A Pirâmide de Maslow aplicada ao seu negócio e a gestão de pessoas

A Pirâmide de Maslow nasceu de um profundo estudo realizado por Abraham Harold Maslow, que hierarquizou as necessidades em cinco eixos distintos sendo que, para chegar ao primeiro, os quatro anteriores precisam estar equilibrados.

Assim nasceu a Pirâmide de Maslow, na década de 40. Este conceito coloca na base da estrutura todas as necessidades básicas do ser humano, como o ato de respirar, comer e se hidratar, para de forma gradativa, chegar ao topo. Nele devem estar ações que levam o indivíduo à realização pessoal, como a espontaneidade, a solução dos problemas e os valores morais.

Entenda um pouco mais sobre a Pirâmide de Maslow, da base ao topo:

Fisiologia

Refere-se a ações básicas para a sobrevivência de qualquer pessoa. Como, por exemplo, beber, comer, reproduzir, descansar e se vestir.

Segurança

Se proteger e manter aquilo que conquistou ao longo da vida. São as seguranças física, financeira, bem-estar e proteção contra imprevistos.

Interações sociais e vida amorosa

Atendidas as duas primeiras necessidades, o indivíduo parte para a terceira camada da pirâmide, que são as amizades, a intimidade, a convivência social, a relação com a família e com as organizações. Sem elas, as pessoas tornam-se solitárias, ansiosas e depressivas.

Leia também: O que é absenteísmo e 4 maneiras de melhorar os resultados na sua empresa

Estima

É a busca pela autoestima, confiança, conquista e respeito, dos outros e para os outros. A estima deve ser almejada após alcançar a necessidade fisiológica de segurança e de interações sociais e amorosas. Sem ela, o indivíduo desenvolve baixa autoestima e complexo de inferioridade.

Realização pessoal

A última etapa só é alcançada se todas as anteriores tiverem sido conquistadas. Refere-se ao interesse de buscar a desenvolver todo o potencial, explorando suas habilidades a fim de garantir a satisfação plena da natureza humana.

Como a Pirâmide de Maslow pode ser aplicada em meu negócio?

A partir do entendimento do estudo da Pirâmide de Maslow é possível aplicar seu pensamento no dia a dia e compreender melhor como ele funciona na motivação profissional e aplicada ao seu negócio. Neste sentido, conseguimos ter clareza de que uma das primeiras necessidades a ser sanada tem a ver com ganhos financeiros. Os colaboradores de qualquer empresa precisam de um montante que possa arcar com as próprias despesas mínimas de sobrevivência, bem como com a de seus familiares.

Depois disso, o colaborador precisa de incentivos que o motive a desempenhar melhor sua função. Isso pode ser um curso complementar, oportunidade de crescimento, plano de carreira e a estabilidade tão almejada por profissionais de diversas áreas nos dias atuais.

Já o topo da pirâmide é para aqueles colaboradores que querem participar e contribuir ativamente dos resultados da empresa e se sentirem parte integrante do time. Quem está no topo busca por status e reconhecimento. Assim, esse é o momento de desafiar as competências, fazendo com que este participe de estratégias e soluções.

Vamos trazer para mais próximo da realidade com exemplos. Um estagiário geralmente busca pelo ganho de experiência e um salário que atenda suas necessidades básicas. Já um profissional que tem mais experiência de mercado e estabilidade econômica, pode estar em busca de desenvolvimento e a sensação de autorrealização.

Leia também: Como a saúde interfere na produtividade nas empresas

Já o profissional pós-graduado que falamos no começo do texto está no topo da pirâmide, buscando constantemente por novos desafios. É importante ter em mente, que quando as camadas da pirâmide não são atendidas, os colaboradores podem acabar ficando decepcionados e sem vontade de evoluir ou colaborar para os resultados da empresa. Por isso, é tão fundamental encontrar estratégias para mantê-los engajados e motivados a contribuírem com o melhor de si no âmbito profissional.

Quais são as vantagens da aplicação da Pirâmide de Maslow no meu negócio?

Trazer a pirâmide de Maslow para o dia a dia de uma empresa exige uma área de recursos humanos ou gestão de pessoas alinhada diretamente com os objetivos da empresa. Só dessa forma será possível analisar se os funcionários estão se dedicando ou não aos propósitos do empregador.

A área que irá cuidar da evolução do colaborador deve entender em que momento da pirâmide ele se encontra e quais são os objetivos profissionais de cada um. Dessa maneira, é possível avaliar se as ambições da empresa e do colaborador estão se sustentando ou se é preciso que se faça algum tipo de adequação.

Além disso, por meio deste diagnóstico, será possível entender também se os objetivos da empresa não estão claros para todos. Caso não estejam, é chegado o momento de implementar melhorias na comunicação entre organização e colaborador, para que questões como cultura organizacional, missão, visão e valores sejam esclarecidas. Desta maneira, os profissionais têm a oportunidade de optar se tais preceitos estão de acordo com seus princípios ou não.

Investir na motivação e realização dos funcionários é investir no crescimento da empresa. Só desse modo é possível desenvolver uma equipe produtiva, eficaz, capaz de solucionar problemas e que faça a instituição se destacar no mercado em que atua.

Se você gostou do nosso artigo, não esqueça de compartilhar em suas redes sociais. Nos vemos em breve!