telemedicina

O que é Telemedicina e como aplicar nas empresas

A relação entre o médico e o paciente vem se transformando ao longo dos anos. Durante muito tempo, a medicina funcionou dentro de um mesmo padrão: o paciente agenda uma consulta, encaminha-se até o consultório e é atendido pelo médico. Entretanto, esse cenário tem se atualizado e passado por grandes mudanças por conta da revolução tecnológica. Hoje a maneira como os atendimentos são dados ocorrem das mais variadas formas, graças aos avanços da telemedicina. 

A Telemedicina surge com o objetivo de ampliar a oferta de serviços clínicos em situações em que profissionais da saúde e pacientes estão distantes um do outro. Você provavelmente já ouviu histórias de pessoas que se mudaram, mas, mesmo assim, quiseram manter algum tipo de atendimento à distância, não é? Uma das áreas que mais se usa das tecnologias para suas sessões é a da psicologia. Já há algum tempo terapeutas e psicólogos realizam seus atendimentos através de aplicativos de vídeo-chamada. 

Os avanços da tecnologia da informação e das telecomunicações revolucionam hábitos e trazem uma demanda diferente para a sociedade. No outro ponto, temos uma população com rotinas cada vez mais corridas e uma mobilidade urbana reduzida. Muitas vezes deslocar-se para um médico presencial significa um planejamento de horas de antecedência e posterior ao atendimento. Para isso, surge a telemedicina, um recurso que vem se consolidando no Brasil, trazendo mais acessibilidade e opções para se manter em dia com a saúde. Quer saber mais sobre a telemedicina e como ela pode ser aplicada na Gestão de Pessoas das empresas? Então continue lendo esse texto e confira! 

O que é telemedicina?

A gente já deu uma breve contextualizada sobre a telemedicina no início do texto. Mas mesmo assim, vale explicar a fundo o que é esse recurso que vem se popularizando. Do grego, “tele” significa distância. É exatamente isso que a telemedicina representa. Serviços são disponibilizados remotamente através da utilização de tecnologias modernas. A prática teve origem em Israel, em 1950, e é bastante aplicada nos Estados Unidos, Canadá e países da Europa. No início, poucos hospitais utilizavam televisões para chegar a pacientes em locais remotos. 

telemedicina

A telemedicina desde o seu início buscou facilitar cuidados com a saúde, através da assistência médica à distância para pacientes e auxílio aos profissionais da saúde, clínicas e hospitais. Isso rompe barreiras e possibilita aos médicos trocarem informações, podendo estar em diferentes lugares ao mesmo tempo. A telemedicina ultrapassa as barreiras de clínicas e consultórios, ampliando o acesso ao atendimento para variadas pessoas. 

Esses atendimentos através da telemedicina hoje ocorrem por meio de plataformas online de acesso pelo computador, tablet ou smartphone, garantindo uma elevada velocidade na troca de informações, além da facilidade de acesso. É claro que essa variedade de canais está em constante transformações, diariamente aumentando, graças aos avanços da Inteligência Artificial (IA). 

Leia também: Como chegar lá: segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas

Como funciona na prática?

Teleducação, emissão de laudos a distância e teleassistência são algumas das principais frentes da telemedicina, constituindo bons exemplos de como a modalidade funciona na prática. Hoje as instituições de saúde utilizam a telemedicina com diversos intuitos, desde a capacitação dos próprios profissionais da saúde, por meio de assistências e otimizações de procedimentos, até mesmo chegando ao atendimento e diagnóstico direto junto aos pacientes. 

telemedicina

Entenda melhor três áreas principais da telemedicina:

Teleassistência

Na teleassistência, o foco da comunicação está no paciente e no seu bem-estar. Por meio dela, o paciente passa a ser monitorado em seu próprio domicílio ou até mesmo no seu local de trabalho por um médico ou qualquer outro profissional da saúde, podendo inclusive esse monitoramento ser feito através de tecnologias que se comunicam com outros profissionais à distância. Assim, torna-se possível observar parâmetros clínicos e fisiológicos, para que desvios sejam detectados o mais rápido possível, antes que doenças se agravem. Você saberá um pouco mais sobre uma das tecnologias utilizadas no final desse texto. 

Teleducação

Uma das áreas da telemedicina mais aplicadas, a teleducação já é utilizada por diferentes setores, não apenas pela medicina. Na área da saúde, seu foco é na capacitação de profissionais que estão longe dos grandes centros urbanos ou de locais em que possam estar sendo dadas aulas ou palestras. Assim, torna-se possível manter os profissionais sempre atualizados e preparados para diversas situações da prática médica e clínica. São utilizadas videoconferências, aulas, palestras, e-learning e programas de reciclagem. 

Emissão de laudos à distância

Esse é um dos ramos da telemedicina que mais cresce no Brasil. Isso porque, por meio dessa tecnologia, o exame pode ser realizado em qualquer lugar e avaliado por especialistas conectados à internet, sem a necessidade de se deslocar aos consultórios para receber diagnósticos ou avaliações clínicas. O médico pode tanto encaminhar ao paciente exames a serem realizados, como também analisar os resultados. Isso gera uma redução de custos consideráveis em clínicas. 

Leia também: Passo a passo: projeto para segurança do trabalho

De que forma aplicar a Telemedicina nas empresas?

Você que leu até aqui provavelmente está se perguntando: “mas afinal, como utilizar a telemedicina na minha organização?Pois saiba que a Telemedicina e a segurança do trabalho formaram uma grande parceria e uma opção altamente lucrativa para as empresas. 

Por meio de soluções tecnológicas constantemente atualizadas, torna-se possível realizar o acompanhamento constante da saúde ocupacional dos funcionários, facilitando possíveis diagnósticos, além de poder concluir como está o desempenho de cada profissional. 

telemedicina

Aqui na TeleWorld trabalhamos com a balança multifuncional Safety Gestão de Saúde. A Safety disponibiliza resultados com precisão e rapidez, além de claro, melhorar a qualidade de vida dos colaboradores e ser uma excelente escolha para aplicar a Telemedicina na sua empresa. Todos conseguem ter via mobile ou em um computador informações sobre peso, altura, pressão arterial, batimentos cardíacos, índice de gordura e muito mais.

Quer saber mais sobre? Então entre em contato conosco e descubra agora mesmo como a Safety poderá integrar a Telemedicina à saúde dos seus colaboradores. 

Leia também: Saúde preventiva nas empresas: o que é e como ser eficiente

Se você gostou desse conteúdo, não deixe de compartilhar nas suas redes sociais e auxilie mais pessoas a compreenderem como funciona a Telemedicina e como ela pode beneficiar à Gestão de Saúde Corporativa.

Até a próxima!

depressão afeta a produtividade

Como a depressão afeta a produtividade nas empresas

Tristeza, falta de motivação e desânimo. Enfrentar o trânsito para chegar ao trabalho ou concluir uma tarefa torna-se um problema enorme. O que antes era prazeroso, hoje parece ser impossível de se executar. Boa parte da população mundial possui ou já teve depressão. A doença já é a 4ª de maior impacto mundial. Ou seja, uma das que mais afetam as pessoas. Em 2020, a estimativa é que ela passará a ocupar a 2ª colocação, perdendo apenas para as doenças cardíacas. Com esse cenário, é preciso compreender como a depressão afeta a produtividade e o que fazer para lidar com essa situação enquanto empresa. 

Muito além do individual, a depressão tem se transformado em uma questão de saúde pública, com fortes consequências socioeconômicas. Durante o Fórum Econômico Mundial de 2018, na Suíça, os participantes foram questionados: “seria a depressão o câncer do século 21? ”. A partir desta pergunta passaram a refletir sobre os impactos que a depressão tem no mundo como um todo. Apesar de muita gente ainda questionar a importância do debate em relação ao transtorno mental, é essencial ter em mente que a depressão, mesmo não sendo um tumor maligno, também pode levar a morte, causando consequências devastadoras, parecidas com as de diversos tipos de câncer do século 20. 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), entre 2005 e 2015 o número de pessoas com depressão aumentou 18,4%, correspondendo a 322 milhões de indivíduos, ou 4,4% da população da Terra. No Brasil, 5,8% dos habitantes, 11.5 milhões de pessoas – a maior taxa do continente latino-americano – sofrem com o problema.  Esses números mostram que a depressão está presente em diversos setores da sociedade, sejam eles econômicos, sociais ou privados, atingindo boa parte da população direta ou indiretamente. 

depressão afeta a produtividade

Isso faz com que o assunto tenha sido discutido em um evento global sobre economia e entre em pauta em diferentes ocasiões. Hoje, mais do que nunca, fica claro que a saúde mental deve ter atenção e ser tratada como a saúde física, sem preconceitos ou pré-julgamentos. Para isso, toda empresa precisa ter em seu consciente a compreensão de que a depressão afeta a produtividade, traçando ações de prevenção e para desmistificar este assunto, ainda muito cheio de tabus. Abaixo você confere um pouca mais sobre o que é e como a depressão afeta a produtividade no ambiente de trabalho.  

Leia também: Como desenvolver ações efetivas para melhorar a saúde mental nas empresas

O que é depressão e quais as suas possíveis causas?

Antes de entender como a depressão afeta a produtividade nas empresas, é importante, de uma vez por todas, saber algumas características da depressão. Segundo a OMS a depressão é um transtorno mental que pode ser categorizado como leve, moderado ou grave, a depender da intensidade dos sintomas. Alguns sintomas comuns de uma pessoa com depressão são: 

  • Mudanças no humor
  • Oscilações entre sentimento de culpa e baixa autoestima
  • Perda de interesse em realizar atividades cotidianas que antes eram prazerosas
  • Perda de libido
  • Distúrbios do sono ou de apetite
  • Pensamento de suicídio ou de causar danos a si mesmas

É claro que esses quadros variam de pessoas para pessoas, dependendo das características emocionais e de personalidade. A depressão é considerada hoje resultado de uma complexa interação entre fatores sociais, psicológicos e biológicos.  Falar sobre a causa da depressão é levar em conta diversas causas, muitas vezes difíceis de se enumerar. Não há um gatilho único que possa ocasionar a depressão e qualquer pessoa pode acabar desenvolvendo. Não é um sinal de fraqueza e nem há indivíduos específicos que irão desenvolver a depressão.

depressão afeta a produtividade

Entretanto, muitas vezes pessoas que passaram por eventos adversos durante a vida (desemprego, luto, trauma psicológico) acabam sendo mais propensas a desenvolverem depressão. Porém também é comum vermos relatos de casos em que a doença surgiu de maneira pontual, após um episódio grande de estresse ou de tristeza profunda, em que, mesmo depois da resolução do problema, o sentimento manteve e se desenvolveu para um quadro depressivo. 

Ainda existem depressões por conta da genética ou como consequência de disfunções hormonais, dependência de álcool ou drogas ilícitas, como também desenvolvidas após um quadro de doenças cardiovasculares, endocrinológicas, neurológicas, neoplasias entre outras. 

Leia também: O que é necessário para alcançar a produtividade na empresa?

Afinal, como a depressão afeta a produtividade no trabalho?

Sem dúvidas o ambiente de trabalho acaba sendo um dos pontos principais de atenção quando o assunto é depressão. Além da depressão afetar a produtividade dos colaboradores, situações adversas no âmbito trabalhista podem ter grande influência no quadro depressivo. Estresses cotidianos ou sobrecarga funcionais acabam sendo uma das possíveis causas da depressão relacionada ao ambiente profissional. 

depressão afeta a produtividade

Como colaborador, a depressão afeta a produtividade, a concentração, a dificuldade de entrega de tarefas, levando muitas vezes à exclusão em momentos de confraternização com outros colegas. Um dos principais pontos da depressão é essa dificuldade de socialização e execução das atividades cotidianas. Os profissionais com depressão costumam desenvolver algumas características semelhantes, como: 

  • atrasos e faltas frequentes,
  • dificuldade em reter e compreender informações
  • memória falha 
  • perda da capacidade de tomadas de decisões e posicionamento 

Como as empresas devem lidar com a depressão

O primeiro passo para proprietários, gestores e líderes de organizações empresariais, como também para os setores de Recursos Humanos, é compreender que a depressão como uma realidade e que seus funcionários podem tê-la ou desenvolvê-las a qualquer momento. Depressão não é preguiça, desinteresse pela empresa ou “frescura”, como muitos ainda acreditam ser. 

Respeite os colaboradores com depressão da mesma maneira que você respeita quem não tem, sem distinções de comportamento ou tratamento enquanto relação profissional. Esse é um dos maiores desafios. É comum vermos um relacionamento diferente quando se tratam de profissionais com depressão. Muitas vezes, inconscientemente, a empresa acaba não os valorizando ou dando menos oportunidades internas, impactando diretamente na produtividade. Não se deve nem tratar esses profissionais como especiais e nem como menos competentes que os demais

A empresa precisa estabelecer estratégias de diálogo com as mais diversas áreas, realizando treinamento e desenvolvimento de pessoas, com planos de ações que incluam assistência para colaboradores com depressão, além de informar como todos devem lidar com essas situações, através de palestras e cursos. Esse planejamento deve considerar uma avaliação geral do cenário atual da empresa, estudando o ambiente físico de trabalho e como ele pode impactar na qualidade de vida dos seus colaboradores. Se sua empresa ainda não realiza, é importante começar a fazer um levantamento constante do clima da organização, além do incentivo e prática de feedbacks. 

Em casos em que forem percebidos sintomas e quadros de depressão entre seus colaboradores, busque orientá-los a buscar apoios profissionais, muitas vezes a própria empresa pode incluir em seus investimentos parcerias com clínicas terapêuticas, psicólogos ou psiquiatras. 

Leia também: Saúde preventiva nas empresas: o que é e como ser eficiente

Esperamos ter lhe ajudado a compreender como a depressão afeta a produtividade e a importância da consciência coletiva sobre os impactos da doença seja no trabalho, como na vida cotidiana. É preciso respeito e atenção para que se consiga reverter esse aumento expressivo de casos. 

Compartilhe esse texto nas suas redes sociais e auxilie mais pessoas nessa conscientização!

melhorar a saúde mental

Como desenvolver ações efetivas para melhorar a saúde mental nas empresas

Você sabia que os transtornos comportamentais e de saúde mental já são a segunda causa de afastamento de trabalhadores no Brasil? Segundo dados da Previdência, nos últimos dez anos, a concessão de auxílio-doença e aposentadorias por conta de transtornos relacionadas à saúde mental aumentou quase em 20 vezes. Com esses dados, empresas devem estar mais atentas a atitudes que possam tomar para melhorar a saúde mental dentro e fora de suas organizações. 

A saúde mental tem sido tema de diversos debates e seminários de gestão de pessoas nas empresas. Isso deve-se aos diferentes dados que comprovam a necessidade de ações para melhorar a saúde mental. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que até 2020, a depressão será a enfermidade mais incapacitante em todo o mundo. Isso porque a mente é uma parte do corpo que, mantendo os cuidados necessários, sustenta o organismo tanto quanto os órgãos, músculos e ossos. A saúde mental influencia diretamente na saúde fisiológica e vice-versa. Basta refletir em nossas rotinas e também quando estamos doentes. Quantas vezes o simples fato de pensarmos positivo sobre algo influenciou para que melhorasse? A questão é que para muitos, essa atitude que pode parecer simples, torna-se muito difícil, praticamente impossível. 

Em um cenário como este, as empresas têm buscado alternativas para evitar que esses afastamentos ocorram. É preciso ter consciência de que o ambiente profissional pode influenciar diretamente na saúde mental, bem como no bem-estar dos colaboradores. E o caminho inverso também ocorre. Quando você não foca em melhorar a saúde mental dos seus colaboradores, você está fechando as portas para a produtividade, o engajamento de seus funcionários e suas motivações para crescerem na organização. Para isso, separamos abaixo algumas iniciativas que sua empresa possa passar a ter para lidar com esse cenário corretamente e conseguir melhorar a saúde mental de seus funcionários. Continue lendo e confira! 

Leia também: Cinco dicas de como ser mais inclusivo na sua empresa

Compreenda o cenário da saúde mental na sua empresa

Antes de realizar qualquer ação prática para melhorar a saúde mental na sua empresa, é preciso realizar um levantamento e estudo de como está de fato a atual situação dos seus funcionários. Da mesma forma que sua empresa possui, ou deveria ter, ações voltadas à segurança do trabalho, como brigadas de incêndio e funcionários treinados para manter o ambiente de trabalho seguro, é essencial que se compreenda a necessidade de ter um olhar atento à melhora da saúde mental.

Você sabe o nível de motivação de seus colaboradores? Há quanto tempo sua empresa não realiza um levantamento para medir a satisfação? Existe um espaço aberto para conversas, sugestões e reclamações? Como é a comunicação dos seus líderes com suas equipes? Quantos funcionários hoje já passam por algum tratamento de saúde mental? 

melhorar a saúde mental

Essas são algumas questões a serem levantadas para ter compreensão do cenário atual da sua empresa em relação à saúde mental. Se na sociedade a saúde mental ainda sofre preconceitos, dentro da sua empresa você deve tentar ao máximo não tratar esse assunto com tabu, como algo exótico ou minimizando. É preciso ter como prioridade ações para melhorar a saúde mental, encarando que todos em algum momento podem precisar de algum auxílio nesse sentido. Quando você globaliza certa situação, você consegue futuramente alcançar que isso torne-se uma exceção e não uma regra.  É preciso construir uma comunicação mais respeitosa e empática. 

Evite líderes com comunicação agressiva

Com tantas metas a cumprir e concorrências de mercado, muitas vezes acabamos cobrando nossos colaboradores de maneiras indevidas e criando um espaço de diálogo muito restrito e inadequado. Não se trata de diminuir o papel da liderança ou tirá-la o seu poder de fala, mas é preciso tornar o processo de feedback mais eficiente, buscando soluções de problemas e com um perfil muito mais conciliador, do que autoritário.  Seus funcionários precisam sim ter claro os objetivos do negócio, mas isso não precisa ser feito de maneira agressiva ou apenas com ordens. É importante que todos compreendam suas importâncias para a sustentabilidade da organização, instigando a todos a participação ativa para construir uma empresa sólida e de sucesso. 

melhorar a saúde mental

Procure capacitar seus líderes a criarem uma cultura e comunicação positiva, aberta e transparente com suas equipes. Esses líderes precisam mostrar aos seus funcionários que todos são valorizados e que a empresa se preocupa com suas opiniões. É preciso ter em mente que muitas decisões fogem apenas das questões legais, passando para esferas emocionais e individuais. Cada colaborador possui características próprias que precisam de devidas atenções, sem julgamentos. 

Leia também: O que é necessário para alcançar a produtividade na empresa?

Crie um calendário dedicado à saúde mental

A partir do momento que você já possui um diagnóstico de como está atualmente sua empresa em relação à saúde mental, é essencial estabelecer o que precisa ser feito para auxiliar quem já sofre com algum tipo de transtorno, bem como conscientizar todos seus colaboradores sobre a necessidade de cuidados. 

Mais do que ter eventos, palestras ou trazer psicólogas para conversar com seus colaboradores, é necessário também construir uma cultura em que seus funcionários consigam equilibrar suas vidas pessoais com seus compromissos dentro da empresa. Todos precisam ter tempo para estar com suas famílias, resolver seus problemas particulares e, claro, descansar para recarregar as energias. 

Para construir essa cultura, observe quanto seus colaboradores estão trabalhando. E quando falamos trabalho, não estamos dizendo apenas o período em que seu funcionário está presencialmente na empresa. Busque compreender se ele leva trabalho para casa; se as cobranças são tantas que ele não consegue se desligar do celular nas horas de folga; se ele vem fazendo horas-extras. 

Estimule e ofereça tratamentos

Muitas empresas, quando buscam mecanismos para melhorar a saúde mental, acabam ofertando dentro de suas estruturas algum tipo de assistência ou pré-tratamento para acolher seus colaboradores. Uma desculpa comum é a falta de tempo ou que é caro cuidar da saúde mental. Quando você possui serviços de orientação ou até mesmo de acompanhamento psicológico para que seus colaboradores tenham, de imediato, e ao alcance de todos, você acaba criando uma cultura participativa. O tratamento no local transmite uma mensagem aos funcionários de que seu bem-estar é realmente valioso e incentivado.

melhorar a saúde mental

Entretanto, é preciso ter claro, tanto para você, como para todos seus funcionários, que todos esses acompanhamentos serão tratados com a maior confidencialidade, sem interferências ou punições. É importante deixar claro que cada caso é um caso, e essas primeiras conversas podem acabar sendo uma orientação para que o colaborador procure ajudas para cuidar da saúde mental. 

Dessa maneira, é importante também, para que se consiga melhorar a saúde mental, sua empresa estabelecer parcerias com clínicas ou profissionais que poderão ser indicados para o tratamento de transtornos ou acompanhamentos individuais. 

Leia também: Como chegar lá: segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas

Como você percebeu, uma empresa que busca ter ações para melhorar a saúde mental acabará realizando uma reformulação na cultura organizacional como um todo, passando por um processo de entendimento e conscientização da importância de um olhar atento aos diferentes transtornos causados pela negligência desse assunto. 

Se você gostou desse conteúdo, não deixe de compartilhar nas suas redes sociais e auxilie outros empresários na criação de ações efetivas para melhorar a saúde mental.

Obesidade nas empresas

Obesidade nas empresas: quais ações implementar para conscientizar

A obesidade nas empresas tem se tornado um desafio diário para saúde de maneira geral. No Brasil, dados divulgados pelo Ministério da Saúde, apontaram que quase 20% da população é obesa atualmente no país. Seja no âmbito pessoal ou profissional, são necessárias algumas medidas para conscientizar sobre essa condição e muitas vezes incentivar uma mudança de hábito individual.  Já no meio coorporativo, a obesidade nas empresas, além de uma preocupação com a saúde, acaba gerando uma queda da produtividade e aumentando o índice de faltas ao trabalho. 

São diversas as ações tomadas pelas organizações para compreender e conscientizar sobre a obesidade nas empresas, seja entre seus funcionários, clientes e comunidade em geral. O que não pode ser deixado de lado, é que muitas vezes o ambiente de trabalho pode acabar contribuindo para o aumento do peso. Seja por não criarem rotinas alimentares saudáveis ou acabarem desenvolvendo algum tipo de doença, colaboradores que sofrem de obesidade ou possuem propensão para o ganho de peso precisam de um olhar mais atento e cuidados especiais. 

Leia também: Como chegar lá: segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas

Pensando em como melhorar o bem-estar de seus funcionários e evitar um aumento nas taxas de obesidade nas empresas, separamos algumas orientações sobre o que é possível realizar para incentivar seus funcionários a se movimentarem mais e criarem hábitos mais saudáveis, como também procurar auxílio médico em alguns casos. Afinal, é preciso ter claro que todas as medidas não devem ter como palavra-chave o combate, mas sim criar iniciativas para compreender o que pode estar levando à obesidade nas empresas e conscientizar seus colaboradores sobre o que pode ser feito para mudar esse quadro. Confira! 

Como está a alimentação na sua organização?

O primeiro ponto a ser estudado para compreender a obesidade nas empresas é fazer um estudo e pesquisa para identificar os hábitos alimentares dos seus colaboradores. Se sua empresa possui, por exemplo, um restaurante próprio, uma boa alternativa é contratar nutricionistas que irão avaliar o cardápio ofertado pelo restaurante, como também como seus funcionários estão se alimentando. 

É preciso perceber se existem opções saudáveis em quantidades necessárias para que todos criem uma rotina alimentar positiva. Além disso, faça um levantamento de quanto e como as pessoas estão comendo. Com tantas metas a bater e objetivos a cumprir, muitos colaboradores acabam se alimentando mal e muitas vezes de maneira rápida para conseguir voltar ao serviço. Observe se seus funcionários estão realizando intervalos completos e como estão ocupando esse período. 

Obesidade nas empresas

Caso sua empresa não possua restaurante próprio e forneça, por exemplo, Vale-Refeição ou espaços de refeitório para que seus funcionários tragam almoço, uma boa maneira de compreender a obesidade nas empresas é observar o que seus colaboradores estão trazendo para comerem. 

Mas afinal, o que eu, enquanto empresa, posso fazer para mudar esses hábitos?

Você, empresário ou gestor de Recursos Humanos, pode estar se questionando sobre isso, não é mesmo? Mas saiba que é possível sim auxiliar nessa conscientização através de algumas medidas simples. Alguns exemplos possíveis e alcançáveis são através da oferta de frutas no café da manhã ou criar painéis sugestivos com orientações sobre um “prato saudável”. Se sua empresa possui àquelas máquinas com venda de produtos em seus espaços de descanso, substitua salgadinhos ou refrigerantes, por alimentos saudáveis, como sucos, barrinhas de cereais, isotônicos, sanduíches naturais.

Leia também: Saúde preventiva nas empresas: o que é e como ser eficiente

Construa cronogramas com ações de incentivo à hábitos saudáveis

Boa parte dessas medidas relacionadas à obesidade nas empresas são voltadas à medicina preventiva, como você está percebendo. É exatamente na prevenção que devem ser estabelecidos atos para conseguir ter um ambiente mais saudável e produtivo. Ao implantar um programa de prevenção de doenças, promoção de saúde e qualidade de vida, você consegue construir com seus colaboradores uma atmosfera de consciência, em que cada um poderá se policiar e também ajudar seus colegas a tomarem decisões positivas. Além disso, a área de pessoas poderá estabelecer quais medidas mais concretas a serem tomadas para que se diminua a incidência de obesidade nas empresas. 

Sua empresa pode, por exemplo, criar campanhas de conscientização através de banners, e-mails e eventos que estimulem a prática de esportes, alimentações saudáveis e acompanhamento médico constante para que se evite a obesidade nas empresas ou demais problemas de saúde que possam contribuir para o aumento de peso. Invista em palestras, workshops ou até mesmo crie uma cultura com seus colaboradores de práticas esportivas. 

Obesidade nas empresas

Uma atitude prática é criar grupos para praticar trilhas ou corrida. Diversas empresas já realizam isso e, além de formar um ambiente corporativo mais unido e com sinergia, acaba impactando diretamente nessa conscientização sobre a obesidade nas empresas. 

Outro aspecto que pode ser investido é em parcerias com academias ou espaços de esporte, a fim de oferecer planos especiais para seus funcionários. Não se deve esquecer que muitos acabam não tendo rotinas mais saudáveis por questões financeiras. Então, quando você oferece preços mais acessíveis e atrativos, acaba criando uma cultura de que “não tem mais desculpa para não fazer esportes”. Falta tempo? Então insira os esportes dentro do seu local de trabalho. Contrate profissionais da área de educação física e realize aulas leves por alguns minutos, como de ioga, ginástica funcional, aula de dança entre outros exercícios que possam ser inseridos dentro da sua estrutura empresarial. 

Reavalie seu local de trabalho e invista em tecnologias

Como sua empresa trabalha a segurança do trabalho e a medicina preventiva dos seus colaboradores? Há quanto tempo você não realiza aferição sobre pressão arterial, batimentos cardíacos, peso, altura e índices de gordura dos seus funcionários? 

Muitas vezes o setor de recursos humanos assume diversas demandas, fazendo com que a segurança no trabalho ou medicina preventiva fique em segundo plano. Entretanto, isso pode acabar acarretando em graves problemas e gastos com plano de saúde ou até mesmo afastamento de funcionários por doenças ocupacionais. É preciso ter em mente que muitas doenças, como depressão e problemas musculoesqueléticos, podem acabar levando à obesidade ou influenciando nos comportamentos alimentares dos colaboradores. 

Obesidade nas empresas

Para isso, surgem no mercado algumas soluções tecnológicas que automatizam o controle da saúde dos seus funcionários, facilitando em muito essa responsabilidade.  Aqui na TeleWorld, trabalhamos com a balança multifuncional Safety Gestão de Saúde. A Safety disponibiliza resultados com precisão e rapidez, além de claro, melhorar a qualidade de vida dos colaboradores. Todos conseguem ter via mobile ou em um computador informações sobre peso, altura, pressão arterial, batimentos cardíacos, índice de gordura e muito mais. Além disso, você consegue aplicar com maior certeza seu projeto para conscientizar sobre a obesidade nas empresas. 

Leia também: Passo a passo: projeto para segurança do trabalho

Quer saber mais sobre? Então entre em contato conosco e comece agora a construir ações efetivas relacionadas à obesidade nas empresas.

segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas

Como chegar lá: segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas

Poucas pessoas compreendem, mas segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas são conceitos que estão extremamente interligados e devem andar juntos se uma organização busca produtividade e satisfação dos seus colaboradores. Um negócio para estar sempre competitivo no mercado requer diversas estratégia e atualizações. Além de planejamentos econômicos ou de vendas, um gestor ou empresário sempre precisa estar atento a segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas. 

A efetiva aplicação de iniciativas que visem uma melhora na segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas implica em um profundo respeito pelo colaborador, mas também é um forte indicador de como a organização está indo dentro e fora do mercado. Essa avaliação torna-se mais fácil a partir do momento em que uma organização disponibiliza aos seus funcionários ferramentas que passam a educar, treinar e proporcionar um aumento no bem-estar e melhora nos hábitos que interferem na segurança, saúde e qualidade de vida. 

Leia também: O que é necessário para alcançar a produtividade na empresa?

Para garantir segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas algumas ações devem ser tomadas e é preciso estar disposto a transformar certas rotinas do seu negócio e também repensar estratégias adotadas até então. Essa necessidade de atenção à segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas é evidenciada quando levamos em conta números divulgados pelo Ministério Público do Trabalho. Entre 2012 e 2017, acidentes de trabalho custaram mais de R$ 26 bilhões à Previdência Social. Esse valor abrange o pagamento de auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, pensão por morte e auxílio acidente nesse período de 6 anos. 

Se você quer transformar essa realidade e trazer maior segurança no trabalho e qualidade de vida na sua empresa, abaixo apresentamos alguns pontos de atenção essenciais e como chegar lá. Continue lendo e confira! 

Fatores que envolvem segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas

Antes de saber efetivamente o que você pode fazer para conseguir transformar a segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas, é essencial compreender o que enquadra esses conceitos dentro de uma organização. A segurança do trabalho visa criar mecanismos e investir em atitudes que ajudem a controlar e minimizar os riscos associados às diferentes funções desempenhadas pelos colaboradores. Mais do que investir em EPI (Equipamentos de Proteção Individual), parte fundamental da realização de tarefas de maneira segura, é preciso tomar outras medidas para que seus colaboradores estejam seguros. Afinal existem diversas funções, administrativas por exemplo, que não são utilizados EPIs, mas que também estão sujeitas a acidentes. 

segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas

Ou seja, em qualquer ambiente profissional é necessário tomar algumas atitudes para conseguir unir segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas. Saiba sempre que muitos acidentes ocorrem por distração e podem ser evitados. Além dos acidentes, uma grave causa do afastamento de funcionários está no número crescente de doenças ocupacionais

Nesse sentido, a qualidade de vida segue sendo um fator determinante e concomitante aos investimentos em segurança no trabalho. Quando falamos sobre segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas, estamos levando em conta

  • Satisfação com a organização, funções exercidas e com o ambiente profissional em que cada funcionário está inserido
  • Possibilidade de desenvolvimento profissional 
  • Salários, jornada de trabalho e benefícios justos 
  • Soluções atualizadas de Tecnologia e Gestão de Pessoas
  • Projetos e treinamentos para melhoria constante do clima organizacional e integração entre setores
  • Liberdade de participação e expressão
  • Planos de segurança, como em caso de incêndios, e orientações sobre uso de EPIs

Esses itens apresentados são só alguns dos tantos que podemos pontuar quando o assunto é segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas. Cada negócio possui necessidades individuais que dependem da natureza da atividade profissional, como também do ambiente em que está inserido, além da área de atuação no mercado. 

Abaixo apresentamos três atitudes que você pode tomar a partir de agora para promover uma melhora na segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas. 

Invista em saúde preventiva

Um ponto importante de partida é saber que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a maioria das doenças poderiam ser evitadas apenas tendo hábitos de vida mais saudáveis e consultando médicos com frequência. Quando buscamos investir em segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas, é preciso dar uma atenção especial para saúde preventiva dos colaboradores. Também denominada medicina preventiva, como o próprio nome já diz, é a especialidade médica que busca pôr em prática ações antecipadas para evitar e diminuir as chances de desenvolvimento de doenças que possam se instalar e provocar consequências mais graves ao organismo. 

segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas

Uma empresa que dá atenção a esses aspectos é àquela que cria mecanismos para incentivar e conscientizar os colaboradores a modificarem seus hábitos e condições de vida, eliminando fatores de risco. Algumas ações que podem ser realizadas, são: 

  • Palestras e cursos que demonstrem a importância da realização de atividades físicas, riscos do sedentarismo ou sobre atitudes não saudáveis, como o tabagismo
  • Oferta de uma alimentação saudável, além de ginástica laboral ou parceria com clubes ou academias 
  • Dia da saúde corporativa, com médicos atendendo seus funcionários dentro do próprio local de trabalho, além de oferta de exames rápidos. 

Leia também: Saúde preventiva nas empresas: o que é e como ser eficiente

Trace planos de carreira e metas bem definidas

Um dos fatores que afeta diretamente a motivação dos colaboradores e qualidade de vida nas empresas é a ausência de transparência nos processos de desenvolvimento dos funcionários. É importante pensar estrategicamente e deixar claro para todos os colaboradores até onde eles podem chegar e o que é valorizado dentro do seu negócio. 

segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas

Estabeleça metas específicas para cada área e sempre busque estabelecer feedbacks constantes de como está a empresa e também como cada colaborador pode impactar positivamente ou negativamente para a produtividade e crescimento da organização. Estabeleça um canal aberto entre funcionários, gestores e Recursos Humanos, em que seja possível realizar diagnósticos do que está dando certo ou errado e impactando diretamente na segurança no trabalho e qualidade de vida na empresa. 

Invista em tecnologia

Para muitos já é natural a necessidade de unir tecnologia à segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas. Entretanto alguns ainda não conhecem a fundo soluções tecnológicas que permitem um avanço e aceleração de resultados quantitativos e qualitativos em relação a essas duas categorias dentro de uma organização. Hoje em dia há ferramentas que facilitam as comunicações, programas que integram os processos da empresa e sistemas que ajudam a fazer uma boa gestão de seus recursos humanos.

Aqui na TeleWorld você encontra soluções para controle do relógio ponto, ferramentas para segurança no trabalho e medicina preventiva, terminais inteligentes de autoatendimento, além de instrumentos para controle de acesso de pessoas e veículos. Quer saber como cada uma dessas soluções pode ajudar a melhorar a segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas? Então entre em contato agora mesmo conosco! 

Leia também: A importância da segurança do trabalho nas empresas

Gostou desse texto? Então compartilhe nas suas redes sociais e contribua com mais pessoas que buscam por melhorias na segurança no trabalho e qualidade de vida nas empresas! 

Saúde preventiva

Saúde preventiva nas empresas: o que é e como ser eficiente

A saúde preventiva nas empresas tem sido um assunto corrente nas principais organizações e em eventos sobre Gestão de Pessoas. A necessidade de aliar bons resultados com o bem-estar dos seus colaboradores coloca em foco esse tema, que deve se tornar prioridade nas organizações de sucesso. Mas afinal, o que é saúde preventiva e como torná-la eficiente na sua empresa? 

Estimular entre os funcionários uma cultura de cuidados diários com o corpo e a mente vem se mostrando uma excelente estratégia para garantir um aumento no engajamento e produtividade da empresa.  Parece natural investir em saúde preventiva, mas sabemos que, na prática, deixamos muitas vezes de lado por conta de nossas rotinas, focando apenas em conquistar mais resultados e crescer seja como profissional, ou como empresa. 

Entretanto, as organizações viram que a longo prazo esses hábitos acabam tendo um resultado contrário e impactando negativamente no desempenho dos funcionários e na sustentabilidade do negócio. Muitas empresas de sucesso passaram a compreender que assegurar a saúde preventiva dos seus funcionários é essencial para conquistar a excelência das equipes e criar um clima de motivação e consciência corporal

Leia também: Como adequar empresas de segurança do trabalho e medicina preventiva ao eSocial

Abaixo você sabe um pouco mais o que é saúde preventiva e qual sua importância, na prática, para as organizações:

Provavelmente você já ouviu o ditado: “é melhor prevenir do que remediar”, não é mesmo? Por mais que seja clichê falar isso, todos nós deveríamos ter mais atenção para essas sábias palavras populares. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a maioria das doenças poderia ser evitada apenas tendo hábitos de vida mais saudáveis e consultando médicos com frequência. 

Saúde preventiva

A saúde preventiva, ou também denominada medicina preventiva, como o próprio nome já diz, é uma especialidade médica que busca pôr em prática ações antecipadas para evitar e diminuir as chances de desenvolvimento de doenças que possam se instalar e provocar consequências mais graves ao organismo. A saúde preventiva é dividida em quatro focos de atuação, são eles: 

Primária:  principal etapa da saúde preventiva, atuando para impedir que doenças se instalem, aplicando ações como campanhas de vacinação e conscientização corporal. 

Secundária: essa etapa visa diagnosticar o quanto antes, com o intuito de poder tratar as doenças ainda nos estágios iniciais.

Terciária: nesse caso a saúde preventiva age na diminuição dos efeitos negativos de doenças já instaladas, minimizando danos ainda maiores ao organismo. 

Quartenária: esse último foco de atuação tem como propósito incluir métodos para evitar, na maneira do possível, os efeitos colaterais de intervenções médicas já realizadas ou até mesmo diminuir procedimentos desnecessários ou considerados excessivos. 

Quando aplicado nas organizações, a saúde preventiva cria um conjunto de ações com a finalidade de conscientizar, auxiliar no diagnóstico e/ou amenizar o impacto de doenças ocupacionais em um colaborador. 

Leia também: A Pirâmide de Maslow aplicada ao seu negócio e a gestão de pessoas

Como investir em saúde preventiva nas empresas?

Quase todas as empresas já oferecem planos de saúde aos seus funcionários, entretanto, apesar de essencial, as pessoas só buscam quando já estão enfrentando algum sintoma ou doença. Assim, somente oferecer o plano não é mais o único passo, e nem o mais vantajoso, a ser tomado em prol da qualidade de vida dos colaboradores. É preciso se concentrar na prevenção para evitar doenças, lesões e acidentes por meio de ações antecipadas. Além de se preocupar com a saúde do colaborador, ter essas iniciativas impacta diretamente também na saúde organizacional, seja financeira como estrutural. 

Saúde preventiva

Essa prática destaca dois tipos de prevenções: primária e secundária. A primária consiste quando a empresa incentiva e conscientiza os colaboradores a modificarem seus hábitos e condições de vida, eliminando fatores de risco. Algumas ações que podem ser realizadas neste primeiro processo é aplicação de medidas para aumentar à realização de atividades físicas, o estímulo e também oferta de uma alimentação saudável, informar os colaboradores sobre os riscos de ser sedentário ou sobre atitudes não saudáveis, como o tabagismo. Essas prevenções primárias afetam diretamente na saúde em médio e longo prazo. Que tal ter na rotina da sua empresa ginástica laboral ou criar parcerias com academias? Talvez seja uma boa maneira de começar agora mesmo a focar sua gestão em prol da saúde preventiva! 

A prevenção secundária é um conjunto de iniciativas que auxiliam a detecção precoce de possíveis doenças antes mesmo que o colaborador apresente algum sintoma claro. Sua organização, por exemplo, pode realizar um dia com médicos atendendo seus funcionários dentro do próprio local de trabalho, como, por exemplo, cardiologistas, fisioterapeutas, otorrinolaringologistas. Existem inúmeros exames que podem ser realizados de maneira rápida e com diagnóstico no mesmo instante. 

Leia também: O que é absenteísmo e 4 maneiras de melhorar os resultados na sua empresa

Mas afinal, por que é necessário implantar a saúde preventiva nas empresas?

O principal aspecto prático de ter iniciativas de saúde preventiva é o retorno financeiro em curto, médio e longo prazo. Se você arca com o seguro saúde dos seus colaboradores, provavelmente já deve ter enfrentado alguns gastos nesse sentido. Além disso, se sua empresa não tem nenhuma ação de prevenção até o momento, deve encarar constantemente ausências de funcionários por conta de saúde, afastamentos, ou, até mesmo, um baixo comprometimento dos colaboradores por questões físicas ou mentais. Isso tudo gera uma série de custos, como, por exemplo, na contratação de freelances para cobrir as ausências e não atrasar entregas.

Saúde preventiva

Quando você coloca em prática algumas atitudes como as citadas no tópico anterior, você reforça com seus colaboradores que se preocupa com a saúde do funcionário, e, mais do que isso, que você considera essencial unir resultados com satisfação, seja ela em todos os sentidos. O colaborador tende a se sentir orgulhoso por trabalhar ali e confortável para ir atrás de ajuda médica quando necessário. Não se esqueça que muitos deixam de ir à médicos com medo de como seus gestores vão reagir por conta da ausência. 

Implantar a saúde preventiva no seu negócio é aumentar as chances de o mercado considera-lo um bom empregador, com reputação admirável, proporcionando o reconhecimento e aumento no interesse externo em fazer parte, facilitando nos processos internos de recrutamento e manutenção de talentos. Ou seja, sua empresa tende a ter uma diminuição com gastos relacionados ao Recursos Humanos e crescer no seu posicionamento entre as concorrentes. 

Esperamos ter lhe ajudado a compreender a importância de investir em saúde preventiva na sua empresa para potencializar resultados e criar um clima organizacional mais humano e integrado. Compartilhe esse conteúdo nas suas redes sociais e colabore por um mercado de trabalho mais sustentável! 

Como adequar empresas de segurança do trabalho e medicina preventiva ao eSocial

Sabemos que a administração de uma empresa exige atenção especial principalmente quando se diz respeito a obrigações e cumprimento de leis trabalhistas. A atenção deve ser redobrada quando o assunto é sobre segurança do trabalho, medicina preventiva e como adequar a empresa ao eSocial.

Atualmente, é fundamental que os empregadores se atualizem sobre as normas do e-Social e segurança do trabalho. A utilização desse sistema, criado em 2014 pelo Decreto nº 8.373, exige preparo e atenção das empresas, tendo em vista que agora a checagem dos dados pelos órgãos fiscalizadores ficará mais fácil. Assim, cadastrar corretamente as informações é fundamental para atender à legislação.

Para ajudar as empresas de segurança do trabalho e medicina preventiva a se adequarem ao eSocial, preparamos este texto explicando como funciona e quais são as normais que os empregadores precisam estar atentos. Continue a leitura e saiba como adequar a sua empresa:

Primeiro, você sabe o que é o eSocial?

O eSocial, ou Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas, foi criado com a finalidade de unificar a prestação das informações referentes às obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas dos empregados, além de padronizar a transmissão, validação, armazenamento e distribuição desses dados.

Dessa forma, o encaminhamento das informações para os órgãos federais fica mais simples e menos burocrático. Após o envio pela empresa, todos os dados ficam registrados em um cadastro único, de caráter nacional. Assim, esse sistema estimula uma gestão mais efetiva da empresa, trazendo uma nova realidade em relação aos registros e publicações dos dados dos empregados.

Informações a serem transmitidas via eSocial referentes à área de Saúde e Segurança do Trabalho

A padronização das declarações que resultará da implementação do eSocial proporcionará a todos uma considerável melhoria no uso das informações referentes à área de segurança do trabalho e medicina preventiva.

Nesse sentido, são muitas as questões especificamente relacionadas à segurança do trabalho e medicina preventiva que deverão ser observadas pelo empregador durante a prestação de informações por meio do eSocial.

Dentre os arquivos a serem preenchidos no momento de transmissão da declaração, os que dizem respeito à segurança do trabalho e medicina preventiva são os listados a seguir, em sequência:

  • Informações do Empregador (S-1000) – neste arquivo deverão aparecer, entre muitas outras, as informações sobre GILRAT (Grau de Incidência de Incapacidade Laborativa decorrente de Riscos Ambientais do Trabalho) e sobre FAP (Fator Acidentário de Prevenção).

  • Admissão de Trabalhador (S-2200) – via este arquivo o empregador deverá transmitir as informações contidas no ASO (Atestado de Saúde Ocupacional) admissional.

  • Comunicação de Acidente de Trabalho / CAT (S-2210) – o empregador deverá utilizar esta pasta para noticiar quaisquer eventos referentes a acidentes de trabalho, detalhando, inclusive, aspectos como o agente causador do acidente (ou a situação geradora do acidente) e a natureza da lesão.

  • Monitoramento da Saúde do Trabalhador (S-2220) – neste arquivo deverão ir as informações contidas nos Atestados de Saúde Ocupacional: Periódico; de Retorno ao trabalho; de Mudança de função; e, por fim, de Monitorização pontual.

  • Afastamento Temporário (S-2230) – nesta pasta deverá o empregador registrar os afastamentos que ocorrerem na empresa, contendo diversos dados do empregado e do motivo do afastamento, bem como a duração do afastamento temporário.

  • Condições Ambientais do Trabalho – Fatores de Risco (S-2240) – é o evento utilizado para registrar as condições de trabalho de cada colaborador, informando qual o ambiente que ele labora durante qual período, quais os riscos presentes no ambiente, quais as atividades desempenhadas, se há a utilização de EPI, dentre outras informações. Esses dados abastecerão o esocial com a informação necessária para emitir o PPP (Perfil Profissiográfico Previdenciário)

  • Insalubridade, Periculosidade e Aposentadoria especial (S-2241) – leiaute que será utilizado para informar via esocial todas as instâncias em que são pagos os adicionais de insalubridade ou periculosidade, bem como se há aposentadoria especial em cada caso. Como a informação é toda unificada, isso permitirá a verificação imediata do pagamento da alíquota RAT (Risco Ambiental do Trabalho).

  • Desligamento (S-2299) – arquivo que conterá o registro de desligamento do funcionário do quadro da empresa e no qual estará incluído o Atestado de Saúde Ocupacional (ASO) Demissional

Leia também: A Pirâmide de Maslow aplicada ao seu negócio e a gestão de pessoas

 

Quais serão os reflexos da implantação do eSocial na segurança do trabalho e na medicina preventiva?

Embora a adequação das empresas ao eSocial exija, ao menos inicialmente, um esforço considerável de comunicação entre todos os setores da companhia, é bastante evidente que a implementação do programa trará, a médio e longo prazo, ganhos significativos tanto aos empregadores quanto aos empregados.

As facilidades decorrentes do uso do eSocial para o exercício do cuidado extremo e da observação constante da manutenção das condições necessárias de segurança do trabalho e medicina preventiva do trabalhador, resultarão em uma relação ainda mais franca e honesta entre patrões e empregados. O eSocial permite que se ateste, de maneira clara, o cumprimento de direitos e deveres de empregadores e empregados.

Como será feita a fiscalização do eSocial?

Neste caso, o controle passa a ser praticamente automático. Inclusive, caso a empresa tente enviar informações inconsistentes, o sistema do eSocial simplesmente rejeita o envio. É impossível também efetuar a admissão de um colaborador sem que tenha sido feito o exame admissional, por exemplo.

Por isso fique atento: o programa do governo vai gerar multas pesadas para quem não gerar as informações de forma correta. E, se as informações estiverem desassociadas, também serão geradas multas.

Leia também: Inovação no RH? Não se confunda, comece por aqui

Concluindo

Com vimos, quem não se adequar às novas regras será penalizado com multas que podem ultrapassar R$ 180 mil. Além disso, o descumprimento das normas de segurança e saúde do trabalho também podem trazer problemas na esfera trabalhista em ações judiciais movidas pelos empregados.

Por isso, é fundamental se adequar às novas regras do eSocial e segurança do trabalho, garantindo a integridade física, a saúde do trabalhador e o cumprimento da legislação. Assim, além de promover o bem-estar dos empregados, a empresa não correrá o risco de ser penalizada e sofrer prejuízos com as multas.

Se você gostou do nosso artigo, não esqueça de compartilhar com seus amigos em suas redes sociais. Até a próxima.

O que é Indústria 2027 e como isso afeta a sua empresa

A evolução tecnológica caminha a passos largos e vem transformando, além da indústria, a vida de cada um de nós. Isto é a indústria 2027: a miscigenação de inovações em vários setores, que abre portas para possibilidades que antes seriam impossíveis até de imaginar. Nos próximos 10 anos, tudo será impactado. Do agronegócio à indústria da moda, das universidades ao mercado de trabalho. Absolutamente tudo.

 

Em fatos, a Indústria 2027 é um estudo de projeções realizado para sabermos o que acontecerá no ambiente industrial nos próximos 10 anos. Estes levantamentos foram realizados pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), e muitos temas foram avaliados.

 

O trabalho levou 14 meses para ser concluído e identificou os impactos de tecnologias disruptivas no horizonte de cinco e dez anos. Além disso, avaliou a capacidade do sistema empresarial brasileiro de enfrentar riscos e aproveitar oportunidades dessas inovações, e de prover insumos para o planejamento estratégico das empresas.

 

Hoje, vamos mostrar quais são as projeções e avanços tecnológicos que farão parte do nosso dia a dia nos próximos anos, segundo o Projeto Indústria 2027. Será que estamos preparados para tantas mudanças?

Inovações disruptivas

O que quer dizer disruptivo? Bem, o conceito diz respeito a interceder de maneira brusca, ou seja, são novidades que modificam algum processo de forma bastante significativa, e que passam a fazer parte de uma sociedade.

 

O Projeto Indústria 2027 foi baseado nas mudanças que a indústria brasileira precisa realizar para que as inovações disruptivas possam colaborar na competitividade das instituições e tornar o país uma peça importante no mercado global.

 

Um fato é que as inovações estão presentes em nosso cotidiano, e a sociedade absorve todas as vantagens oferecidas por elas, buscando produtos que estejam aliados às descobertas e inovações tecnológicas.

 

Como falamos anteriormente, o Projeto Indústria 2027 analisou oito fundamentos de inovações disruptivas que trarão mudanças drásticas nos processos produtivos de 10 setores produtivos da economia nos próximos anos. Saiba quais são eles e como o seu negócio será impactado:

 

1 – IoT – A Internet das Coisas

Conhecida no Brasil como Internet das Coisas, a sigla IoT vem do inglês Internet of Things, e tem por objetivo integrar à internet qualquer tipo de equipamento ou objetos.

A IoT viabiliza um contexto em que, por meio de sensores, é possível que máquinas e objetos se conectem e troquem informações entre si. Bons exemplos disso são as luminárias públicas equipadas com sensores que controlam a luminosidade de acordo com o tráfego de pessoas e veículos, permitindo uma iluminação mais econômica e eficiente.

 

Dentro do contexto industrial, a Internet das Coisas proporciona a integração da cadeia produtiva desde os fornecedores, passando pelo processo de produção até o cliente final, em verticais como cidades inteligentes, saúde, agronegócio, manufatura e transporte.

 

Leia também: Como a saúde interfere na produtividade nas empresas

 

2- Produção inteligente

Imagine a quantidade de processos existentes na produção de uma fábrica e o número de pessoas envolvidas neste trabalho. Imaginou? Na Produção Inteligente e Conectada, o controle da produção na indústria passa a ser feito virtualmente.

 

Assim, as fábricas digitais assumem o lugar das fábricas físicas, em uma mudança na estrutura da produção industrial. Isso é possível por meio de sistemas e equipamentos interconectados.

 

A ideia de linhas de produção sem a presença humana foi um assunto muito importante tratado no Projeto Indústria 2027. Somente uma tecnologia que associe inteligência com conectividade permitirá que indústrias produzam exatamente as quantidades necessárias, com grau de flexibilidade e customização dos produtos segundo o desejo do consumidor final.

3- TICs: Computação em nuvem, Big Data e Inteligência Artificial

A sigla TIC significa Tecnologia da Informação e Comunicação, e abrange todos os termos e serviços técnicos usados para tratar os dados de informação, como:

 

Armazenar dados em nuvem: acessar informações e dados a partir de servidores que não estejam nas dependências físicas da empresa.

 

Big data: análise e interpretação de grandes volumes de dados de forma totalmente automatizada.

 

Inteligência artificial: tecnologia similar a inteligência humana que interage com as pessoas, auxiliando na resolução de problemas e desejos. O carro autônomo é um excelente exemplo de inteligência artificial e uma grande aposta dentro da Indústria 2027.

 

Este tipo de carro usa algoritmos de visão por computador baseados em redes neurais artificiais e, quando está em movimento, é capaz de identificar em tempo real o que está à sua frente e, assim, o veículo toma a decisão de como agir de forma autônoma.

 

Leia também: Indústria 4.0 em Gestão de Saúde: como essa revolução pode ajudar a sua empresa 

 

4- Tecnologias de Rede

Usadas para o transporte de informações, as tecnologias de redes de comunicação possibilitam que os benefícios oferecidos pelas outras tecnologias digitais sejam aprimorados. Com as tecnologias de redes é possível, por exemplo, comandar fábricas por transmissão sem fio, acompanhar remotamente o funcionamento de veículos e de eletrodomésticos, além de rastrear alimentos. Atualmente a integração e interoperabilidade de padrões é um grande desafio a ser vencido.

 

5- Biotecnologia e Bioprocessos

A união da ciência, especificamente a biotecnologia com a engenharia, permite que sejam produzidos em ambientes industriais e agrícolas, equipamentos e tecnologia que concedem o desenvolvimento de produtos envolvendo as transformações biológicas em grande escala.

 

A área trabalha com a vida microbiológica de animais e vegetais e atende as áreas farmacêuticas, médicas, de cosméticos, agro-alimentar, química e de meio ambiente entre outras.

 

Através da biotecnologia, é possível obter produtos e processos como, por exemplo, novas vacinas, novos medicamentos e terapias, plantas com maior resistência a pragas e a estresses climáticos, além de testes diagnósticos mais precisos e menos invasivos.

6- Nanotecnologia

Diversos produtos usados no dia a dia têm sido aprimorados graças à Nanotecnologia, e por isso este é um pilar muito importante para a Indústria 2027.

 

A nanotecnologia, é o desenvolvimento de soluções em escala nanométrica, ou seja, invisíveis a olho nu e que atuam como agentes de limpeza, bactericida e bacteriostático, que aplicados nos produtos do cotidiano, transferem a eles características que não possuíam.

 

7- Materiais Avançados

Os materiais avançados são elaborados a partir de pesquisas laboratoriais, ou que são modificados e possuem particularidades especiais. De um modo geral, os materiais avançados permitem a melhoria de produtos ou mesmo o desenvolvimento de produtos inovadores nas mais diversas áreas.

 

8- Armazenamento de Energia

Tecnologias para a captação e armazenamento de energia são assuntos essenciais para a competitividade no mercado global. As fontes renováveis de energia e os avanços no desenvolvimento de baterias melhores tem contribuição significativa em basicamente todas as tecnologias habilitadoras disponíveis no mercado.

 

E você, está preparado?

 

A indústria nacional precisa identificar todos os desafios que trazem benefícios significativos para o mercado global. E, mais do que isso, se adequar e buscar tecnologias práticas de sucesso para se posicionar definitivamente no mercado internacional.

 

E você, está preparado para tantas mudanças? Acompanhe o nosso blog e fique atento aos nossos artigos, estamos sempre com novidades. E não esqueça de compartilhar o nosso conteúdo com os seus amigos, nas redes sociais. Até mais!

O que é absenteísmo e 4 maneiras de melhorar os resultados na sua empresa

Atualmente, muito se fala em combater o absenteísmo nas empresas, no entanto, poucas pessoas têm este conceito bem definido e por isso acabam por não conseguirem extinguir este mal tão presente no dia a dia.

 

Um termo aparentemente difícil de pronunciar, mas com uma definição bem simples. O absenteísmo nada mais é do que a ausência do funcionário no ambiente de trabalho, seja por faltas justificadas, saídas ou atrasos, afetando a produtividade e eficiência da instituição. Na prática, refere-se ao número de horas de trabalho que são perdidas devido aos motivos já mencionados.

 

Ausências pontuais não são caracterizadas como absenteísmo, no entanto, se a ocorrência de faltas tem um índice alto de frequência e prejudica a produtividade do estabelecimento, é bom averiguar de maneira cautelosa quais são os motivos das faltas e atrasos. Motivos como algum tipo de doença, problemas familiares e pessoais, dificuldades financeiras, dificuldades de transporte, falta de motivação, entre outras são as principais causas de falta e atrasos dentro do trabalho.

 

Leia também: Como a saúde interfere na produtividade nas empresas

 

O que muitos empreendedores não sabem é que o absenteísmo traz uma determinada quantidade de problemas à empresa, aumenta os custos e dificulta muito a concretização dos objetivos profissionais. Por isso, a seguir, falaremos um pouco sobre quais são as causas e como combater o absenteísmo nas organizações. Continue lendo:

 

Causas e Impacto do Absenteísmo

Como falamos anteriormente, as causas são variadas e podem estar associadas a diversas situações, como:

  • Volume excessivo de trabalho.
  • Más condições para desempenho das funções.
  • Baixo reconhecimento (levando o funcionário a buscar novas oportunidades)
  • Estresse (só para se ter uma ideia, na União Europeia são gastos mais de € 600 bilhões anualmente para lidar com esse fator)
  • Pressões.
  • Mau relacionamento da equipe.
  • Ergonomia do ambiente de trabalho.

 

O absenteísmo gera diversos impactos negativos na produtividade de uma organização, principalmente no setor financeiro. Isso é devido a perda de receita e encarecimento da mão de obra especializada. Afinal, é necessário gastar ainda mais com horas extras e pagamento de funcionários ausentes, mediante a faltas justificadas legalmente.

Além disso, a baixa produtividade interfere diretamente na qualidade da produção e serviços oferecidos e tem impacto direto na satisfação do cliente final.

 

Além disso, o clima organizacional também é atingido. Um funcionário que se ausenta muito, acaba sendo visto como descomprometido e irresponsável pela sua liderança, gerando conflitos de relacionamento na equipe. Ainda há os colaboradores que precisam cobrir os faltantes e, por isso, acabam se sentindo prejudicados e descontentes com o ocorrido.

 

Como lidar e combater o Absenteísmo na empresa?

Como vimos, lidar com o absenteísmo tem sido um grande desafio para as empresas. Sabemos que esses problemas podem ser de natureza pessoal, biológica, ambiental, social, familiar, financeira, funcional e, inclusive, estarem relacionados à própria estrutura organizacional. Mas, o importante é saber que existem maneiras eficazes de controlar e até combater o absenteísmo e suas consequências. Confira a seguir algumas dicas e saiba como proceder da melhor maneira nesses casos.

 

Leia também: Indústria 4.0 em Gestão de Saúde: como essa revolução pode ajudar a sua empresa

1- Fortaleça a cultura organizacional

É importante deixar claro desde o princípio quais são os valores e posicionamento da organização no mercado. Os colaboradores precisam conhecer e estar alinhados com todos os aspectos propostos pela empresa. Se estas informações não forem disseminadas de maneira correta, as chances de se sentirem desmotivados e não acharem sentido nenhum naquilo que estão fazendo é grande.

Existe um desgaste natural quando há incompatibilidade entre os objetivos pessoais e os da própria empresa. Por isso, é necessário que a organização trabalhe sempre com análises de perfil ainda no processo de seleção. Isso fará com que a taxa de absenteísmo diminua, já que as chances de ter um funcionário dentro dos valores da empresa são maiores

2 – Garanta uma comunicação eficaz

Uma comunicação com falhas pode causar sérios problemas de relacionamento entre toda a equipe. Afinal, o resultado de uma informação passada para frente de forma incorreta pode gerar alguns ruídos, como fofoca, especulações e informações pela metade.

 

E, quando esses ruídos surgem, a equipe se sente desmotivada e evita estar presente na empresa por meio de faltas, atrasos ou até mesmo desligamentos. No ambiente organizacional, a comunicação engloba o diálogo presencial entre colegas e também demais veículos: e-mail, reunião, telefone, TV corporativa e etc. Assim, para ter uma comunicação eficiente, é necessário entender o perfil dos colaboradores e descobrir qual ferramenta é a mais adequada para a equipe.

 

Lembrando que plataformas de comunicação interna reduzem ruídos no diálogo entre os colaboradores. As consequências são maiores chances de um trabalho bem executado e um sentimento maior de segurança e acolhimento do empregado.

 

3- Estímulo a atividades físicas laborais e alimentação saudável

A organização pode oferecer aos funcionários exercícios laborais uma vez por semana. Por mais que a mudança não seja imediata, a rotina de atividades físicas vai causar um impacto profundo na qualidade de vida dos colaboradores.  Rotinas assim evitam o surgimento de complicações como tendinite, bursite e estresse, além de ser um excelente estímulo para práticas mais profundas como treinos e corridas.

 

Assim como as atividades, o incentivo a alimentação saudável é muito efetivo em um ambiente corporativo. Medidas como oferecer um cardápio com sugestões saudáveis, organizar e disponibilizar materiais sobre o assunto e promover palestras que ensinam os funcionários a adotarem dietas adequadas são muito eficientes.

4 – Prevenção é o melhor caminho

É fundamental lembrar que a saúde física e mental do funcionário tem um grande impacto sobre o índice de absenteísmo da organização. Por isso, é importante criar alternativas para que o funcionário seja cuidado constantemente, com programas internos que geram bem-estar e soluções que acompanham a saúde do colaborar constantemente.

 

Alguns equipamentos, como a plataforma Safety Gestão de Saúde, trazem redução de custos, aferindo e rastreando a saúde dos colaboradores de forma online. Através desta plataforma ainda é possível trabalhar de forma preventiva e preditiva dentro das corporações, evitando assim problemas maiores no ambiente de trabalho.

 

O Safety é uma balança que mede pressão arterial, batimentos cardíacos, peso altura, índice de gordura, massa muscular e muito mais. Através dos dados gerados, muitas atitudes podem ser tomadas como mudança de cardápio no refeitório, organização de atividades físicas e uma série de atitudes preventivas.

 

A prática de algumas dessas ideias certamente promoverá a satisfação dos funcionários e a participação deles na rotina da organização. Mas lembre-se que todo esse trabalho deve ser feito com cautela e responsabilidade.

Gostou das nossas dicas para reduzir o absenteísmo na sua empresa? Então, não esqueça de compartilhar o nosso conteúdo nas suas redes sociais. Até a próxima.

Como a saúde interfere na produtividade nas empresas

Algumas empresas ainda insistem em lidar com a saúde do colaborador como se ela fosse um gasto desnecessário ou, até mesmo, desperdício de investimento. O que essas instituições não sabem é que a saúde do trabalhador está diretamente ligada a produtividade nas empresas.

 

O comprometimento das empresas com a saúde do trabalhador e a prevenção de riscos gera uma resposta sempre positiva, pois oferece um ambiente em que os trabalhadores realizam as suas atividades com mais satisfação e alegria. Como consequência, o nível de produtividade nas empresas cresce, além de riscos de doenças como depressão, ansiedade e stress diminuírem drasticamente.

 

Sabemos que o cuidado com a saúde do colaborador deve começar dentro das instituições, por meio de programas, iniciativas e ações que incentivem e valorizem sua importância, periodicamente. A saúde ocupacional é uma importante estratégia para garantir o bem-estar dos colaboradores e potencializar a produtividade, a motivação e a satisfação no ambiente de trabalho.

 

A sua empresa tem cuidado de maneira correta dos colaboradores? Os profissionais de Recursos Humanos da sua empresa já entenderam que estes tipos de ação trarão benefícios? Se você quer saber um pouco mais sobre como a saúde interfere na produtividade nas empresas continue lendo este artigo e comprove que o bem-estar do trabalhador é importante para todos, inclusive para você.

O papel do RH na saúde do trabalhador

O papel do setor de Recursos Humanos da empresa se divide entre selecionar, treinar e desenvolver colaboradores, com a função de propiciar um clima agradável, onde a saúde e a qualidade de vida dos funcionários são partes da cultura da empresa.

 

A Organização Mundial da Saúde acredita que o cuidado com a saúde do colaborador seja um desafio a ser superado, tanto para as empresas quanto para a sociedade. Existem diversas questões para serem superadas, como a tecnologia, novas substâncias químicas, envelhecimento da população, entre tantas outras. Sendo assim, as ações preventivas são muito importantes quando realizadas de maneira séria e eficaz dentro do ambiente de trabalho.

 

Um trabalhador saudável produz muito mais do que outro que não se sente à vontade no que faz. E esta produtividade nas empresas se dá na questão qualitativa, isso quer dizer que melhora os relacionamentos, o atendimento, comunicação, motivação e confiança, resultando em aumento de vendas, redução de desperdícios e acidentes de trabalho.

 

Infelizmente, o número de empresas que não dão a devida atenção à saúde dos seus funcionários é grande, resultando em redução de produtividade e um alto nível de estresse. Um estudo Norte Americano indicou que 150 bilhões de dólares são perdidos por ano devido ao alto nível de estresse no local de trabalho, aumentando o número de doenças, licenças, acidentes e conflitos interpessoais. É assustador. No tópico abaixo, falaremos um pouco sobre como o estresse interfere na produtividade nas empresas muito mais do que a gente imagina. Continue lendo.

 

Leia também: Indústria 4.0 em Gestão de Saúde: como essa revolução pode ajudar a sua empresa


Estresse no trabalho, um mal que deve ser combatido

Muitas pessoas até gostam do que fazem, mas o ambiente, seja por conta de pessoas ou de situações, gera estresse. Saber lidar com metas e cobranças, objetivos a cumprir, pode ser bem estressante para determinadas pessoas.

É fato que além de consequências sérias para a saúde, o estresse também afeta a qualidade de vida das pessoas e, consequentemente a produtividade nas empresas. Inclusive, essa consequência pode causar mais estresse ainda, se levar à perda do emprego, ou dificuldade em progredir na carreira. A pessoa que sofre deste distúrbio dorme mal, se alimenta mal e por fim, vive a vida de uma maneira mecânica, muitas vezes com ausência de satisfação e alegria.

Tendo em vista todos esses desafios que permeiam a saúde laboral do trabalhador, listamos algumas vantagens que este cuidado pode resultar para a sua instituição, confira:

  • Redução do Absenteísmo

Quando a saúde do trabalhador está prejudicada, é normal que o mesmo comece a faltar ao trabalho. O IBGE avaliou que os principais motivos de falta então relacionados a dores nas costas, pescoço e fortes sintomas de gripe. Além destes motivos, acidentes de trabalho influenciam diretamente o absenteísmo, já que estes afastamentos normalmente assumem gravidades maiores e até ações trabalhistas.

Para reduzir o absenteísmo, o ideal é que a empresa realize um acompanhamento ininterrupto, afinal, profissionais que tem a saúde monitorada regularmente estão menos propensos a desenvolverem doenças. Por isso, investir em prevenção é mais eficaz do que investir em tratamento e é mais uma segurança à empresa de que os profissionais estarão nos seus locais de trabalho no dia e hora determinados.

  • Redução de licenças

As licenças e afastamentos por motivos de saúde prejudicam agressivamente a empresa a longo prazo. Além de estar sem o trabalho do profissional, a empresa precisará se programar para que aquela função não fique sem um funcionário durante o período de afastamento.

Para que haja uma diminuição das licenças, a empresa pode promover campanhas de prevenção. Afinal, trabalhadores que cuidam da sua saúde ficam mais dispostos e ativos para executar suas tarefas diárias.

Leia também: As tendências para medicina preventiva e segurança do trabalho

  • Aumento de produtividade nas empresas

Como falamos, a saúde do colaborador está diretamente ligada aos níveis de produtividade nas empresas. Trabalhadores saudáveis e satisfeitos com seu trabalho são mais produtivos

do que o profissional que se encontra insatisfeito, e direcional mais energia produtiva pelas causas do trabalho, impulsionando o rendimento, a produção e o lucro da instituição.

 

É importante saber que as iniciativas podem partir do seu setor de Recursos Humanos. A primeira etapa é elaborar e implantar um plano de ação, programas e campanhas que conscientizem os funcionários. Depois, adote estas medidas como permanentes, incentive sempre os colaboradores a terem hábitos saudáveis e mantenha a porta aberta para possíveis diálogos e opiniões. Cuidar da saúde humana da sua empresa é sempre a melhor opção.

Gostou do nosso artigo? Não esqueça de compartilhar em suas redes sociais. Em nosso blog temos uma série de conteúdos relacionados com a saúde do trabalhador. Que tal aprofundar o seu conhecimento? Até breve!