Indústria 4.0 em Gestão de Saúde: como essa revolução pode ajudar a sua empresa

Atualmente não temos o hábito de pensar nas dificuldades que os empresários e funcionários dos séculos passados passaram para que chegássemos até aqui. Mas, e sobre o futuro? Já parou para pensar? E a indústria 4.0, você sabe o que é? A indústria 4.0, ou manufatura avançada, é nada mais nada menos que a 4ª revolução industrial. Na 1ª, 2ª e 3ª revolução tivemos avanços tecnológicos que mudaram o rumo das indústrias e empresas, e agora estamos passando pelo mesmo processo na gestão de saúde, só que em épocas totalmente distintas.

Para entender essa nova indústria, recapitulamos um pouco da história das revoluções e gestão de saúde:

As revoluções industriais

Em meados de 1820 aconteceu a 1ª revolução industrial, que trouxe a tecnologia das máquinas à vapor. Em 1900 a indústria automobilística inovou ao montar a primeira linha de montagem industrial, para o aumento da produtividade nas fábricas e em 1970 o trabalho que antes era realizado por humanos, começou a ser realizado por computadores e máquinas programadas.

Gestão de saúde nas indústrias passadas

A maioria das revoluções industriais até 1970 não obtiveram enfoque na saúde e no bem estar dos funcionários das fábricas. Pelo contrário, desde 1820 quando as máquinas à vapor foram inseridas visando a produtividade das fábricas na 1ª revolução industrial, crianças, homens e mulheres trabalhavam jornadas de 16h sem folgas e muitas das vezes sem salário. Então, os trabalhadores implantaram sindicatos para combater a exploração e as más condições de trabalho. A segurança do trabalho não era imaginada na época, muito menos o desemprego súbito que novas tecnologias trariam. No dia 27 de julho de 1972, foi implantada a portaria ministerial nº 3.237/72, que visa a obrigatoriedade dos serviços especializados em segurança, higiene e medicina do trabalho nas empresas.

Veja também: As principais normas e regras de segurança do trabalho 

Como funciona a indústria 4.0


O primeiro projeto de indústria 4.0 foi apresentado em 2012 em uma feira de tecnologia em Hannover, Alemanha. O projeto teve apoio do governo e diversas universidades, e propunha uma mudança radical no modelo da indústria atual.

Dentre estas mudanças, encontramos a proposta de implantação do controle remoto da produção e de tecnologias inteligentes capazes de comparar informações e gerar bancos de dados internos e externos. Essa tecnologia seria capaz de mudar a estratégia de funcionamento ou gerar diversas alternativas a partir de dados. Basta um gerente e um smartphone para tomar as decisões e ter o controle remoto total da empresa.
A seguir, temos como exemplo uma fábrica de molho de tomate:

Quando o sistema recebe a informação externa de que a safra de tomates deste semestre está baixa, ele automaticamente compreende que naquele período de tempo a matéria prima vai ser escassa e mais cara. No mesmo período ele recebe a informação interna de que a fábrica passará por uma reforma nas máquinas, então, o sistema calcula que o melhor período para essa reforma seria na época da safra baixa e também sugere o aumento da produção no período atual em que a safra está boa.

Hospitais e clínicas também adotaram a indústria 4.0. Lá os exames são efetuados em modo automatizado, o que evita a troca de informações, e não necessita amostras tão grandes de sangue. Evita também a contaminação, impedindo erros nos exames e diminui o risco de quem lida com estas amostras.


Os contras da indústria 4.0


A indústria 4.0 gera desemprego? Assim como na 3ª revolução industrial, as máquinas implantadas nas fábricas produziam mais e mais rápido do que qualquer funcionário e, consequentemente, houve demissão em massa da maioria destes funcionários. Mas assim como o desemprego estrutural desta categoria, surgiram novas vagas de emprego relacionadas às próprias máquinas. O implante total da indústria 4.0 será lento e gradual, e até lá o mercado já terá se adaptado às novas tecnologias. Vivemos em um meio onde a tecnologia é nossa aliada, por mais que estes sistemas sejam programados com algoritmos e inteligência artificial capazes de tomar decisões e guardar informações, estamos adaptados a viver lado a lado destas tecnologias no nosso dia-a-dia e levá-las para dentro das fábricas e empresas pode auxiliar tanto as próprias empresas quanto os colaboradores.


Gestão de saúde na nova indústria

Adotar a indústria 4.0 na sua empresa pode ser interessante quando a gestão de saúde automatizada gera eficiência e precisão.

Por exemplo: O dono de uma construtora optou por adotar um sistema que acompanha seus colaboradores. Antes da jornada de trabalho o sistema realiza exames no colaborador, e se ele não estiver apto ao trabalho, pode ser dispensado para consulta médica evitando problemas maiores como desmaio durante o trabalho. Nesta consulta pode ser diagnosticada alguma doença em estágio inicial que poderá ser tratada sem maiores problemas.

Neste caso o colaborador volta à empresa quando seu estado de saúde estiver apropriado e também a instituição evita maiores problemas relacionados à acidentes no trabalho e saúde do colaborador.

 

Veja também: As tendências para medicina preventiva e segurança do trabalho

A saúde dos colaboradores é um fator fundamental na sua empresa, isso gera produtividade e também bons resultados, então, esta tecnologia além de prevenir erros e aumentar a produção também pode auxiliar na gestão de saúde e segurança do trabalho da organização.

 

Atualmente, existem disponíveis no mercado dispositivos que auxiliam nos departamentos de segurança do trabalho e medicina preventiva, realizando testes de saúde em colaboradores na pré e pós jornada de trabalho, monitorando-os para caso de acidentes, alterando funcionamentos internos de acordo com a necessidade dos colaboradores de forma ágil, reunindo e avaliando informações que auxiliam em uma boa gestão de saúde da empresa.

E você, agora que está por dentro da nova indústria 4.0 e entendeu como ela influencia e auxilia na gestão de saúde, pensou em adotar novas tecnologias? Conta para a gente! Gostou do conteúdo? Compartilhe em suas redes sociais. Até breve!