de 2018: para todos os demais empregadores.

 

Fique atento ao calendário, pois é preciso estar adaptado o mais rápido possível para não sofrer com a implementação do projeto.

O que muda com o eSocial?

Todos os dias os profissionais de RH terão que atualizar o sistema do eSocial. Após o envio, o sistema da Receita Federal validará as informações e emitirá um número de protocolo referente a atualização. Com o eSocial a lei atual não é alterada, ou seja, os envios dos dados deverão obedecer ao prazo determinado na legislação de 7 dias corridos. Caso a empresa não cumpra com esse prazo, poderá haver penalidade e aplicação de multas. Fique atento.

 

Leia também: Tenha uma medicina preventiva efetiva em 3 passos.

O que precisa conter o eSocial?

Sabemos que a folha de pagamento é obrigatória, mas, quais são os outros documentos que precisam constar dentro do eSocial? Confira:

  • Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED)
  • Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social (GFIP)
  • Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)
  • Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT)
  • Livro de Registro de Empregados (LRE)
  • Relação Anual de Informações Sociais (RAIS)
  • Comunicação de Dispensa (CD)
  • Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP)
  • Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF)
  • Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte (DIRF)
  • Quadro de Horário de Trabalho (QHT)
  • Manual Normativo de Arquivos Digitais (MANAD)
  • Guia da Previdência Social (GPS)
  • Guia de Recolhimento do FGTS (GRF)

 

Vale ressaltar que algumas informações extras serão solicitadas, como por exemplo, se o colaborador já possui imóvel e se utilizou o FGTS para aquisição do mesmo. Este tipo de informação ajuda a compor dados estatísticos de cada um.

 

Prazo e multas para entrega de documentos

Um resumo das penalidades mais relevantes e que ocorrem com mais frequência dentro do cenário empreendedor. Lembrando que os valores de multas poderão ser alterados conforme a disponibilidade dos órgãos em questão.

 

Férias

Deverão ser comunicadas ao departamento pessoal e ao empregado com 30 dias de antecedência a data prevista para saída. A não comunicação das férias pode geral multa de R$170,00. Essa exigência ainda está em implementação.

 

FGTS

Multas de R$10,64 a R$ 106 por empregado, caso a empresa não efetuar o depósito ou o fazer após o prazo de notificação.

 

Admissão
O empregado deverá ser informado da sua admissão com um dia de antecedência, podendo gerar multas de R$3.000 a R$6.000 em casa de reincidência, e R$800,00 por cada empregado não registrado.

Alterações de contrato ou cadastro
Com a implantação do eSocial todas as informações dos empregados deverão estar atualizadas. Caso a empresa não cumpra, poderá ter como penalidade R$ 600,00 por empregado. Isso quando não forem informados os dados necessários para o seu registro ou falta de informação.

Comunicar Acidente de Trabalho (CAT)
O CAT deverá ser informado até o primeiro dia útil seguinte à ocorrência do acidente ou imediatamente em caso de falecimento do colaborador.


Exames médicos

É preciso realizar o Atestado de Saúde Ocupacional (ASO) antes que o empregado inicie suas atividades na empresa. Em alguns momentos específicos, como retorno ao trabalho, mudança de função, periódico e demissional também são necessárias a realização. O valor será determinado pelo fiscal do trabalho, e pode variar de R$ 402,53 a R$ 4.025,33.

 

Patrocinado: Quer saber como ter dados sobre Saúde dos funcionários de forma rápida e efetiva? Então clique aqui!

Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP)
É um documento obrigatório que reúne as informações de que os empregados ficarão expostos a agentes físicos, biológicos e químicos. A multa varia de acordo com o fiscal.

 

Afastamento
A empresa deverá comunicar imediatamente o afastamento de um funcionário. Caso não ocorra, a empresa poderá ter uma multa estipulada pelo fiscal do Ministério do Trabalho.

Benefícios do eSocial

“O programa amplia a capacidade de fiscalização do Estado e melhora a formulação de políticas públicas do país, já que o governo contará com uma informação única, consistente e de validade”, explica Altemir Linhares de Melo, assessor especial para o eSocial. Ele diz ainda que o eSocial está totalmente preparado para implantação e que a fase inicial foi uma maneira de garantir a adaptação das empresas ao projeto.
Leia também: O controle de Jornada com a Reforma Trabalhista

Para as empresas, o eSocial significa, além de tudo, organização. A centralização das informações em um só sistema proporciona mais rapidez e eficiência na prestação de contas. Inicialmente o processo acaba sendo mais trabalhoso, mas a tendência é que a entrega das obrigações seja simplificada.

 

Para o Governo, o maior benefício é a agilidade na fiscalização das informações, dificultando a vida das empresas que sonegam impostos ou que não estão em conformidade com as leis previstas. Claro que o aumento da fiscalização impacta diretamente no aumento de arrecadação de tributos.

 

Os trabalhadores também serão beneficiados, pois terão maior garantia em relação aos seus direitos e transparência sobre o seu contrato atual de trabalho.

 

Dica Extra

 

Muitas empresas ainda usam o Relógio Ponto off-line. Se a sua organização trabalha dessa forma, uma pessoa precisará extrair os dados do ponto, digitalizar e enviar para o sistema do eSocial. Já com Ponto Eletrônico, as informações podem ser disponibilizadas em tempo real, sem falhas e risco de multas. Essa é uma questão muito importante, pois algumas informações precisam ser enviadas diariamente e em caso de erro, a empresa pode sofrer multas. Precisando de orçamento para Ponto Eletrônico, entre em contato por aqui!

 

eSocial 2019: Segurança do Trabalho

 

Em 2019 as empresas ainda precisarão fornecer dados sobre a saúde de funcionários que trabalham em determinadas atividade. O número de eventos a serem informados ao eSocial na Saúde e Segurança do Trabalho são 3: S-1060, S-2220 e S-2240. Mas detalharemos esse assunto em um próximo post, pois ele rende um texto só para ele!

 

Concluindo

 

Por fim, o eSocial não representa nenhuma mudança nas leis trabalhistas, mas é preciso prestar atenção aos novos processos e estar atento a tantas novas exigências. Se ficou com alguma dúvida, não pense duas vezes: entre em contato com a gente por este link!

Até a próxima.